SEGUIDORES

Confira a arte do artista potiguar Newton Avelino, na sua galeria permanente. Adquira já uma obra!

27 de nov de 2014

PAISAGENS DO SERTÃO DO NORDESTE

                                     Fonte da imagem: panoramio

                                           



                                       UMA MIRAGEM SERTANEJA

   



      No sertão do nordeste brasileiro tudo é possível, até o improvável pode acontecer de cair uma chuva, por exemplo, fora da estação chuvosa. Essa é uma sub-região que fica entre o Agreste e o meio Norte. Como o clima semi-árido ele é sempre predominante, ocorrem longos períodos de secas e mais secas.
   





        Os sertanejos são pessoas que ali nascem e crescem convivendo com esse tipo de situação, sempre adversas ao convívio humano, só que eles se acostumam a viver nessa terra linda e rica, mas que para desabrochar toda sua riqueza precisa de água. E isto é tão evidente que só precisa de uns 3 dias de chuvas para a caatinga ficar verde e começar a florada, deixando assim, todo um bioma mais rico e mais generoso para todo um ciclo de vida que nele habita.

   




  
      O homem nordestino, antes de tudo, é um forte, justamente porque aprende a conviver com situações adversas desde o seu nascimento. O sertão é onde o sertanejo costuma aprender a sobreviver e a respeitar tudo que nele tem, marcado pelas secas e também pela fome que costuma assolar esse pedaço de chão nordestino.

   





       Quando você viaja pelo sertão nordestino, você vai observar a sua vegetação seca e cinza durante a época de estiagem, mas também vai ver que ele tem lindas paisagens, como serras, estradas a perder de vista e algumas casinhas aonde a vista alcança. 





Vai se perguntar: porque ainda existem pessoas que moram isoladamente das civilizações e vai saber que esse estilo de vida é muito natural na cultura nordestina. São famílias que apesar das suas dificuldades, tiram sua subsistência daquele pedaço de terra onde e vivem. 





E em qualquer lugar que você estiver no sertão nordestino, vai ver uma casinha branca ao longe da paisagem seca e cinza assolada pela seca, mas vai saber que tudo isso faz parte da paisagem desse sertão e dessa cultura.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     





CARRO DE BOI

Fonte da imagem: onordeste

                    



                HISTÓRIA CULTURAL DO NORDESTE DO BRASIL

  





     O carro de boi já participou diretamente do progresso rural do Brasil, e se tornou sem dúvida alguma, um marco na história do país rural. Ele foi o primeiro veículo de transporte no sertão do Brasil, puxado por animais. Reconhecido através de um som que mais parece um choro, o velho carro de boi, modesto e vagaroso também faz parte da cultura nordestina.
   




     Ele ainda é usado em pequenas fazendas para transportar diversas coisas, tais como: Capim, a produção rural em geral, transporte de água e outros fins. Ele ainda existe em diversos rincões dos  sertões do nordeste brasileiro.  Na época do Brasil Colônia, a indústria açucareira usava muito o carro de boi para transportar os seus produtos isso já no século XVI, e no século XVII.
   





       Na história cultural do Brasil ainda encontramos algumas regiões que realizam festivais, encontros e exposições que se refere ao carro de boi, descobrindo a nossa cultura histórica artesanal. Esse artefato já foi tema de grandes canções, principalmente de duplas sertanejas como Tonico e Tinoco e tantos outros que valorizam a arte e a cultura da nossa gente, cantando o que o Brasil tem de melhor.
  






      Em outros estados na maioria das vezes o carro de boi era mesmo usado como transporte de pessoas, já no sertão nordestino também era assim, mas ele era mais usado mesmo, era para cargas de produção agrícola. Antes mesmo de colocar os bois para puxar os carros de bois, eles tinham que serem ensinados e muito bem ensinados, pois não era tão fácil domesticar um boi para puxar alguma coisa dessas tão pesadas e tão rudes como eram os carros de boi.
   






       Esse artefato é tão antigo que eles eram usados pelos egípcios, hebreus, babilônicos, chineses, hindus e fenícios. O carro de boi é dividido em canga, canzil, arreia, cabeçalho, cantadeira, cheda, cocão, fueiro, mesa e tambueiro. Ele só veio perder a sua primazia no século XVII, quando surgiram as tropas de burros, pois as mulas eram mais leves e rápidas.
   





      Quando os veículos motorizados surgiram, aí foi que a decadência dos carros de bois no Brasil, acelerou. Eles ficaram sendo usados na maioria das vezes nas áreas rurais tanto do sertão do nordeste brasileiro, quanto no resto do Brasil. Então no início do século surgiram os cavalos para puxar carroças e carruagem, ficando assim proibido por lei de transitar carros de bois nos centros das cidades. Como eu já disse, eles só ficaram nas zonas rurais.
   





      Mesmos assim eles fazem parte da nossa cultura e são objetos de museus e artesanatos em algumas fazendas pelos interiores do Brasil. O carro de boi, mesmo sendo uma pequena parte que vive rodando nas pequenas fazendas do sertão nordestino e no interior do Brasil, ele vive em nossa memória e na história desse país, chamado Brasil.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...