. ARTE E CULTURA POPULARA ARTE DE NEWTON AVELINO: Agosto 2016

Curta Nossa Página do Facebook!


  • Desenvolvido Por Iago Melanias

    Curta Nossa Página do Facebook!


  • Desenvolvido Por Iago Melanias

    SEGUIDORES

    Confira a arte do artista potiguar Newton Avelino, na sua galeria permanente. Adquira já uma obra!

    30 de ago de 2016

    VILA DOS SONHOS

    CONSERTANDO AS MALHAS | Fonte da imagem: aldadantas











    CONSERTANDO AS MALHAS









          A pesca artesanal no nordeste brasileiro está ligado à cultura de subsistência e mercado de trabalho. Essa atividade em regime de cooperativa se torna muito produtiva e muito sustentável. Se existe uma coisa que faz parte da cultura ribeirinha ou mesmo da cultura da pesca no litoral, é a pesca artesanal praticada pelos pescadores nordestinos. Eles sempre saem para o mar ou nos rios ou mesmo nos grandes açudes em suas embarcações pequenas, médias e grandes, no intuito de pegar uma quantidade de peixes para poder sustentar as suas famílias. Com suas redes de pescas ou mesmo com varas de bambus, anzóis, chumbadas e iscas, eles sempre estão prontos para enfrentar as dificuldades dessa profissão.






          Esse tipo de pesca apresenta condições limitadas de crescimento no Brasil, pois perde um pouco de espaço na disputa pelos peixes para a pesca industrial, uma vez que as empresas tem barcos e equipamentos para capturar os cardumes de peixes. Isso gera conflitos constantes entre os dois estilos de pesca. Vemos que é desproporcional as diferenças entre um e outro mesmo sabendo que a pesca artesanal sempre vai existir. 





          Sabemos também, que a pesca predatória provoca acentuada diminuição dos estoques naturais de peixes e crustáceos dentro dos oceanos e até mesmo dentro de rios, lagos, açudes e lagoas. Por outro lado, o crescimento de pescados em cativeiro, vem crescendo a cada ano e a tendência é que cresça cada vez mais. O bom disso tudo é que alivia mais um pouco a pesca artesanal indiscriminadamente.






         Sabemos que a atividade pesqueira no nordeste brasileiro é de fundamental importância para a economia da região. A pesca artesanal, quando é comparada aos outros tipos de pesca, é a mais importante no Brasil, sendo responsável pela maior parte dos pescados produzidos. Os benefícios que os pescadores tem, são a garantia do direito de exercer a atividade de pescador, direito aos seguro defeso, direito aos benefícios previdenciários e direito ao acesso a todas as políticas pública, como crédito de assistência técnica, infraestrutura e assim por diante, isso graça a Deus e a um governo que trabalhou em benefício da sociedade brasileira mais pobre. 





          Esses pescadores contribuem e muito para o crescimento do setor pesqueiro dessa região. Toneladas e mais toneladas de pescados são industrializados e comercializados todos os dias dentro do Nordeste brasileiro e exportado para fora da região. As jangadas, os barcos pesqueiros e os pequenos barcos, são os símbolos da história de luta e de bravura desses nordestinos lutando pela sobrevivência dentro do mar ou em rios lagos e açudes. 





           Geralmente são pessoas simples e humildes que nasceram vendo os pais pescando e que herdaram essa profissão. Muito deles erguem as suas redes e tarrafas em baixos de pés de castanholas, coqueiro ou mesmo framboesa, para esticarem seus instrumentos de trabalho a fim consertá-los. Entre uma conversa e outra, fumando um cigarro, o pescador vai traçando uma rede ou tarrafa nova, para poder estica-la dentro do mar para capturar os pescado do dia a dia. A sobrevivência dessa gente humilde faz parte da história e da cultura do nordeste brasileiro.


    IGUARIA NORDESTINA

    PRATO EXÓTICO | Fonte da imagem: fazer-e-comer











    PRATO EXÓTICO








          O nordestino por si só, é um grande inovador, um criador de novas ideias, e por isso, sempre estão inventando algo novo, isso tanto no que se refere ao turismo, a sua cultura, a sua culinária e também no empreendedorismo. Hoje vamos falar um pouco, da cozinha nordestina. Desde a época da colonização no Brasil, o nordeste do brasileiro, teve muita influência de outras culturas, isso na sociedade em geral, nas festas, na música na culinária e em outros seguimentos. 





          Vamos falar hoje, da cozinha nordestina. Ela é uma das mais inovadoras cozinha brasileira. Com seus temperos picantes e aromáticos, essa cozinha tem manjares divinos. O interessante de tudo isso, é que, uma mesma comida regional, pode ter nomes diferentes dependendo de estado para estado. Muitos pratos exóticos feitos no sertão nordestino, são apreciados pelos sertanejos e por alguns turistas, isso leva a crê que, essas iguarias, são divinamente preparadas com sabores e aromas tipicamente com temperos e preparos nordestinos. 





          Pratos como língua de boi, cabeça de bode, tripa assada, coração de boi na grelha, arroz com pequi, chambaril, pé de boi, capão com xerém de milho e tantos outros pratos que essa cozinha no proporciona. Esse é só um aperitivo de como é a cozinha nordestina, essa cozinha quase toda exótica. Com pratos mirabolantes e com o requinte de extrema sensibilidade no mundo gourmet, essa cozinha vai se destacando para o mundo. 





          Mas hoje vamos falar de um prato que é a base de peixe, e que, é mais um prato exótico no mundo gourmet dessa cozinha. Ele é feito à base de um peixe que está sendo difundido dentro do sertão do nordeste e em outras sub-regiões nordestina. Esse peixe é a tilápia. Ela é originário da África e que foi introduzido no nordeste brasileiro, com bastante sucesso de produção e adaptação. É da subfamília Pseudocrenilabrinae e em particular ao gênero Tilapia. 





          Esse peixe foi introduzido em quase toda América do Sul e América do Norte, e se adequa a lugares de clima quente. Como preparar: Você pega duas tilápia grande, lava os dois peixes em água corrente e depois de ter tirado as escamas, dá um corte horizontal perto da guelra do peixe, depois puxe a pele dele com um alicate, depois corta o filé na vertical e em cubos, depois tempere-os com a cebola, o pimentão e o tomate, junta a carne do peixe cortada em filés médio e mistura aos temperos. 





          Em seguida, costure as duas pele do peixe ou na máquina ou na mão, as peles que foram tirada com alicate. Depois das peles ficarem costuradas você deixa uma abertura ou de um lado ou de outro, para introduzir os filés de peixe já temperados, dentro da pele. Depois da carne do peixe introduzida dentro da pele, então você fecha com agulha e linha, a pele recheada de carne. 






            Os saquinhos recheados você já coloca dentro de uma panela com um molho de peixe já preparado, deixa uns 30 minutos ao fogo e depois é só tirar os saquinhos da buchada previamente cozidos, aí é só servir com arroz de leite arroz solto ou arroz temperado. Esse prato exótico sertanejo, e outros, são muito apreciados no sertão nordestino. Essa é a cozinha do sertão do nordeste brasileiro, levando para as pessoas, um sabor picante e um aroma divinamente inconfundível.





    28 de ago de 2016

    CENAS SERTANEJAS

    HISTÓRIA DE UM POVO | Fonte da imagem: nossaterrafp










    HISTÓRIA DE UM POVO








          As paisagens cinzas do bioma nordestino, na época das secas, modificam drasticamente a região do sertão nordestino. O cinza da vegetação dessa região árida e seca do sertão, realmente leva o nome de floresta branca, justamente porque a vegetação fica com essa cor, em consequência da falta de chuvas por períodos longos nessa região. A região do nordeste do Brasil, basicamente é uma das regiões que o maior número de estados da federação, ela ainda é uma região que ainda é muito discriminada por parte de alguns. 





          Infelizmente algumas pessoas desinformadas e que não conhece a história atual dessa região, ainda tem o nordeste como uma região arcaica, e isso não é verdade, de 12 anos para cá ela cresceu mais de que o resto do Brasil.  Essa região basicamente, ela é dividida em algumas sub-regiões, dentro desses núcleos, são encontradas muitas comunidades que não tem infraestrutura nenhuma e se torna quase sub humano na época de secas, pois alguns sertanejos ficam sem água e comidas, justamente porque as chuvas não vieram durante o ano, e com isso, eles não puderam trabalhar no que eles mas gostam de fazer que é plantar, colher, consumir e até vender nas feiras livres e nos pequenos comércio da região. 





             
           Bem, os reservatórios que são chamados de açudes ou barreiros, eles são o fator primordial para o abastecimento de água durante os períodos de secas nessa região, quando eles começam a secar, é sinal que as famílias que moram nessa região, vão passar por maus bocados e os animais vão ser sacrificados durante grandes secas intermitentes. Nessa região, como bem diz o poeta cancioneiro, “boi com cede, bebe lama”. 






             Então, a falta de chuvas afeta muito a plantação, os animais e o preço de produtos como o feijão e, consequentemente, da cesta básica de alimentos, isso tudo afeta a mesa das pessoas das cidades, porque somos dependente do homem do campo. É bom os políticos se conscientizarem, para medidas que venham a investir maciçamente em infraestrutura nessas regiões do sertão nordestino, a onde as pessoas passam por privações e até fome e sede. 






             As pessoas que moram nas sub-regiões nordestinas, a onde não existem escolas, hospitais e muito menos segurança, elas vivem naqueles lugares distantes dos grandes centros urbanos, e sem boas estradas para o escoamento das produções desses agricultores, sendo assim, eles vivem de certa forma, um pouco como se fossem de forma arcaica. Essa gente só depende delas mesmo para fazerem alguma coisa nessa vida. 






            O nordeste realmente cresceu nesses 12 últimos anos, e cresceu bastante, foram investidos nessa região, muito dinheiro e muitos programas sociais, que beneficiaram a população, mas também, o próprio governo sabe, que faltou e muito para investir maciçamente nessas comunidades. 






          Hoje não sabemos se os programas sociais vão realmente continuar, pois sabemos que o Brasil passa por um momento político difícil, o mundo está de olho para os destinos políticos do Brasil, é claro que quem está mais apreensivo é a população mais pobre das regiões mais pobres do Brasil, pois essa classe humilde e pobre do sertão nordestino, era uma das classes que eram mais beneficiadas com os programas do governo federal. 






            As secas prolongadas que massacram as pessoas que moram no sertão nordestino, elas se valiam desses programas sociais do governo do Lula e da Dilma, durante os períodos mais críticos sem chuvas, a onde as pessoas ficavam sem perspectivas de um futuro melhor, já que veem as secas batendo a porta deles durante anos, isso deixa o agricultor mais angustiado. 






         Bem, os agricultores do sertão nordestino, foram beneficiados pelo governo de Lula e Dilma com ações emergenciais, como a distribuição de cestas básicas de alimentos e frentes de trabalho, criadas para dá serviço aos desempregados durante o período de secas, dirigidas para a construção de estradas, pontes e açudes, isso aliviava mais o sofrimento dessas pessoas que moram dentro da caatinga. 






           Os problemas das secas somente serão superados por profundas transformações socioeconômicas de âmbito nacional. Várias têm sido as ações formuladas tais com: transformar a atual estrutura agrária, concentradora de terra e renda, por meio de uma Reforma Agrária que faça justiça social ao trabalhador rural. Também se estabelecer uma política de irrigação que adote tecnologias de mais fácil acesso aos trabalhadores rurais à realidade nordestina.








    25 de ago de 2016

    OÁSIS DO SERTÃO

    NO OLHAR DE UMA CRIANÇA | Fonte da imagem: luizinhocavalcante












    NO OLHAR DE UMA CRIANÇA







          A região nordeste do Brasil é impressionante, é a região que tem o maior número de estados brasileiros, com 9 estados. Esse lugar, sempre está sendo atingido por esse fenômeno. A região do sertão nordestino é uma área de terra que corta quase todos os estados dessa região. Dentro do sertão nordestino, existem várias famílias que estão dentro dessa faixa seca e árida e que sempre é castigada pelos intermitentes períodos de estiagens. As secas do sertão nordestino, são provocadas pelo fenômeno atmosférico oceânico chamado de El Niño. 





         Esse fenômeno é caracterizado por um aquecimento anormal das águas superficiais no Oceano Pacífico Tropical. Como essa é uma região que apesar de ser semiárida, ela possui vários pequenos, médios e grandes açudes, claro que, com a falta de chuvas provocado por esse fenômeno chamado de El Niño, é claro que essa região sente e sente muito as consequências. Primeiro porque esses reservatórios de água, eles depois de longos períodos de estiagens, ele naturalmente secam, e aí, as pessoas começam a sentir dolorosamente a falta desse líquido tão precioso para todos nós. 





          Não tendo inverno, não tem água, não tendo água, as pessoas não tem como plantar nem como beber e muito menos, fazerem os trabalhos domésticos. Como essa região é uma região árida e desértica em alguns lugares, a temperatura do chão pode atingir até 60 graus, com uma temperatura ambiente entre 25 a 35 graus na maior parte do ano. Hoje uma das soluções muito usadas no sertão, são as cisternas implantadas pelo governo federal na época de Lula e Dilma. 





           Essa foi uma das soluções mais acertada pelo governo, pois em época de chuvas, o agricultor pode armazenar a água das chuvas, em sua cisterna, que na maioria das vezes são colocadas no quintal ou ao lado de suas casas. Bem, mas isso é outra história, o que vemos, é que, essa região é uma região que, além de ter vários açudes como eu falei, esses reservatórios também servem para abastecerem pequenos municípios e também servem para a irrigação de lavouras desses agricultores. 






          É muito triste ver as cenas de pobreza nessa faixa de terra dentro dessa região do Brasil, pois somos todos nordestinos, e essas pessoas que dependem muito das chuvas ou de água potável, para sobreviverem, elas passam por cada momento crítico em suas vidas, para sobreviverem dentro do seu espaço territorial, pois com as secas constantes nessa região do sertão, não funciona praticamente nada. 





           Esses pequenos, médios e grandes açudes, são a fonte de água e vida para essas pessoas, pois na maior parte das vezes também eles servem para criação de peixe para subsistência dessas pessoas que ali moram, o mais incrível que ele vão usando carros pipas, ou seja, caminhões tanques, para levar água para outras comunidades, até esse açude não terem mais, água, já outros pequenos açudes ou barreiros, também podem receber água dos caminhões pipas, e assim, vão passando os dias com muitas dificuldades para essas famílias que moram em lugares quase inabitável, dentro do bioma nordestino. 





           Essa paisagem é praticamente cultural, o nordeste teve mais secas de que tempos chuvosos, pois essa área é propícia a isso em primeiro lugar, o seu relevo inter-planáltico, ou seja depressões localizadas entre planaltos, isso favorece a circulação de massas de ar úmidas, ocasionando a falta de chuvas. Também é uma região de latitudes equatoriais, com maior incidência de raios solares e, portanto, com maiores temperaturas. Ah, é bom explicar que não é em todo o nordeste que isso acontece, pois esse tipo de fenômeno está presente é na região chamada de sertão. 





            Então como vemos, o sertanejo é muito dependente tanto das chuvas como também das águas dos reservatórios dessa região. E quando ele ver os reservatórios e pequenos e médios açudes secarem, ele são tomados por uma desilusão profunda em não ter o produto mais precioso em suas terras. A verdade é que, nas secas, a paisagem muda os pássaros somem, o gado desaparece e a vida do sertanejo fica mais difícil de poder fazer algo mais por ele e por sua família. 





            E assim vai passado os dias através dos tempos e o sertanejo vai ficando calejado de tanto passar privações em seu próprio chão, sem poder fazer nada, a espera de um milagre, que nem sempre vem, e de 4 em 4 anos, ainda tem que aturar muita conversa fiada por parte de algumas pessoas que querem a ajuda deles para se eleger. Essa é a vida do sertanejo nordestino. 





            Às vezes o cultural no nordeste, nem sempre produz o que é bom para o povo sofrido dessa região. Nessa região meu amigo, como diz o poeta: “boi com sede bebe lama”, e ainda tem muita gente que tem preconceito contra nossa gente, nossa região. Falar da gente é fácil, difícil é ser um de nós. Tenho muito orgulho dessa terra, pois isso aqui é uma nação chamada de nordeste.


                                          

    20 de ago de 2016

    CORREDORES DO PROGRESSO

    TAPETE ASFÁLTICO | Fonte da imagem: umaincertaantropologia.










    TAPETE ASFÁLTICO 







           As estradas que cortam o nordeste brasileiro, algumas são vicinais outras federais e muitas outras, estaduais. Essas vias servem de escoamento tanto por parte da produção de agricultura, como também, do turismo e também são usadas para outros fins. Elas são estradas que foram feitas dentro do sertão nordestino e que algumas delas receberam camadas asfálticas com durabilidade de pelo menos 10 anos. 






           Quase todas elas foram construídas pelo exército brasileiro, que para mim, tem um trabalho exemplar, tanto na construção de açudes e de estradas como também na construção de barragens. O trabalho do exército junto com outras empresas particulares, fazem das estradas do nordeste, um exemplo de rodovias. Algumas precisam de manutenção, mais para isso é preciso vários projetos de recurso financeiro para que elas sejam recapeadas ou conservadas, mas isso é outra história. 






             Geralmente elas são feitas em terrenos muito cheio de obstáculos, devido ao terreno arenoso da caatinga, pois a piçarra é um dos solos mais constante na região mais seca do nordeste brasileiro. Nos anos de 1970, o exército brasileiro junto com construtoras, construíram bastante estradas asfaltadas dentro dessa região. Com a continuação do tempo, a durabilidade dessas rodovias federais e estaduais, foram ficando frágeis, pois acho que essas estradas tem um tempo máximo de 10 a 20 anos, e assim, depois desse tempo, elas começam a dá sinais de desgastes. 






            Pois bem, então essas rodovias feitas com asfalto quente ou frio, elas encantavam a todos nós, pois víamos o sertão sendo cortado por aquele tapete imenso tapete preto, que nos proporcionava o conforto de transitar sobre elas para qualquer local que quiséssemos ir num raio de pelo menos 2 mil km ou mais. Então víamos que o sertão estava sendo beneficiado com pelo menos essas coisas, como uma boa infraestrutura na malha rodoviária. Na parte de açudes, também nos anos de 1970, foi a onde aconteceu o auge das construções desses reservatórios, tudo comandado pelo exército brasileiro e administrado pelo DNOCS. Mas isso é outra história. 






            Então vejamos, as estradas foram se desgastando durante muito tempo, entra governo sai governo e só tinha na maioria das vezes mutirões de tapa buracos, quando elas estavam muito desgastadas, aí era que tinha que ter tanto por parte do governo federal ou estadual ou em parceria, o recapeamento total dessas estradas que ficam encravadas dentro do bioma nordestino. Essa era nossas estradas aqui dentro do sertão nordestino. Eu notei que de uns tempos para cá isso mudou radicalmente, precisamente de uns 12 anos para cá. 






            Vemos que tanto estradas estaduais como as federais algumas estão lindíssimas, bem conservadas e sinalizadas. Na maioria das vezes o governo federal também contribui para as obras de infraestrutura de rodovias estaduais, é só ver nas placas que estão nos canteiros das obras que estão sendo executadas, a quantia que vem do governo federal para aquela infraestrutura. Então o nordeste, desses 12 anos para cá, teve muitos benefícios por parte do governo federal, duplicou estradas, construiu outras, fez açudes e deu a oportunidade para que o nordeste tivesse estradas boas e tantas outras coisas. 






               Essas estradas em termos de logística, cai como uma luva para o turismo no nordeste brasileiro, pois diminui o tempo de translado dos turistas e dá mais conforto para quem vem visitar essa região do Brasil, essa região tão rica e tão acolhedora. Ainda precisa muito de verbas para outras estradas que estão em estado de abandono, inclusive federais, mas podemos dizer que o nordeste do Brasil nunca e nenhum outro governo foi beneficiado tanto como nos últimos governos. O que resta saber agora, é que, essa região precisa crescer e crescer a cada dia mais, com qualquer governo legítimo que seja, mais que não pode faltar infra estrutura nessa região. 






               Primeiro porque é a região que tem o maior número de estados, ela tem nove estados, depois o fluxo de embarque e desembarque tanto de mercadorias e de gente que entra e sai pelos portos e aeroportos, faz com que essa região seja olhada com muito carinho e com muita responsabilidade em se tratando de investimentos públicos e também privado. As estradas do sertão nordestino, são as pérolas negras que fazem da caatinga um labirinto de beleza no seu tapete negro cortando o bioma do sertão.



    16 de ago de 2016

    TABULEIROS CÍTRICOS

    FRUTA TÍPICA DO NORDESTE | Fonte da imagem: agencia.cnptia











     FRUTA TÍPICA DO NORDESTE








          A região nordeste é uma das regiões mais incríveis que conhecemos, isso tanto pela sua culinária, como pelas artes em geral, pelo seu turismo, pelas pessoas que aqui moram, pela sua história, que é uma história de guerras e batalhas e que foi por aqui que o Brasil foi descoberto. Então falar da região nordeste, eu fico muito à vontade, pois a cultura dessa região é muito forte e rica, e como eu sou daqui, fica muito mais fácil em conhecer e falar das coisas do nordeste do Brasil. 






          Essa região, podemos até chama-la de “caribe brasileiro”, pois as suas praias, as suas paisagens, o seu clima, e toda gama de energia positiva que paira por aqui, faz dessa região, uma das mais calyente do Brasil. Pois tudo aqui, gera em torno de sol, calor e muita gente alegre, isso com todas as dificuldades do dia a dia. Mas hoje vamos falar das frutas típicas do nordeste brasileiro. São frutas de sabores extremamente cítricos, umas com sabores doces, outras mais azedas, e outras mais suaves. 





          Essas frutas são encontradas em todos os estados do Nordeste, tais como: Bahia, Paraíba, Maranhão, Ceará, Alagoas, Pernambuco, Piauí, Sergipe e Rio Grande do Norte. Elas são extremamente usadas dentro da culinária nordestina. Os nordestinos consomem muitos todas elas, mais uma em especial, se destaca pelo consumo que é muito grande dentro do nordeste, pois ela contribui muito para a hidratação de banhistas e de todos em geral, essa fruta se chama coco verde. 






           O coco verde, é muito procurado por banhista de praia, pois como eles levam muito sol nas praias do nordeste, ele procuram ela para consumir o seu líquido precioso, já a poupa do coco seco, serve para ser transformada em leite de coco e temperar os frutos do mar, serve para se fazer doce e cocadas, serve para extrair o óleo e por aí vai. Muitas outras frutas são consumidas por todos nós aqui no nordeste, e que, durante o ano todo, essas frutas são figurinhas carimbadas em feiras livres e mercadinhos, sem falar nos vendedores ambulantes de frutas. 






            Bem, mas vamos escolher uma dessas frutas típicas do nordeste brasileiro, vamos escolher a mangaba, ou como queiram chama-la, mangabeira (Hancornia speciosa) Cerratinga seu nome científico. Os Franceses à chamam de Caoutchouc du Pernambouc devido ao seu leite que produz. Ela é um fruto da árvore mangabeira, é um nativo genuinamente de regiões tropicais brasileiras. Tem um crescimento a uma altura de 5 a 6 metros, mais pode vir a atingir 10 metros. Seus frutos começam aparecer entre 3 e 5 anos. Esse fruto tem uma forma oval em forma de baga, esverdeada com pigmentação vermelha ou meio amarelada. 






           Essa variedade de fruta sempre encontramos em grandes tabuleiros de arenito, passando pela caatinga. No sertão ou em quase toda sub região do nordeste, encontramos centenas dessas árvores embrenhadas dentro do bioma nordestino. Ela também é encontrada no cerrado brasileiro e em quase todo o território nacional. A mangaba pode ser consumida in natura, pode se fazer o suco, sorvete, doce conserva, geleia, vinho e xarope. Quando essa fruta está na sua época de produção, ela amadurece e termina caindo ao solo entre 12 e 24 horas. 






            Esse fruto só está apto para consumo a partir do momento que ele cai ao solo, pois é aí que ele está maduro ao ponto de ser consumido. A mangaba é rica em vitamina C, mais que outras frutas mais ácidas. O seu teor proteico, fica entre 1,3 e 3%. Na 2ª guerra mundial, essa fruta foi muito importante, pois o seu látex era utilizado na fabricação de borracha. A mangaba é indicada para o tratamento de colesterol, diabetes e hipertensão. 






          O suco da mangaba é indicado para tuberculose e úlcera. A sua casca é benéfica para o organismo. A mangaba é indicada para problemas de rins. A sua folha é indicada para gripe. Sua casca também é usada para tratamentos de pulmão, câimbras e cólicas menstruais. Então essa frutinha, é muito consumida pelos nordestinos. Vindo ao nordeste brasileiro, procure tomar aquele suco geladinho de mangaba.












    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

    GOSTARIA DE ASSINAR O NOSSO FEED?

    100% gratuito

    RECEBA AS ATUALIZÇÕES DO NOSSO BLOG DIRETAMENTE NO SEU E-MAIL

    FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES DO BLOG