, A ARTE DE NEWTON AVELINO: 01/20/16 01/20/16 - A ARTE DE NEWTON AVELINO

SEGUIDORES

Confira a arte do artista potiguar Newton Avelino, na sua galeria permanente. Adquira já uma obra!

20 de jan de 2016

PRAIA DE ZUMBI






PAISAGEM PARADISÍACA

      

     O litoral potiguar é um colosso, praias lindíssimas com seus coqueirais, suas dunas branquinhas, um mar azul turquesa e morno, sem falar nas paisagens paradisíacas. Não é à atoa que as praias do Rio Grande do Norte, estão entre as mais belas do Brasil. Todos os anos principalmente no verão, elas são invadidas por turistas de todas as partes do mundo, sem falar nos turistas brasileiros. As praias desse estado, são consideradas praias que chamam atenção de quem as visita. 


    Com águas cristalinas propícia para banhos, elas mostram as suas belezas para todos que as conhecem. Desde as praias urbanas passando pelas praias da grande natal e se estendendo pelas outras que ficam no interior do estado, elas sempre dão um jeito dos que lá vão, ficarem com uma impressão de que estão no caribe. Falando de praias do interior do estado, vamos falar de uma linda praia que fica no litoral norte. 


     Vamos falar da praia de Zumbi. Essa é uma praia que fica a 68 Km da cidade do Natal (RN), Na verdade Zumbi pertence a Rio do Fogo, A vila é muito tranquila, tem poucos comércios, e na orla podemos contar poucos bares. Essa praia fica entre a Barra do Rio Punaú, ao sul, e a praia de Rio do Fogo, ao norte, a sede do município a qual ela pertence. A praia de zumbi tem muitos coqueirais, um uma vista panorâmica sem igual. 


     Você pode se deliciar depois de um passeio pelas areias branquinhas da praia, vendo um visual lindo, pode dá aqueles mergulhos nas águas calmas e mornas de Zumbi, depois saborear aquele cardápio regional que eles costumam fazer, como: peixe frito, galinha cabidela, caldo de peixe e muito mais. Esse nome “zumbi”, tem origem africana, e significa fantasma que só sai à noite. Mas o nome da praia foi colocado de “zumbi”, porque existia um sítio na região no século XVlll, isso são os nativos que falam. 


     Mesmo sendo ainda uma típica vila de pescadores, a praia recebeu nos últimos anos alguns empreendimentos imobiliários. Mesmo assim, ainda é um lugar pacato e bem sossegado, bom para quem quer passar férias e fugir do corre e corre das grandes cidades. Esse é um lugar para quem quer sossego, quem está afim de relaxar alguns dias. Alguns nativos falam que no início dos anos 70, em razão desse local ter o nome de “zumbi”, e os nativos saberem qual era o significado do nome “zumbi”, eles fizeram uma espécie de manifestação para trocar o nome do local pelo nome de praia de São Sebastião, mas isso não foi possível porque o apoio popular não surtiu efeito. 


      Eles queriam o nome do santo, porque homenagearia o Santo Padroeiro do Local. Mas nos dias de hoje, eu acho que os nativos já se habituaram com o nome do local. O importante nisso tudo, é que essa é uma das praias mais lindas do litoral norte do estado do Rio Grande do Norte. Para chegar a esse local paradisíaco é só atravessar a ponte de Igapó, sobre o rio Potengi, na cidade de Natal, em direção à zona norte, seguindo pela RN 107 até chegar a BR 101 norte. 


      São pelo menos uns 70 Km até chegar no município de Rio do Fogo. Entrando a direita na estrada de barro. São apenas 6 KM até chegar a praia. Estando na capital potiguar, Natal, venha conhecer a praia de “zumbi”, você ficará extremamente satisfeito com a receptividade do local, vai se encantar com o visual deslumbrante da praia, e vai aproveitar para experimentar a culinária do local a base de peixes.




LINGUIÇA DO SERTÃO





Fonte da imagem: stefaneli




PRODUTO SERTANEJO
       

     Um produto sertanejo que sempre está presente nos restaurantes regionais aqui no nordeste, é a linguiça. Eu vou falar dessa iguaria que é bem peculiar e que é feita de carne de sol. Sabemos que existem de vários sabores e isso é um manja para todos aqueles que gostam de degusta-la. Esse produto sertanejo é muito procurado pelos que gostam de uma gastronomia exótica e saborosa. Uma boa forma de resolver o problema dos sabores, é fazendo sua própria linguiça em casa, já que a maior parte delas são feitas artesanalmente. 


        Temos uma oferta muito pequena, comparando com Argentina, Portugal, Espanha e Itália, sendo assim, uma boa opção é você produzir a sua própria linguiça. Para você fabricar uma boa linguiça artesanal, irá precisar de 1 moedor de carne, 1 funil (para colocar a carne dentro da tripa). 


       Modo de preparo: 1 kg e 500 de carne de sol, 1 kg e 600g de carne de porco, 500g de toucinho de porco sem pele, 2 copos de água gelada, 4 dentes de alho, 2 colheres (sopa) de sal, 5 pimentas bodinhas sem sementes, 1 pimenta dedo de moça sem sementes, 1 colher de café de glutamato monossódico, 1 colher de café de glutamanto monossódico, 1 colher de tempero pronto. 1 março de salsa picada. 


      Modo de preparo: Passe as carnes pelo moedor, Adicione 2 copos de água gelada. Faça uma pasta com o alho, sal, pimentas, glutamato e tempero pronto. Misture as pastas à carne e a masse tudo para ficar bem homogêneo. Adicione 1 março de salsa picada e misture bem, novamente. Deixe essa carne descansar na geladeira por 5 horas. 


        Depois prepare bem a tripa: Lave com água corrente por dentro e por fora. Deixe de molho por 30 minutos com água e vinagre ou água e limão. Enchendo as linguiças: Dê um nó simples na extremidade da tripa, faça um furo com palito de dentes para sair o ar, Vá colocando a carne moída dentro da tripa, Deixe a linguiça inteira, ou amarre em gomos. Como não há conservantes nessa iguaria, o ideal é congelar para conservá-la. 


       Muitas pessoas do sertão, gostam e vivem desse oficio, fabricar linguiça artesanal nas próprias casas. Isso gera emprego e renda para famílias de baixa renda. Então vemos que essa tradição é muito comum no sertão e em todo o nordeste brasileiro. Isso é trabalhoso, mas o resultado final é interessante e compensador. 


        A produção da linguiça artesanal sertaneja é absolvida pelas feiras livres, mercadinhos e outros. Esse produto sertanejo também é escoado para o sudeste do Brasil através de parentes dos nordestinos que moram lá, e por alguma importadora de produto sertanejo nordestino. Esse é um produto que não é encontrado  em todo comércio não. Só é encontrado em casa de produtos do sertão.
                                                                                                                                                                 


















AS MAGRELAS






CENAS RURAIS E URBANAS



             As cenas rurais e urbanas nordestinas são simplesmente o inverso umas das outras, mas que no entanto, você possa cruzar com algumas delas estando invertidas. Cenas urbanas que acontecem no sertão e cenas rurais que acontecem na cidade. No começo dos anos 70 o Brasil ainda estava engatinhando em alguns setores da tecnologia. Dos anos 80 em diante, começamos a alavancar rumo ao mundo globalizado.



      Quero dizer, também, que em algumas cidades do interior do Brasil, principalmente no sertão nordestino, ou mesmo nas pequenas cidades o meio de transporte era o fusca para quem tinha um pouco mais de dinheiro e para quem quase não tinha: a bicicleta. Haviam, basicamente, somente duas grandes conhecidas marcas de bicicletas que abasteciam o país, e a mania dos sertanejos naquela época, era de enfeitar suas bicicletas, quanto mais enfeitadas mais atenção elas chamavam. 


       De capas de celas a espelhos retrovisores, de pisca a pisca a lanternas acendendo na traseira da bicicleta, e por aí vai. Tinha alguns mais afoitos, que terminavam colocando algum tipo de marcador de quilometragem, isso deixava à magrela ”mais enfeitada de que burro de cigano”, como costuma dizer os sertanejos que residem no sertão.



      O setor de veículos de duas rodas não motorizado nos anos 70 era aquecido fenomenalmente por dois motivos aparentes: primeiro, o poder aquisitivo das pessoas era baixo e o segundo motivo é que a indústria dos veículos de duas rodas motorizados, ainda não era muito grande. 


      Pois quem tinha um pouco mais de dinheiro só podia comprar a motos chamadas de “as japonesas”, porque elas eram fabricadas no Japão. Desta forma, a indústria das bicicletas era muito grande, vendia bastante e tinha uma grande aceitação por parte das pessoas dos interiores nordestinos.



     No entanto, com a modernização dos tempos, novas tecnologias e o poder aquisitivo das pessoas se tornando mais alto, criou-se a facilidade de comprar um veículo de duas rodas motorizado. Pois bem, mas em pleno século XXI, não se iluda, você pode se deparar com uma cena inusitada, como a de encontrar uma daquelas bicicletas enfeitadas, seja na cidade ou mesmo nas zonas rurais você pode ainda encontrar uma cena típica dos anos 70. 





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...