, A ARTE DE NEWTON AVELINO: 10/30/16

Curta Nossa Página do Facebook!


  • Desenvolvido Por Iago Melanias

    Curta Nossa Página do Facebook!


  • Desenvolvido Por Iago Melanias

    SEGUIDORES

    Confira a arte do artista potiguar Newton Avelino, na sua galeria permanente. Adquira já uma obra!

    30 de out de 2016

    UMA HISTÓRIA SANGRENTA

    MOVIMENTO SOCIAL | Fonte da imagem: clickescolar












     MOVIMENTO SOCIAL










           O nordeste brasileiro, antes de mais nada, é terra de homens e de mulheres fortes, que não tem medo da labuta do dia a dia. Tudo no nessa terra não caiu de paraquedas, sempre foi através de muito sacrifícios, de muitas lutas, de muitas batalhas e de muitas guerras. Essa região que tem o maior número de estados federativos, e que, foi por lá que começou o descobrimento do Brasil. 






           O nordestino por si só, é uma dádiva de Deus, pois são pessoas simples, trabalhadoras, comunicativas e que gostam de ajudar o próximo. O nordestino antes de mais nada é um forte, sempre está batalhando pela vida, para terem o seu destaque dentro da nossa sociedade.







           Vamos falar aqui, das batalhas e guerras que já aconteceram no sertão e dentro da região Nordeste do Brasil, são elas: Guerras dos Potiguares, Quilombos e Guerras dos Palmares, Motim do Nosso Pai, Revolução de Backman, Guerra dos Mascates, Motins do Maneta, Conjuração Baiana-Revolução dos Alfaiates, Conspiração dos Suassunas, Revolução Liberal de 1821, Independência da Bahia, Guerra da Independência do Brasil, Guerra de Canudos, Revolta do Quebra Quilo, Motim da Carne Sem Osso, Sedição de Juazeiro, Cabanada, Balaiada, e muito mais. Portanto, a história dessa região teve lágrimas, lutas e sangue. 






           Talvez seja isso que faz desse lugar, um lugar especial, de pessoas especiais e que contribui e muito para o progresso do Brasil. Mas não vou fazer aqui só de guerras e revoluções que aconteceram em solo nordestino, eu vou falar um pouco de um fenômeno que aconteceu e que ficou marcado na história cultural deste lugar, o Cangaço que começou no século XlX e terminou no século XX.







            Oriundo do descaso dos governantes e do monopólio dos coronéis dessa região, os primeiros cangaceiros eram vaqueiros, lavradores e sertanejos que buscavam ascensão social e, principalmente “Vingança”. Esse fenômeno nordestino integrado por nômades que usavam de violência para cometer crimes na região nordestina e andavam equipados com cangas de madeira e utensílios de aço e cortavam a caatinga, invadindo e saqueando comércio, trens, fazendas. 






           Eles não aceitavam se subordinar à hierarquia do sertão Nordestino. O primeiro cangaceiro era chamado de “cabeleira”, e diz os historiadores que ele aterrorizada a região do Recife, isso na metade do século XVlll. Esse movimento revoltista só começou a criar corpo no começo do século XlX. 






           Nessa época a região Nordestina passava por um momento muito difícil, e sem falar que esses homens espalhavam o medo e o terror por todos os cantos. Na metade do século XVlll, Jesuíno Alves de Melo Calado, com a alcunha de Jesuíno Brilhante, que também praticou seus atos criminosos. O termo cangaço, provavelmente tenha vindo de “canga”.








           Outros motivos para o aparecimento desse fenômeno chamado de “Cangaço”, foram as disputas entre as famílias poderosas dessa região, a falta de perspectivas de ascensão social na região e a miséria que assolava por falta de investimentos na área social, já naquela época, ou seja, no século XVlll. Isso foi um dos motivos para que a revolta de homens sertanejos explodisse dentro da caatinga e fora dela. Os cangaceiros eram homens que se dedicavam a essa atividade, sempre bem armados, eles colocavam espingardas e rifles nas costas e cartucheiras transversais. 







          Eles traziam a tiracolo ou dependurada no cinturão toda sorte de armas suplementares, e longos punhais, cartucheiras feitas de couro com bastante munição. Eles estavam preparados para matar ou morrer, estavam prontos para tudo.









    A BAIANIDADE DA BAHIA

    FOLIA FORA DE ÉPOCA | Fonte da imagem: camaroteoceania











    FOLIA FORA DE ÉPOCA







           A cultura nordestina, é mesmo diversificada com várias ramificações de gênero culturais e com influência de várias etnias. A região Nordeste por si só, já é um celeiro de artistas, que fazem parte do cenário nacional e internacional, com várias ideologias culturais e sociais, e que sempre são artistas que estão na vanguarda. Vamos falar aqui, das misturas de ritmos, de sons e classes sociais que são arrastadas por esse turbilhão de emoções quando eles estão em plena avenida da cidade de Salvador, a capital da Bahia, e em qualquer outra cidade do Brasil. 






           Vamos falar um pouco, desses carros eletrificados e que na verdade, animam os carnavais fora de época das grandes, médias e pequenas cidades que ficam na região do Nordeste do Brasil e porque não dizer, de todo o Brasil. Mas para tudo isso funcionar hoje, e ter virado uma grande indústria de geração de emprego e renda nessa região, nas épocas das festas, foi preciso alguém ter dado o primeiro pontapé para que isso hoje, estivesse funcionando como está. Estamos falando do “trio elétrico”. 






           O primeiro Trio Elétrico, surgiu na década de 40, e os responsáveis por isso foram os músicos Dodô e Osmar, eles lançaram o “pau elétrico”, o primeiro instrumento eletrificado que não dava microfonia. Eles eram amigos e parceiros de músicas, isso em 1938. Em 1950 os dois saíram em cima de um carro Ford 1929, que eles batizaram de “fubica”. Em cima desse carro, eles passaram a tocar as músicas de frevo do Recife, e tocavam com os instrumentos fabricados por eles. 






           Então foi daí que nasceu a dupla elétrica, que, com suas “guitarras baianas”, começaram a tocar uma espécie de frevo eletrificado. Já em 1951, um outro músico se juntou à dupla Dodô e Osmar para tocar um terceiro instrumento chamado de “pau elétrico”, então foi assim que começou a nascer o Trio Elétrico do carnaval da Bahia. A partir daí, já em 1952 ganharam um caminhão de uma empresa de refrigerantes, para se apresentarem no carnaval da Bahia, digamos que era uma espécie de patrocínio da época. 






           A partir daí, no carnaval fora de época foi criando formatos mais profissional ano após anos, chegando até os dias de hoje, e que na verdade, antes de ser uma grande festa, virou um grande negócio e que gera muitos empregos diretos e indiretos em todos os níveis. Como diz o poeta cancioneiro, “de todos os santos encantos e axé sagrado e profano o baiano é carnaval”, “ alegria...alegria é o estado que é chamado de Bahia”, então é isso, o baiano é isso, alegria, carnaval e Bahia.  






            Seria muito, mas muito difícil se existisse a Bahia e não tivesse os trios que se tornaram   essa identidade que já nasceu no sangue da Bahia. E depois que passou a época de Dodô e Osmar, os percursores dessa história dos trios elétricos, têm que se passar por Morais Moreira, Paulinho Boca de Cantor, Armandinho, Aroldo, André, Betinho, os novos Baianos, Gil e Caetano que fizeram parte da tropicália e tantos outros como: Ivete, Carlinhos, o Brown e muitos outros artistas baianos que faz a baianidade dessa linda Bahia. 






           Essa turma, abriram as portas para essa geração de grandes cantores baianos que fazem sucesso até hoje. Então é isso, por aí vemos o quanto o Nordeste é um celeiro de grandes artistas de várias vertentes. A praça Castro Alves foi palco de grandes festas e é um símbolo da cultura, da ideologia e da etnia dessa massa chamada de Bahia. Não é à toa que Salvador é uma cidade cosmopolita, pois lá tem várias tribos, várias etnias, credos e de vários outros países. O trio elétrico tem essa magia de reunir as pessoas que gostam desse tipo e estilo de som, ou seja, hoje é conhecido como o “axé music”.





    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

    GOSTARIA DE ASSINAR O NOSSO FEED?

    100% gratuito

    RECEBA AS ATUALIZÇÕES DO NOSSO BLOG DIRETAMENTE NO SEU E-MAIL

    FIQUE POR DENTRO DAS NOVIDADES DO BLOG