, A ARTE DE NEWTON AVELINO: 04/04/17 04/04/17 - A ARTE DE NEWTON AVELINO

SEGUIDORES

Confira a arte do artista potiguar Newton Avelino, na sua galeria permanente. Adquira já uma obra!

4 de abr de 2017

COMÉRCIO INFORMAL

MEIO DE GANHAR A VIDA | Fonte da imagem: Apontador











MEIO DE GANHAR A VIDA







         Se existe uma coisa cultural dentro do Nordeste brasileiro, essa coisa se chama feiras livres. Elas são antigas e muito populares em praticamente todas as cidades de pequeno, médio e grande porte dentro da região nordestina ou não. Podemos chama-la algumas de shoppings populares a céu aberto, como é a feira de Caruaru, Campina Grande e Recife e tantas outras. Dentro dessas feiras populares, vemos de tudo um pouco. De feira de mangai a todo tipo de buginganga. 





      O mais interessante nessas feiras, é a organização dos produtos, eles ficam em setores predeterminados, tais com: setor da farinha, do feijão, da carne, do peixe das roupas do troca-troca de objetos e por aí vai. É bem comum nessas feiras, as pessoas encontrarem pessoas fazendo refeições com o belo cardápio nordestino, tais como: buchada de bode, panelada, chambariu, bode assado, galinha caipira e tantos outros pratos gostosos da região. 





         Hoje vamos falar de uma dessas feiras que existe dentro do Nordeste, e que pela sua fama, ela é uma das mais frequentadas, tanto pelos piauienses quanto pelos turistas. Vamos falar da feira do troca-troca que é uma feira diferenciada e que já existe há bastante tempo nessa região, já faz parte da cultura local. Ela fica localizada ás margens do rio Parnaíba, na divisa do Piauí com o estado do Maranhão do outro lado fica a cidade de Timon no Maranhão. 






       A feira do troca-troca é uma espécie de feira aonde as pessoas comercializam vários tipos de objetos, tais como: eletrodomésticos, ventiladores, geladeiras, bicicletas, celulares, vasos sanitários novos e usados, e todo tipo de coisas que você possa imaginar. As formas de negociação dos produtos não são apenas trocas, também compras e vendas, no entanto, os produtos tem que terem notas ficais, tanto faz serem novos como seminovos, isso é o que dá segurança e idoneidade dos objetos tanto para compra como para venda e para troca. 






       A feira do troca-troca começou no ano de 1973, mas essa atual foi fundada em 1985, já com muitos produtos e no mesmo lugar. Ela representa um dos pontos turísticos mais conhecidos do estado. Atualmente ela sofre com problemas de infraestrutura, além da falta de apoio ao local. É uma pena, pois esse local é parte da história da cidade de Teresina, precisa ser revitalizado para que os comerciantes possam trabalharem com mais tranquilidade e conforto e para dá mais segurança e conforto para os visitantes. 






       O troca-troca, que surgiu da comercialização de objetos a sombra do pé de uma figueira, foi aonde os camelôs começaram e se organizar e conseguiram juntos a prefeitura municipal, uma boa infraestrutura para trabalharem. Esse local é bem visitado tanto pelos nativos do local quanto pelos viajantes e turistas regionais. Cantada em versos e prosas o troca-troca é uma referência na comercialização de produtos novos e usados. Teresina tem muitos pontos turísticos, mas esse, fica na região centra da capital piauiense onde o fluxo de veículos e pessoas passam freneticamente próximo a ele. Essa feira fica justamente embrenhada dentro desse cinturão comercial da verde cap. 






       Com um grande estoque de mercadorias novas e seminovas, a feira do troca-troca é um atrativo para os que gostam de consumir mercadorias mais barata e de boa qualidade com procedência legal. Não é de hoje que esse local chama atenção da população em busca de novidades e de preços baixos, fazendo disso, um ótimo passeio junto com a família, para conhecerem mais o centro de comercio da cidade verde. São feiras tradicionais como essa que, mostra o quanto o nordestino é criativo e empreendedor nos momentos bons ou ruins do comercio ambulante do nordeste brasileiro. 






       Eu sempre soube dessa feira e via que nela existia como existe até hoje, um meio das pessoas que vivem dentro do comércio informal, gerarem renda e emprego, para poderem sustentar suas famílias e poder contribuir com o crescimento da cidade como um todo. Quando for a cidade de Teresina, procure conhecer os costumes desse povo tão acolhedor e tão hospitaleiro como é o povo piauiense. Sempre é bom saber que, as feiras livres do sertão ou não, do Nordeste, estão a todo vapor no aquecimento das vendas de varejo. 






       Essa feira fica em outra sub-região nordestina que é o meio Norte, e talvez seja uma das maiores do gênero, que está dentro do meio Norte, mostrando que sempre existe uma saída quando nos referimos a produtos novos e usados na base de troca ou não, para que gere sempre emprego e renda através desse tipo de comercialização de varejo, para que as pessoas sobrevivam dignamente. A feira sempre foi um sucesso e é cultural, faz parte da história do povo piauiense e da cidade de Teresina.








REALIDADE DURA DO SERTÃO

SECA FOME E MISÉRIA | Fonte da imagem: c4noticias









SECA FOME E MISÉRIA







      Não é fácil viver e sobre viver das migalhas dadas por aquelas pessoas que só querem os votos das pessoas humildes e pobres do sertão do Nordeste. No Nordeste brasileiro, falta água, falta pão, falta respeito aos seres humanos que lá residem; mas sobra a discriminação a exclusão e o abandono principalmente nas épocas de secas. Desolados pelo estado sem alimento, sem plantação, morre o homem, morre o gado, morre a própria esperança de ter pelo menos um pouco de respeito e de ter um pouco de infraestrutura onde eles residem. 






Muitos sertanejos choram nessa triste condição e aos céus ainda rogam que caia chuva no sertão. A ladainha é sempre a mesma, desde promessas feitas para ajudar o povo pobre do Nordeste até pequenas migalhas dadas por aqueles que tem condições de ajudar e não ajudam, isso acontece sempre um pouco antes das eleições feitas de 4 em 4 anos. Desde a chegada no Brasil do Rei Don João Vl de Portugal no começo do século XlX, que disse que queria “vender as joias da coroa, para ajudar o Nordeste brasileiro, e isso talvez nunca tenha acontecido. Infelizmente o Brasil ainda é um país terrivelmente ignorante. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 39,5% das pessoas aptas a trabalhar no Brasil não possuem nem o ensino fundamental e mais de 13 milhões de brasileiros são incapazes de ler um texto como esse, pela única razão de serem analfabetas. 






      Talvez muita gente não saiba, mas existem mais de 25 milhões de brasileiros (uma Austrália) vivendo com uma renda domiciliar per capita inferior à linha de pobreza, e mais de 8 milhões (uma suíça) vivendo abaixo da linha de extrema pobreza, ou seja, na indigência. A fome, a sede e a miséria são sorrateiras e silenciosas, como um bicho que se embrenha por dentro do mato, a fome corrói os lares miseráveis do sertão Nordestino e dos lugares mais distantes do sertão Nordestino. Ela faz estragos sem pressa, matando aos poucos, surda e continuamente, seu exército de famintos. 






      As regiões áridas pela própria natureza e erodida pelo homem, desespero do sofrimento das secas implacáveis. Essa é uma das realidades do sertão nordestino para com todos e principalmente com as famílias de baixa renda e aquelas famílias que estão abaixo da linha de pobreza, os “miseráveis”. Essa é a realidade de muitas famílias que não sabem o que é comer no dia seguinte. Depois de várias décadas, pouca coisa mudou dentro do sertão Nordestino. É o flagelo dos que nada ou pouco têm para comer. É isso que acontece dentro do sertão nordestino, infelizmente é cultural, as famílias tradicionais, ainda tem aquele antigo conceito de mandarem nessas áreas remotas da caatinga. 






      Isso sempre existiu, e dificilmente acabará porque também é cultural. Sabemos que pobres precisam de ricos e ricos precisam de pobres, pois isso é a lei natural da vida, o que não deve existir é que essa mão de obra dos mais necessitados seja explorada com diárias abaixo da média. A mão de obra qualificada ou não ela precisa ser valorizada por quem está pagando, pois sem essa mão de obra o patrão não vai lá para fazer o serviço de pião. Pois muitos que nasceram em berços de ouro, e vivem nas sombras da exploração da ignorância de muitos que não tiveram a oportunidade de estudarem, pois, essa é a situação que essas pessoas querem que o povo do sertão viva, pois só assim, podem fazer com que os mais pobres fiquem nas sombras da ignorância política, social e econômica dessa região mais pobre do Brasil. 






      A fome em qualquer canto, é uma degradação e um grande flagelo para a espécie humana, e se tratando de sertão nordestino isso se torna mais doloroso e revoltante, pois ela também é dor na alma e é tão profunda que parece um grande abismo sombrio. No sertão Nordestino existem povoados inteiros que as pessoas passam fome e vivem em absoluta miséria, sem condições de trabalhos, sem uma infraestrutura decente tais como: hospital e escolas e que a má distribuição de renda, só vem de alguma pequena prefeitura, que na maioria das vezes são deficitárias. 






      Mesmo com uma parte da transposição do rio São Francisco, que começou no governo Lula e Dilma, e que foi um passo gigantesco para o progresso de muitos nordestinos, mas como a região é imensa e com 9 estados, ainda existem setores aonde essa água não chegou e que ainda existem muitas regiões que não viram os benefícios  dessa transposição, ao ponto de homem dividir um pouco da água barrenta com os animais. Não é fácil sobreviver dentro do bioma chamado caatinga, a seca que existe dentro dessa região, ela é implacável e não tem piedade com os seres viventes que nela habitam. A região do sertão do Nordeste brasileiro precisa ser vista de outro ângulo, precisa de socorro por parte dos poderes constituídos, para que ela vem a crescer economicamente, socialmente e gerar renda e emprego para aquelas pessoas que nela moram. O sertão não precisa de migalhas, precisa é de uma política social séria para que esse lugar ajude o Brasil a crescer economicamente, socialmente e culturalmente.


FAROFA EXÓTICA

IGUARIA REGIONAL | newsrondonia












IGUARIA REGIONAL









      A cozinha brasileira é muito tradicional, rica e aromática, sempre existe uma maneira de se fazer pratos novos e saborosos dentro da culinária brasileira. A cozinha nordestina não é diferente, ela foi uma das primeiras a ser descoberta e a ter influências europeias, africanas e indígenas, pois foi pelo Nordeste que o Brasil foi descoberto. As iguarias feitas em todo o Nordeste brasileiro são de surpreende a muita gente, pois esses pratos são muitos saborosos, picantes e aromatizantes, e isso faz dessa cozinha, uma das mais apreciadas pelos turistas e pelos nativos dessa região. 





      
       Vamos falar hoje de uma iguaria muito conhecida pelos nordestinos e por toda cozinha brasileira, vamos falar da farofa de içá. Ela no mês de novembro é caçada por muitas pessoas, isso é uma tradição de cada região. A iça é a fêmea da formiga saúva e também é chamada de Bitu. O hábito de consumir essas formigas veio dos índios, que passaram a tradição aos sertanejos e tropeiros. A captura delas, são através dos voos que elas dão em direção ao macho, para se acasalarem e formarem uma nova colônia. Durante à noite as pessoas recolhem as formigas e as levam para casa para que elas sejam limpas e consumidas, ou então acumulam elas em garrafas, para depois vende-las. 






       Muitas pessoas congelam e estocam as içás para comerem em outra ocasião. É muito tradicional consumi-las feitas como farofa. Para que, essa farofa saia boa, e fique saborosa, deve ser retirado o abdome da formiga e depois acrescentando os ingredientes: Sal a gosto, óleo ou azeite, farinha, formigas Tanajura ou Içá (somente as fêmeas). Modo de preparo: Para começar a fazer essa iguaria, é necessário limpar as formigas e tirar as pernas delas. Depois é só colocá-las de molho em água e sal por cerca de meia hora. 






      Depois escorra em água corrente e deixe-a só as formigas ficar sem água, leve ao fogo, numa frigideira com óleo, azeite ou mesmo manteiga, daí você mexe as formigas em óleo na frigideira, com muito cuidado para não queimar. Quando estiverem bem torradas, acrescente farinha de mandioca, mexendo sempre, daí o resultado é uma farofa. Se a pessoa quiser, pode colocar também as verduras tais como: pimentão, cheiro verde, tomate e cebola roxa ou branca, um pouco de alho, também vai deixar bem picante, a farofa. 






       Esse prato exótico é um dos mais apreciados pelo povo nordestino que mora no sertão ou não, pois ele é um prato rico em proteínas e saboroso para ser degustado. Elas podem ser consumidas com farofa, in natura, torradas com água e sal. Existem outros modos de preparar essa iguaria. Ela é utilizada como um alimento substituto da carne. Enquanto a carne de gado possui 20% de proteínas, as formigas contêm aproximadamente 44%. A sua composição também é rica em sódio, potássio, ferro, cálcio e ácidos graxos. As tanajuras também são usadas como mezinhas. 






      No sertão do Nordeste brasileiro “mezinha” é o nome que se dá ao remédio caseiro tido como certeiro. Os estudiosos do sertão afirmam que não existe remédio melhor para curar doenças de garganta. Então vemos que, essas formigas são iguarias certas na mesa de muitos sertanejo, e que faz parte da cultura popular nordestina, pois é uma herança que veios dos índios e foi introduzida na cultura popular do Brasil, e até os dias de hoje essa iguaria faz parte da nossa história e dos nossos costumes.







LUGAR DE LAZER

UMA ELEVAÇÃO DE TERRA | Fonte da imagem: loucasporviagem









ELEVAÇÃO DE TERRA








       O nordeste brasileiro, é conhecido pela sua culinária, pela sua cultura, pelas suas praias e pela sua hospitalidade. É claro que, se tratando de turismo dentro do Brasil, o Nordeste brasileiro é o mais requisitado, pois não é à toa que essa região, é considerada o caribe brasileiro. É compreensível, entender porque o litoral nordestino é tão requisitado, tanto pelos turistas nacionais quanto pelos turistas internacionais. É porque as lindas praias do nordeste brasileiro encantam pelas suas belezas naturais, pela culinária do lugar e pela infraestrutura de algumas praias urbanas e do interior. 





      No sertão, também podemos ter um turismo muito bom, tanto para quem gosta do ecoturismo quanto para quem gosta de turismo de aventura ou turismo religioso. O que sabemos é que, essa região brasileira tem um potencial muito forte nessa área, e acreditamos que uma das melhores saídas para crise ou não crise, é sempre investir em mão de obra qualificada nessa área e investir em infraestrutura para que esse seguimento possa ter mais e mais turistas dentro da região, gerando emprego e renda para famílias desses locais, beneficiado pelo pequeno, médio e grande empresário dessa área. 






       Em vários estados nordestinos, o litoral ou o sertão, tem pontos turísticos maravilhosos de se ver. Hoje vamos falar de um desses locais maravilhosos que fica no estado de Sergipe. Eu estou falando de “Croa do Goré” é um dos cenários mais paradisíacos do estado de Sergipe. “Croa do Goré” é uma elevação de terra presente nos rios que aparece e desaparece nas baixas das marés. Esse lugar fica no Rio Vaza-Barris, bem pertinho da Orla Pôr-do-Sol, a uns 30 Km do centro da cidade de Aracaju. 





      Por estar no meio do Rio, pertinho dos manguezais, só é possível chegar a esse lugar, através de pequenas e médias embarcações. Você sai mesmo da Orla Pôr-do-Sol, onde se encontra várias lanchas, e aí o turista combina o preço para o passeio a esse lugar maravilhoso. Existe também, um Catamarã da Croa do Goré com saídas às 9:00. Esse passeio é um dos mais procurados pelos turistas, pois esse local é muito bonito. 





      A duração do passeio é mais ou menos uns 40 minutos até chegar à Crôa do Goré, ao chegar nesse local de destino, o visitante pode descer e beber algo em quanto aprecia as paisagens paradisíacas. Você encontrará nesse local um bar barco que pode te servir bebidas e petiscos. A parada nesse local é de apenas uns 30 minutos. Depois dos turistas pararem por 30 minutos, o catamarã segue por mais 30 minutos passando perto de mangues até chegar na ilha dos namorados, uma ilha formada entre o rio Vaza Barris e o Oceano Atlântico. 






      Essa ilha tem uma infraestrutura boa, ela está preparada para te servir petiscos, bebidas e te oferece mesas com cadeiras e guarda sol. A parada na ilha dos namorados pode ser até por duas horas. Também a ilha te oferece um espaço seguro para as crianças tomarem banho sem perigo. Esse passeio geralmente é agendado por agências de turismos, o que dá mais tranquilidade aos visitantes e turistas. O que torna o Nordeste atrativo para o turismo, são os lugares lindos que Deus presenteou a essa região, pois quem conhece o Nordeste brasileiro, jamais o esquecerá. 





      Cada estado nordestino que o turista visita, ele fica confuso, sem saber qual foi ou qual é o lugar mais lindo que ele visitou, pois dentre tantos lugares dentro dessa região, seria até um sacrilégio dizer que esse ou aquele é mais bonito, pois essa é uma região que tem milhares de pontos turísticos belíssimos e que, em muitos deles, a própria natureza esculpiu o local e fez desse local ponto de turismos, tais como os parques nacionais, municipais ou estaduais que existem dentro da caatinga nordestina. Aproveite suas férias e venha conhecer essa maravilhosa região brasileira chamada de Nordeste.





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...