LAMPIÃO E O CANGAÇO NA CAATINGA DO NORDESTE BRASILEIRO – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: LAMPIÃO E O CANGAÇO NA CAATINGA DO NORDESTE BRASILEIROBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: LAMPIÃO E O CANGAÇO NA CAATINGA DO NORDESTE BRASILEIRO A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: LAMPIÃO E O CANGAÇO NA CAATINGA DO NORDESTE BRASILEIROBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: LAMPIÃO E O CANGAÇO NA CAATINGA DO NORDESTE BRASILEIROBlog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

06 junho, 2013

LAMPIÃO E O CANGAÇO NA CAATINGA DO NORDESTE BRASILEIRO

<img alt='o cangaço' src='www.aartedenewtonavelino.com ' title='lampiao-cangaceiro-cultura-do-nordeste'/>


                             
                 

                           UMA LENDA DE TERROR NO SERTÃO



      

       O cangaço foi uma revolta ou revolução feita por alguns homens sertanejos que aconteceu no nordeste do Brasil. Eram homens revoltados com a situação precária que existia na época nessa região brasileira, e usavam de violência para cometerem crimes na região matar e saquear as fazendas lugarejos e se esconderem na caatinga. 


    

        Um tipo de vegetação árida que dá nessa região sertaneja do nordeste brasileiro. A associação de cangaço veio talvez de uma associação da canga que colocam em bois para transportarem alguma carga, usados muitos no nordeste. 


      

        Os cangaceiros tinham que carregar os seus pertences junto ao corpo. Foi daí que eles que associaram o nome cangaço. Em meiados dos anos 30, Lampião conheceu Maria Déia Nenén que era esposa de um sapateiro, os dois se apaixonaram e ela se uniu ao bando de lampião recebendo o apelido de Maria Bonita. 


      

         A entrada dela no bando, várias outras companheiras de outros cangaceiros foram incorporadas também. No ano de 1932 nasceu Expedita, a única filha de Lampião. Por questões de perseguição ao bando e eles não terem as mínimas condições de cria-la, eles a deixaram com alguém. 


     

        Ninguém sabe ao certo com quem, mas se deduz que foi com o irmão de lampião que não chegou a se envolver com o cangaço. Na verdade é que desde o começo do cangaço no nordeste, Lampião, sabe-se que ele dentre todos os cangaceiros foi o que se destacou mais e o mais famoso na história do cangaço do sertão no nordeste. 


      

        Uma única cidade que Lampião e o seu bando não conseguiu entrar foi na cidade de mossoró no rio grande do norte. Em mossoró Lampião perde suas tropas e então ele prefere fugir para a Bahia. A fazenda angicos em Sergipe era o esconderijo mais seguro, segundo o próprio Virgulino o Lampião achava. 


      Até hoje ninguém sabe ao certo quem o atraiu, naquela noite a volante da polícia tendo a frente o tenente João Bezerra e o sargento Aniceto Rodrigues da Silva, eles invadiram o acampamento e liquidou o bando. Alguns cangaceiros conseguiram fugir mas onze dos cangaceiros e mais Lampião morreram lá mesmo. 


      Cortaram-lhe a cabeça e exposta ao povo, para que eles vissem a morte de um dos bandidos mais temido do sertão nordestino. Hoje a história do cangaço e de lampião faz parte da cultura do nordeste do Brasil.


Nenhum comentário: