GALINHA D'ÁGUA – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: GALINHA D'ÁGUABlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: GALINHA D'ÁGUA A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: GALINHA D'ÁGUABlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: GALINHA D'ÁGUABlog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

16 novembro, 2015

GALINHA D'ÁGUA

                                                                                  
                                                        Fonte da imagem: Foto: Vicente dos Santos.

                                       

                                     AVE MIGRATÓRIA 

      

       Essa ave linda e esbelta, apesar de ser muito popular nos rincões do sertão nordestino, ela sempre é vista em plantações de arroz, plantações de junco ou mesmo em lagoas. Ela é uma ave quase anfíbia, pois ela mergulha para caçar sua presa, a maior parte de suas presas, são pequenos peixes e pequenos vegetais. No seu habitat natural, ela consegue se esconder de caçadores ou de qualquer pessoa que queira ver ela. 


      

       É uma ave de estilo pacato, ou seja, não gosta de voar muito e só vive na maior parte do dia entocada, escondida mesmo. Seu nome científico é Gallinula chloropus. Essa ave tem uns 40 centímetros de comprimento, tem plumagem escura com um tom esverdeado e faixas brancas, faz o seu ninho no chão com arbustos de folhagens do local, a fêmea põe de 7 a 10 ovos, e a incubação é de três semanas, chocados pelos pais, fêmea e o macho. 


      

      Essa ave é uma ave migratória e percorre grandes distâncias do seu habitat natural. Essa espécie é muito comum em quase todo o território nordestino, principalmente aonde tem lagoas e açudes no sertão nordestino. São aves aquáticas que quase ninguém quer caçar, pois elas trazem o mesmo sabor de peixe, e são tão pequenas que não vale muito apena caçá-las, mesmo assim algumas espécies da sua família desapareceram com a aceleração da modernidade e ação desenfreada do homem com a construção dessa sociedade moderna a onde vivemos. 


      
       Hoje a onde não existem mais lagoas de arroz, claro que não vai mais existir a permanência dessas aves nesses locais. A onde não existem mais açudes, em consequência de longas estiagens, claro que não vai existir essas aves, e assim caminha a humanidade, como disse o poeta. Infelizmente essa é essa a realidade da fauna e flora do nosso ecossistema. Locais aonde víamos aves lindas e raras, hoje quase não existem mais. 


      
        E olha que eu estou falando aqui só da galinha d’água, imagine outras aves como: papagaio, periquito, pacu, jacu, nambu, asa branca e outros. É para a gente imaginar e se conscientizar das coisas que já deveríamos ter feito pela preservação e não fizemos ainda. Todos tem a sua contribuição de preservar. É isso!

Nenhum comentário: