DANÇA PERNAMBUCANA QUE LEVA MILHÕES DE FOLIÕES NO CARNAVAL DE RECIFE – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: DANÇA PERNAMBUCANA QUE LEVA MILHÕES DE FOLIÕES NO CARNAVAL DE RECIFEBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: DANÇA PERNAMBUCANA QUE LEVA MILHÕES DE FOLIÕES NO CARNAVAL DE RECIFE A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: DANÇA PERNAMBUCANA QUE LEVA MILHÕES DE FOLIÕES NO CARNAVAL DE RECIFEBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: DANÇA PERNAMBUCANA QUE LEVA MILHÕES DE FOLIÕES NO CARNAVAL DE RECIFEBlog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

28 abril, 2019

DANÇA PERNAMBUCANA QUE LEVA MILHÕES DE FOLIÕES NO CARNAVAL DE RECIFE

<img src=“frevo” title=“carnaval-pernambucano-frevo” alt=“dança-pernambucana”>






CONHEÇA O SEGREDO CULTURAL DESSE ESTILO MUSICAL DE PERNAMBUCO QUE FAZ OS PASSISTAS CAÍREM NA FOLIA





      O frevo é uma dança tipicamente brasileira criada no século XlX, no estado de Pernambuco, baseado na fusão de outros gêneros musicais, como: maxixe, dobrado e marcha; também foi influenciado pela capoeira. A palavra “frevo” significa “ferver”, indicando como é o ritmo alegre e agitado de dançar. O pernambucano por si só, já é a prova viva das criações culturais do Nordeste, e o frevo não fugiu à regra. 



<img src=“o-frevo-pernambucano” title=“carnaval-pernambucano-frevo” alt=“frevo-carnaval-recife”>



      A capoeira foi a fonte de inspiração para a sua produção, pois traz consigo uma forma de luta trazida pelos negros na época do Brasil colônia. O frevo foi declarado patrimônio imaterial da humanidade pela UNESCO, desde 2012. Ele é dançado ao som de trompetes, pandeiros e saxofones. Seus brincantes usam roupas específicas, que fazem parte do dia a dia. Coisa muito simples, só depende da criatividade do folião. Também tem como outros itens, a sombrinha, que é tradição e símbolo dessa dança. Sabemos que no carnaval, o frevo é muito dançado e tocado também, mas em Pernambuco, isso se mistura com outras atividades carnavalescas, pois como eu falei, o pernambucano é muito criativo, e com toda essa criatividade, ele ajudou a fazer da sua região, uma região muito rica culturalmente. Entre o frevo, caboclinhos, cavalo marinho, maracatus, blocos de rua, vemos que, Recife, é realmente a capital cultural do Nordeste brasileiro. O estado de Pernambuco é tão importante para cultura nordestina que, consegue no carnaval, colocar mais de um milhão de foliões em um bloco de rua; estou me referindo ao “Galo da Madrugada. 


<img src=“o-frevo-pernambucano” title=“carnaval-pernambucano-frevo” alt=“frevo-carnaval-recife”>



      O “Galo da Madrugada, no carnaval, toma o centro da cidade do Recife que, as pessoas, já não sabem quem é do bloco e quem não é. O “Galo da Madrugada” é o povo e o povo é o “Galo”. Essa sintonia é muito contagiante, pois com a proporção que as pessoas vão se aglomerando em torno do centro da cidade, a energia do frevo vai tomando conta das pessoas que, se tornam foliões e aí, vão seguindo o bloco. O “Galo da Madrugada começou com o objetivo de reviver antigos carnavais de rua, então, da união de um grupo de amigos e famílias do Bairro de São José, comandado pelo grande carnavalesco Enéas Freire, foi que surgiu no dia 24 de janeiro de 1977, o clube de Máscara do Galo da Madrugada. Por muito tempo, com a grande proporção desses eventos, durante o carnaval pernambucano, foi aumentando a procura de foliões, que queriam brincar com estilos de velhos carnavais, e os organizadores foram vendo que era limitado para novos foliões, já que o espaço tinha ficado reduzido devido a tamanha proporção do sucesso do Galo. 


<img src=“o-frevo-pernambucano” title=“carnaval-pernambucano-frevo” alt=“frevo-carnaval-recife”>




      Então devido ao sucesso, o “Galo não tinha outra opção, tinha que ir para as ruas. Assim nasceu o “Galo da Madrugada, nas ruas estreitas do Bairro São José, berço dos primeiros clubes e blocos carnavalescos do Recife. No dia 04 de fevereiro de 1978, o “Galo” saiu às ruas do Recife pela primeira vez. Essa foi a intenção da família Alves Freire, para salvaguardar os interesses do morador do Bairro São José, das tradições do Recife e do carnaval pernambucano. 





Nenhum comentário: