CIDADES À BEIRA DO CAMINHO – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CIDADES À BEIRA DO CAMINHOBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CIDADES À BEIRA DO CAMINHO A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CIDADES À BEIRA DO CAMINHOBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CIDADES À BEIRA DO CAMINHOBlog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

19 março, 2016

CIDADES À BEIRA DO CAMINHO






ESTRADAS NORDESTINAS





     O sertão nordestino é muito lindo de se ver, pois suas transformações naturais que a lei da vida impõe para esse bioma, é uma coisa extraordinária. A sua vegetação é rasteira, média e alta, formada basicamente por plantas xerófilas, ou seja, adaptadas às condições de aridez desse tipo de terreno encontrado no semiárido nordestino. 




    Os pesquisadores já registraram mais de mil espécies de vegetais na caatinga. De acordo com alguns deles, pode haver o dobro desta quantidade. As principal característica desse tipo de vegetação, é que grande parte das espécies, perdem folhas durante a estação seca. Esse é um recurso para diminuir a perda de água durante o período seco. Então vemos que dentro desse bioma, as coisas acontecem de acordo com as estiagens ou os períodos chuvosos, isso faz com que a natureza mostre o seu show. 





     No sertão nordestino, costumamos ver pessoas que são acostumadas a conviverem com esse tipo de solo, de clima e de lugar. Essas pessoas, algumas, são nascidas e criadas nesses lugares mais secos da região do nordeste brasileiro, outras chegam nessas regiões e vão ficando, porque terminam gostando. Não é fácil realmente viver isolados de grandes centros urbanos, mais acontece que algumas dessas pessoas preferem cidades menores. 





      Pois bem, antigamente nos anos de 1970 as principais estradas que cortavam o sertão brasileiro, eram carroçável, hoje as coisas mudaram, e mudaram muito, algumas dessas estradas, já são asfaltadas e bem sinalizadas, isso dependendo de estado para estado, as vezes encontramos algumas estradas em péssimo estado de conservação, mas tem estados nordestinos, que mantem as suas estradas como um tapete. 





       Então aqueles povoados que ficavam as margens dessas estradas, com a continuação do tempo, do progresso e da boa infraestrutura dessas estradas, a tendência foram esses povoados crescerem e virarem pequenas cidades do interior nordestino. 





      Hoje quando passamos por algum desses lugares, vemos que o nordeste cresceu, e junto com ele o movimento comercial dessas cidades. As pessoas que ali moram, se adaptaram a novos tempos, souberam crescer junto com a nova realidade dos novos tempos. 





        Algumas dessas cidades vive só em função do comércio ou de agricultura de subsistência, possa ser que uma ou outra venha gerar emprego e renda de alguma outra forma, mas basicamente é de agricultura, pecuária e comércio, que essas pequenas cidades do sertão nordestino, vivem. 





    As paisagens desses locais quando a ver, é de muita emoção, pois vemos que, à beira da estrada, ali está crescendo mais uma cidade, e junto com ela, o seu povo. Isso é bem cultural do povo nordestino, formar pequenas cidades a beiras de estradas, pois se torna bem mais fácil o escoamento da produção agrícola deles e a população tem acesso mais fácil a outras cidades. 






      Sendo assim, vemos que as cidades pequenas do interior do sertão nordestino, também contribuem para o progresso desse país. Muita gente não sabe, mas em algumas pequenas cidades do sertão, existem muitas pequena fábricas têxteis, com fabricação de calças jeans, camisetas, e até bonés, isso gera emprego e renda para a população local.  Isso é a força da mão de obra das pessoas do sertão nordestino. Pequenas cidades a beira das estradas do sertão brasileiro, isso é uma marca nordestina.











Nenhum comentário: