. Blog de Arte e Cultura | Assuntos do Nordeste

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato
Confira a arte do artista potiguar Newton Avelino, na sua galeria permanente. Adquira já uma obra!

22 de set de 2018

QUEIJO COALHO DO SERTÃO

Iguaria feita do leite de vaca | Fonte da imagem: flick

  






IGUARIA FEITA DO LEITE DE VACA





    

    O nordeste brasileiro sempre foi uma região rica tanto na pecuária quanto na economia açucareira, isso desde o período colonial, e no próprio comércio de derivados. Mesmo com todas as dificuldades, que as secas intermitentes que existem no sertão nordestino e que nessa região sempre assola a castiga e tudo e todos que nela vivem nela, essa região sempre foi uma região produtora de queijos. 




Iguaria feita do leite de vaca | Fonte da imagem: sertãobras

   


   Vamos falar dessa iguaria que sempre foi sinônimo de sertão e de pecuária nordestina, que é o queijo tipo coalho. Era nas cozinhas das casas de fazendas do sertão nordestino que, se produziam os derivados do leite, principalmente nas casas dos vaqueiros, tais como: Queijo coalho, e o queijo de Manteiga. O objetivo de tudo isso era pra que essas iguarias tivessem o objetivo de consumo familiar, já que é um alimento muito nutritivo. 



Iguaria feita do leite de vaca | Fonte da imagem: Pintirest




      Depois de muitos anos, podemos dizer que é secular a fabricação dessa iguaria no nordeste brasileiro.  Ainda hoje, existem fazendas que produzem o queijo a moda antiga, feito com a velha prensa de madeira, mesmo com toda a tecnologia que existe hoje. Podemos observar que nos mais longínquos rincões nordestinos em algum lugar, você pode observar essa prática com o meio mais primitiva e que faz parte de uma cultura de um povo que procura melhorar a cada dia em tudo que faz. Geralmente, a falta de condições financeiras, ainda leva o homem nordestino do sertão, a usar antigos métodos de fabricação queijeira. Hoje a fabricação do queijo tanto é feita pelo pequeno agricultor, com muita simplicidade, como também pelos grandes produtores, ou até mesmo quem nem trabalha com leite, e que tem acesso a maquinários com grande tecnologia. Geralmente, hoje tem muita gente que trabalha no sistema de cooperativa e que é mais um suporte para o agricultor que fabrica o seu queijo, essa é a forma de barateia-lo. A higienização do produto é muito importante para que ele tenha boa aceitação comercial, e para a própria saúde humana, isso não resta dúvidas. 



Iguaria feito do leite da vaca | Fonte da imagem: youtube
      



    Antigamente, no começo do século passado, era tudo bem primitivo, bem artesanal mesmo, hoje podemos ver o pessoal que trabalha nesse seguimento, ter suporte técnico, e aprendendo a fazer o queijo, usando assim todas as etapas de um processo de produção. O sertanejo ocupava todo o espaço da cozinha de sua casa para a fabricação do queijo e ao mesmo tempo servia de queijaria, que também ficava tudo junto aos grandes fogões feitos de alvenaria e junto às trempes, sem organização e sem higienização nenhuma, hoje ele já tem outro aprendizado e está mais bem preparado, com outros conceitos e com mais acesso a outras tecnologias. Isso é a cultura do sertão, isso é a cultura Nordestina. O queijo é um alimento mais antigo registrado em toda história da humanidade. A arte de sua fabricação remonta ao ano 10.000 a.C, época da domesticação de cabras e ovelhas, pelos pastores egípcios, um dos primeiros povos que utilizavam o leite e o queijo como fonte de alimentação importante.

20 de set de 2018

FESTA TRADICIONAL

                                                                    
Ritmo musical e dança brasileira | Fonte da imagem: elpais






RITMO MUSICAL E DANÇA BRASILEIRA







     O frevo é uma dança tipicamente brasileira criada no século XlX, no estado de Pernambuco, baseado na fusão de outros gêneros musicais, como: maxixe, dobrado e marcha; também foi influenciado pela capoeira. A palavra “frevo” significa “ferver”, indicando como é o ritmo alegre e agitado de dançar. O pernambucano por si só, já é a prova viva das criações culturais do Nordeste, e o frevo não fugiu à regra. A capoeira foi a fonte de inspiração para a sua produção, pois traz consigo uma forma de luta trazida pelos negros na época do Brasil colônia. 




Ritmo musical e dança brasira | Fonte da imagem: farolnews-



   

      O frevo foi declarado patrimônio imaterial da humanidade pela UNESCO, desde 2012. Ele é dançado ao som de trompetes, pandeiros e saxofones. Seus brincantes usam roupas específicas, que fazem parte do dia a dia. Coisa muito simples, só depende da criatividade do folião. Também tem como outros itens, a sombrinha, que é tradição e símbolo dessa dança. Sabemos que no carnaval, o frevo é muito dançado e tocado também, mas em Pernambuco, isso se mistura com outras atividades carnavalescas, pois como eu falei, o pernambucano é muito criativo, e com toda essa criatividade, ele ajudou a fazer da sua região, uma região muito rica culturalmente. 



Ritmo musical e dança dança brasileira | Fonte da imagem: acontecesantyago




    Entre o frevo, caboclinhos, cavalo marinho, maracatus, blocos de rua, vemos que, Recife, é realmente a capital cultural do Nordeste brasileiro. O estado de Pernambuco é tão importante para cultura nordestina que, consegue no carnaval, colocar mais de um milhão de foliões em um bloco de rua; estou me referindo ao “Galo da Madrugada. O “Galo da Madrugada, no carnaval, toma o centro da cidade do Recife que, as pessoas, já não sabem quem é do bloco e quem não é. O “Galo da Madrugada” é o povo e o povo é o “Galo”. Essa sintonia é muito contagiante, pois com a proporção que as pessoas vão se aglomerando em torno do centro da cidade, a energia do frevo vai tomando conta das pessoas, que se tornam foliões, e aí vão seguindo o bloco. 


Ritmo musical e dança brasileira | Fonte da imagem: olhosinquietos



     O “Galo da Madrugada começou com o objetivo de reviver antigos carnavais de rua, então da união de um grupo de amigos e famílias do Bairro de São José, comandado pelo grande carnavalesco Enéas Freire, foi que surgiu no dia 24 de janeiro de 1977, o clube de Máscara do Galo da Madrugada. Por muito tempo, com a grande proporção desses eventos, durante o carnaval pernambucano, foi aumentando a procura de foliões, que queriam brincar com estilos de velhos carnavais, e os organizadores foram vendo que era limitado para novos foliões, já que o espaço tinha ficado reduzido devido a tamanha proporção do sucesso do Galo. Então devido ao sucesso, o “Galo não tinha outra opção, tinha que ir para as ruas. Assim nasceu o “Galo da Madrugada, nas ruas estreitas do Bairro São José, berço dos primeiros clubes e blocos carnavalescos do Recife. No dia 04 de fevereiro de 1978, o “Galo” saiu às ruas do Recife pela primeira vez. Essa foi a intenção da família Alves Freire, para salvaguardar os interesses do morador do Bairro São José, das tradições do Recife e do carnaval pernambucano.




 .

VEGETAÇÃO DO NORDESTE

Como trabalhar nesse região | Fonte da imagem: todoestudo



COMO TRABALHAR NESSA REGIÃO





    Sabemos que a região nordeste do Brasil é muito diversificada entre seus nove estados; sabemos também que suas sub-regiões meio norte, sertão, agreste e zona da mata, para se compreender às suas peculiaridades, é fundamental que possamos analisar as relações sócio culturais estabelecidas na atividade econômica desses locais. Geralmente, quando falamos de Nordeste, muita gente associa como sendo um local de pobreza, seca e muitos problemas de ordem socioeconômica. 




como trabalhar nessa região | Fonte da imagem: thuanegabriella-




     No entanto isso é apena uma imaginação do passado que se torna as vezes preconceituosa, o estudo das sub-regiões, proporciona uma análise mais clara do que essas sub-regiões significa para o Nordeste em termos de belezas naturais e manifestações culturais de cada sub-região. Hoje vamos falar um pouco de uma dessas sub-regiões; que é o “Agreste”. Essa área é uma área onde sua vegetação predomina a caatinga, e se localiza na região do Nordeste. Ela é muito rica em sua cultura e apesar do clima seco, é possível encontrar algumas pequenas áreas úmidas. 




Como trabalhar nessa região | Fonte da imagem: todamateria





       Chamamos de agreste porque essa área fica entre a Zona da Mata e o Sertão, no Nordeste do nosso país. Essa é uma região semiárida e o bioma que predomina neste local, é a caatinga. Em algumas regiões, podemos encontra pequenas áreas úmidas e também brejos, onde são desenvolvidas áreas agrícolas. Essa área estreita geograficamente, fica paralela à costa do oceano atlântico, que vai do Rio Grande do Norte até a Bahia, passando pelos estados de Pernambuco, Paraíba, Alagoas e Sergipe. O clima se torna mais úmido quando vai se aproximando da Zona da Mata e na medida que se aproxima mais do Sertão o clima vai ficando mais quente e seco com paisagens áridas. Temos grandes cidades situadas no Agreste, são elas: Garanhuns e Caruaru, no estado de Pernambuco, na Paraíba fica Campina Grande, no Sergipe, fica Itabaiana, e em Alagoas fica Arapiraca. Essa mesorregião do Nordeste, por se encontrar no Planalto da Borborema, as altitudes no Agreste variam entre 500m e 800m, as maiores do Nordeste brasileiro. Por conta disso, as massas de ar carregada com umidades provenientes do Oceano Atlântico, perdem força nessa região, causando intensas chuvas (chamadas orográficas). 




Como trabalhar nessa região | Fonte da imagem: Fiveprime





     Também existem secas, em quase toda parte do Agreste e em toda Zona da Mata, além de grandes secas dentro do Sertão. As principais fontes de renda no Agreste, ficam por conta do artesanato, cujos produtos costumam ser negociados em grandes feiras e centros comerciais, localizados nesses grandes centros, como na cidade de Caruaru em Pernambuco, Campina Grande na Paraíba em Feira de Santana na Bahia, em Arapiraca, Alagoas e em Itabaiana no estado de Sergipe. No Agreste, predominam pequenas e médias propriedades rurais onde se desenvolvem a policultura (cultivo de diversos tipos de plantas) e a pecuária leiteira. Seus produtos abastecem o maior mercado consumidor do Nordeste brasileiro, a Zona da Mata. É no Agreste onde possui os maiores festivais de São João do Mundo: o de Campina Grande e o de Caruaru. São festivais que se centram na figura do milho, que é o único dos grandes cereais nativo da América, e a base alimentar dos incas. (Civilização sul-americana). 

18 de set de 2018

VALE DOS DINOSSAUROS

                 
Fica no Sertão da Paraíba | Fonte da imagem: internet



FICA NO SERTÃO DA PARAÍBA



   Sabemos que, o Nordeste brasileiro é uma região que há bastante tempo vem descobrindo cada vez mais fatores e locais dentro dessa região que passaram a ser explorados na área do turismo. É claro que dentro dessa região, existem muitas vertentes de turismo, mas aqui podemos dizer que se trata de uma verdadeira história. Eu estou falando do vale dos Dinossauros, uma área que foi descoberta por historiadores e pessoas nativas da região. Esse local constitui uma riqueza cultural muito grande para a própria história da Paraíba, do Nordeste e do Brasil. Esse local fica na cidade de Souza e São João do Rio do Peixe no estado da Paraíba distante da capital João Pessoa, 438 KM. 


                                  
Fica no sertão paraibano | Fonte da imagem: paisagensdonordest


    Essa área é conhecida como um dos mais importantes sítios paleontológicos e arqueológicos do mundo. Muitos rastros e trilhas e pegadas fossilizadas de diferentes espécies de animais existentes no período de 260 a 65 milhões de anos, tais como: alossauros, iguanodontes, estegossauros e muitos outras espécies. Nesse Parque, existem ossadas parciais de animais pré-históricos e pinturas rupestres. 


                                   
Fica no sertão da Paraíba | Fonte da imagem: msocorrom


    Esse Parque foi reformado no ano de 2013 pelo Governo estadual da Paraíba com parceria da Petrobras. Para concluírem esse serviço, foi preciso o Parque ficar fechado por um período de um ano para concluírem as obras, e onde foram investidos cerca de 1,2 milhão. O museu que existe dentro do Parque e também foi reformado, e isso incluiu: banheiros, climatização do local, restauração do espaço de exposição, auditório, escritório e a urbanização da área externa. Também, todos os espaços do parque foram sinalizados com placas indicativas para guiar os visitantes do local durante o passeio. 



                                    
Fica no Sertão da Paraíba | Fonte da imagem: viagensdeférias



    O Parque dos Dinossauros é um dos principais sítios paleontológicos do país, que atrai a atenção de pesquisadores e turistas de todo o mundo, pela grande quantidade de icnofósseis (pegadas) presentes nos 40 hectares da Unidade de Conservação. Quatro espécies que habitaram a bacia sedimentar de Souza, há cerca de 165 milhões de anos, o monumento preserva os vestígios desses animais. Foi em 1992 que, o Monumento Natural Vale dos Dinossauros surgiu da desapropriação do Sítio Passagem de Pedras. Em 2002 ele foi transformado em Unidade de Conservação de Proteção Integral (UCPI) pelo Governo do estado. Esse local tem acesso de visitantes controlado, além de ser proibida a exploração da mata nativa e instalação de moradias. O Vale dos Dinossauros, fica a 7 km do centro da cidade de Souza. Existem placas indicando como seguir o caminho. Para chegar ao Vale é necessário pegar a rodovia estadual Pb -391 sentido Souza - Uraúna. Vindo ao Nordeste brasileiro, procure conhecer a Paraíba e esse Parque.



17 de set de 2018

LITERATURA DE CORDEL

   O mundo encantado dos poetas | Fonte da imagem: fabricadecultura



O MUNDO ENCANTADO DOS POETAS




     É muito interessante a história da literatura de cordel, esse tipo de folheto, tem um tipo de poema popular. Ele geralmente é exposto para venda, pendurados em cordões feitos de sisal, chamados de cordéis, foi isso que deu origem ao nome desse tipo de folheto. 




O mundo encantado dos poetas | Fonte da imagem: cordeldesaia



     A entrada da Literatura de Cordel no Brasil foi século Xvlll, mas foi só no século XlX, onde foram feitos e comercializados os primeiros folhetos com características próprias, e foi a época que ele ganhou mais destaque dentro da sociedade. Os temas eram diversos, como são até hoje, tais como: religião, lendas, política, sociedade e muitos outros temas. O cordel tem uma característica própria porque é regional, sendo oriundo da região Nordeste do Brasil, principalmente do estado de Pernambuco. Os poetas geralmente são: autodidatas e filho do sertão nordestino. Qualquer assunto pode virar cordel, porque a improvisação do tema vale muito na hora de se fazer um poema. Esse tipo de literatura tem variações interessantes e merecedor de destaque. 





O mundo encantado do poetas | Fonte da imagem: acordacidade





As Xilogravuras, como são chamadas as suas gravuras, representam importante papel no imaginário popular, pelo fato de funcionar como um tipo de divulgação da arte do cotidiano, das tradições populares e dos autores locais. A literatura de Cordel é de inestimável importância na manutenção das identidades locais e das tradições literárias da região Nordeste do Brasil. Ela é escrita entre rimas e prosas. As estrofes são mais comuns entre oito e dez versos. Esse tipo de literatura começou na idade contemporânea com o romanceiro luso-holandês. Ele aqui no Brasil, em algumas situações, pode ser acompanhado de violas e recitados em praças públicas. Um dos poetas da literatura de cordel que fez mais sucesso até hoje foi Leandro Gomes de Barros (1865 - 1918). Dentre tantos artistas populares que declamavam e faziam cordéis eis aqui alguns: Homero do Rego Barros, Patativa do Assaré, Téo Azevedo, Zé Vicente, José Alves Sobrinho e tantos outros. 



O mundo encantado dos poetas | Fonte da imagem: naucruz




      Esse Nordeste tem tantos artistas de cordéis que não dá para se contar nos dedos. Os cordelistas apresentam conteúdo informativo satisfatório para produzirem no imaginário das pessoas, um alerta favorável à inserção de medidas de prevenção e controle da síndrome da imunodeficiência adquirida. Esta maneira de fazer poesia se adaptou a realidade brasileira, e com o passar das décadas, passou a ganhar novas faces. Também inspirou outras formas de arte como o roteiro de novelas televisionadas, como a obra de Dias Gomes: Saramandaia, inspirada no romance de Cordel, Pavão Misterioso. Então vemos que, toda essa gama de cultura que foi injetada dentro do Nordeste e do Brasil, por Portugal, e por tantas outras vertentes, tais como: o índio, o africano, o europeu, o oriental, e tantas outras culturas; isso foi bom demais para a nossa cultura, pois soubemos adaptá-las e deixá-las genuinamente brasileira. E a literatura de Cordel, não fugiu a regra, ela foi adaptada e criada pelo jeito brasileiro de se fazer arte.









Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...