. Agosto 2018Blog de Arte e Cultura | Assuntos do Nordeste

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato
Confira a arte do artista potiguar Newton Avelino, na sua galeria permanente. Adquira já uma obra!

25 de ago de 2018

HISTÓRIA DE CULTURA POPULAR

            Jeito de fazer cultura | fonte da imagem: zerohorasergipe

                                         

                         


                

                       JEITO DE FAZER CULTURA           




    O Nordeste brasileiro é o celeiro da cultura popular brasileira, e por isso mesmo é que, essa região, é responsável por pelo menos uns 70% da exportação de artistas nordestinos para esse brasilzão de meu Deus. O Estado do Ceará é um celeiro de humoristas, poetas, cantores e trovadores. O estado de Pernambuco tem em seu frevo, caboclinho, maracatu, e tantas outras manifestações culturais como sua identidade. Na Paraíba temos o coco de roda, o forró e o xaxado como sua bandeira cultural. Os outros estados nordestinos têm suas manifestações culturais com variados nomes diferentes de estado para estado, mas sendo a mesma manifestação cultural. 

                                   

Jeito de fazer cultura | fonte da imagem: maxresdefault

   


    

    Do mesmo jeito se repete na sua culinária, ou seja, um prato pode ter mais de um nome em diferentes estados da região Nordestina. Hoje vamos falar de uma manifestação cultural que é muito praticada no estado de Sergipe. Essa manifestação cultural tem seu reduto no município de Laranjeiras, no estado de Sergipe. Esse município tem uma das maiores populações negra do estado. O município é conhecido por manter viva suas tradições do período colonial, levando de geração a geração a cultura de um povo por muitos anos que foi marcado pela escravidão. 


                                  

Jeito de fazer cultura | fonte da imagem: scoopnest



    Vamos falar do “Lambe-Sujo” que é uma representação cultural que fala e representa a luta entre negros quilombolas. Desde o final do século XlX, quase todos os domingos do mês de outubro, ocorre esse tradicional embate nas ruas calçadas de pedras de Laranjeiras, Patrimônio Histórico Nacional. Os brincantes são os habitantes da cidade, os visitantes curiosos e os vários turistas, que são envolvidos pelo forte apelo popular da manifestação cultural, e tornam-se coadjuvantes do folguedo. Todo o corpo dos “Lambe-Sujos, são cobertos com tinta preta mesclado ao mel de cabaú que só deixa à vista o expressivo olhar dos personagens e o vigoroso vermelho dos gorros. Suas armas são foices manipuladas por mãos calejadas que trazem a marca do trabalho escravo nos canaviais. Eles também usam chupetas e cachimbos e é isso que completa sua caracterização. Já os caboclinhos, são pintados com tinta vermelha, e usam arco e flechas e representam os antigos índios brasileiros. O evento começa num sábado, com o cortejo que percorre as feiras livres e o mercado municipal. O principal motivo dessa festa, além de ser um evento cultural, também é angariar alimentos que serão utilizados no almoço oferecido no dia seguinte a todos os participantes do evento. O desfile acontece durante todo o dia pelas ruas estreitas da cidade. 

                                    


Jeito de fazer cultura | fonte da imagem: misscheck-in

   



      As pessoas que não atendem aos pedidos de donativos dos “Lambe-Sujos”, são meladas pela tinta preta, fato que dá o tom da brincadeira. O ápice da festa acontece depois do almoço quando as princesas dos “Lambe-Sujão” são sequestradas e inicia-se a “guerra”. Os negros são vencidos. O cortejo retoma de forma lúdica as batalhas entre negros quilombolas e índios domesticados pelos senhores de engenho da época do Brasil Colônia. Na festa do “Lambe-Sujo, além da música e cantos, a cultura também é contada através dos trajes dos personagens do festejo. Os negros usam calção vermelho, na cabeça, uma espécie de capacete ou gorita, pés descalços e como arma, foice de madeira. O rei usa calça vermelha, camisa de manga comprida e colete. A princesa vem vestida em um vestido de sirê, mangas. E assim acontece toda uma história cultural que faz parte da cultura Nordestina. Sergipe pode ser pequeno, mas tem um grande passado e uma gigantesca cultura popular.

 






22 de ago de 2018

MEIO DE TRANSPORTE DO NORDESTE

Caminhão Pau de Arara | Fonte da imagem: blogdopesado






CAMINHÃO PAU DE ARARA

   




    Não é concebível, nem legal e muito menos correto, a forma de se transportar o sertanejo (homem do campo do sertão, que fica na região do nordeste brasileiro) mas é a forma que as pessoas dessa região escolheram mais digna para transportar moradores de cada região afetada pela falta de infraestrutura de tudo, falta de transporte coletivo, hospitais, escolas, bancos segurança e por aí vai. Infelizmente no Brasil, a consciência do estado trabalhar para todos, está ausente dentro da sociedade brasileira no que se refere as pequenas cidades e até as grandes cidades, pois alguns políticos, só prometem, e alguns que querem fazer alguma coisa, para uma classe mais baixa da população, são combatidos de alguma forma. 

                           
                                                    

           


  Muitas vezes os empresários querem investir, trabalharem, mas o estado não contribui com as infraestruturas necessárias para que o privado funcione. O pau de arara é proibido no Brasil, esse meio de transporte maio Nordestino, não é muito seguro, e a falta de segurança talvez tenha deixado ele proibido de circular nas principais rodovias. Mesmo com toda proibição, ele ainda faz parte da cultura do sertanejo e é visto rodando nas cidades de Juazeiro do Norte, e Bom Jesus da Lapa, na Bahia.    Mas podemos encontrá-lo em Pernambuco e em outras cidades nordestinas,  principalmente em dia de feira ou romaria. Esses veículos tiveram seu auge nas décadas de 60, 70 e até 80. Como muitos lugares distantes e remotos não tem transportes públicos para chegarem as pequenas cidades do interior do Nordeste, esses caminhões ainda rodam nas estradas que não tem fiscalização estadual e federal. 


          
             



           Caminhão Pau de Arara | Fonte da imagem: Picbear




 






     Por aí vocês percebem o quanto é precária a situação dessas pessoas que moram em lugares remoto do Sertão Nordestino. Sabemos que durante o grande Êxodo rural que houve dentro do Nordeste brasileiro, esses caminhões adaptados foram o meio de transporte das pessoas que moravam no Sertão nordestino ou não, que embarcaram neles rumo ao sudeste do Brasil, precisamente a cidade de São Paulo, e outras regiões. Vemos que a falta de políticas públicas dentro do Brasil, não é de hoje, que o nordestino e o povo brasileiro vem sendo massacrado com isso, já há bastante tempo, então como os brasileiros são pessoas pacientes e ordeiras, aguenta calado até explodir sua paciência. É claro que tudo aqui nesse país é movido a passos de tartarugas, a “burocracia” e a falta de consciência coletiva leva ao país a ser um dos mais pobres em certas áreas como na distribuição de renda. Tem pessoas que consegue ganhar só dois reais por dia, então isso deixa a sociedade mais pobre precisamente a região do Nordeste brasileira, pois é nessa região onde vamos encontrar o maior déficit dentro de infraestrutura. 





           Caminhão Pau de Arara | Fonte da imagem: espaço livre



   


    Se o estado não consegue dá o mínimo de dignidade para o homem, é claro que ele vai procurar se adequar aquilo que não é certo, ou seja: se não existe transporte legalizado, suficiente para as populações de baixa renda, é claro que, transportes alternativos vão surgir para suprir a necessidade dessa população. Isso acontece desde o descobrimento do Brasil, isso é cultural dentro do nosso país, ricos cada vez mais ricos, pobres cada vez mais pobres. Diga-se de passagem que, só uma pequena parte dessa população rica que talvez não atinja 11% que detém a riqueza do país, e o dado também fala que, a renda de 1% mais rico é 36 vezes maior que a média da metade mais pobre. A desigualdade no país é exorbitante e fica entre mulheres e negros.    Acho que isso é consequência de políticas públicas não direcionada para os mais pobres do Brasil, então a tendência é que os mais pobres andem de pau de arara, (caminhões não legalizados), pelo sertão afora para poderem se locomover dentro desse bioma único no mundo chamado de caatinga. O Pau de Arara, ainda transporta muita gente em estradas não fiscalizadas, são chamadas de vicinais ou estradas de barro, que as vezes não entram no mapa rodoviário. Muitos nordestinos usam esse tipo de veículo para levar as crianças para a escola. No Brasil, a grande mídia quando fala de muitos assuntos, como: política, futebol, saúde, entretenimento, sociedade e outros temas, as vezes ou quase sempre distorce as coisas. Por exemplo: quando um cara coloca uma manchete: “Caminhões Paus de Araras, veículo que coloca a vida humana em risco”, é claro que ele só está falando meia verdade. Seria mais justo e correto ele falar: “Caminhões Paus de Araras colocam vidas humanas em ricos porque, o estado não dá infraestrutura para a população pobre das pequenas cidades.



   

  


   












8 de ago de 2018

FEIRAS LIVRES NO NORDESTE

MERCADO INFORMAL DE TRABALHO | Fonte da imagem: nordestinospaulistanos




MERCADO INFORMAL DE TRABALHO





    O Nordeste brasileiro é uma das regiões mais incríveis que a gente pode observar. Não foi à toa que tudo começou por essas bandas. O descobrimento foi por aqui, ciclo canavieiro foi por aqui o comércio informal todo ele foi por aqui, o ciclo do gado de corte e leiteiro foi por aqui. Então vemos que, não é de hoje que essa região tem uma influência enorme no comercio informal. Hoje vamos falar das feiras livres da região Nordeste. 
MERCADO DE TRABALHO INFORMAL | Fonte da imagem: misera
   Ela além de gerar renda e desenvolvimento social, ainda é uma área onde se encontra manifestação da cultura urbana brasileira. Apesar do crescente avanço do desenvolvimento do comércio, a feira livre, se mantém viva cultural, social e economicamente para a sua região de origem, e consegue fazer parte da história vivia da vida de cada nordestino. Ela tem um caráter diversificado, onde circulam pessoas de todos os tipos, sejam vendedores, compradores ou simples transeuntes, surgindo não apenas o comércio de frutas, legumes, verduras ou outros itens alimentícios, surgindo ainda ambulantes, transportadores, comércio e prestação de serviços de outros itens que visam atender diversas demandas dos consumidores. 
MERCADO INFORMAL DO TRABALHO | Fonte da imagem: vozdavitoria
    Os encantos das feiras livres ainda existem, mesmo tendo a concorrência dos supermercados. Alguns historiadores falam que sua origem pode ter surgido 500 a. C, em algumas civilizações antigas, tais quais as civilizações: fenícia, grega, romana, árabe e outras. No Brasil, com certeza, elas devem ter sido introduzidas na época do Brasil colônia, eventos sociais que promoveram o desenvolvimento da economia interna do país, na época. Hoje é comum, as feiras livres serem realizadas, uma vez por semana em cada pequena, média e grande cidade não só do Nordeste, mas do Brasil. A feira de Caruaru é uma das mais conhecidas do Brasil, foi cantada em verso e prosa pelo rei do Baião, Luiz Gonzaga. O termo “feira”, deriva do latim “feria” e significa, dia santo, feriado ou dia de descanso, posto que os comerciantes, preocupados em vender o excedente da produção, se reuniam próximo das igrejas aos domingos (dia do senhor) para comercializarem seus produtos, já que eram os locais que apresentavam o maior fluxo de pessoas. 
Diante disso, as feiras foram se desenvolvendo, sendo que, esse fenômeno existe até os dias atuais. As pequenas, médias e grandes cidades, ainda conservam uma das mais antigas tradições econômicas do homem. Digamos que as feiras livres, sejam os shoppings a céu aberto feito para pessoas humildes, pobre, preto e branco, rico, feio e bonito, feia ou bonita, frequentarem. Isso se chama diversificação da cultura popular de cada região, por ela desenvolvida. 
MERCADO INFORMAL DE TRABALHO | Fonte da imagem:Wikipédia
      Nas feiras livres, você ver de tudo um pouco e você vai encontrar coisas como: Cultura, arte e entretenimento, e isso enriquece a história da arte popular. Não é à toa que a feira é considerada um espaço livre para os artistas de arte popular, e aí podemos encontrar do vendedor de panelas de barro até o violeiro. Devemos ressaltar que, não encontraremos esses personagens em muitas feiras de cidades maiores, mas no Sertão nordestino com certeza você vai ver de vendedor de pomadas milagrosas a violeiros repentistas. De sanfoneiros a poetas de cordel. E é por essas e outras que esses personagens, enriquece a história e à cultura popular do Nordeste brasileiro. O colorido, o frisson, e o vai e vem da alegria das pessoas que transitam dentro dessas feiras livres do Nordeste, e de todo Brasil, é que faz com que, esse local de cultura, comércio e entretenimento, seja uma parte da nossa história cultural. Por tudo isso e por tudo que a Região Nordeste apresenta é que, o Nordeste brasileiro é um celeiro vivo da cultura popular.


7 de ago de 2018

BELEZAS NATURAIS

LUGARES DO NORDESTE DO BRASIL | Fonte da imgaem: aartedenewtonavelino




LUGARES DO NORDESTE DO BRASIL





    A praia de Pirangi do Sul é muito bonita e pertence ao município de Nísia Floresta no Rn. Ela é considerada uma das mais belas praias urbanas e uma das mais frequentadas, tanto por turistas quanto por quem mora na capital, Natal, pois fica muito próxima a cidade de Natal, dessa praia. Nesse trecho de mar e de praias belas, temos as águas do rio pium, da lagoa de pium, conhecida como Lagoa Azul, e de outras fontes vindas do município de Parnamirim. Logo a frente, todas as águas que desembocam nesse rio, com o Rio Pirangi e outros riachos, se juntam e desembocam no mar. 




LUGARES DO NORDESTE DO BRASIL | Fonte da imagem: aartedenewtonavelino




    
O interessante é que, essa junção de encontro de água do mar com água dos rios e lagoas, forma uma foz muito bonita, pois dependendo das marés baixa ou alta, o visual é um convite para um aperitivo ou mesmo um banho nessas águas cristalinas da foz do rio pirangi. Esse rio é o mesmo Rio Pitimbu, só que, quando ele chega em pirangi, leva o nome de Rio Pirangi, dado pelos nativos. No lado direito desse rio, bem na foz, existem várias barracas que te servem aperitivos e frutos do mar, e com uma cozinha regional. Esse lugar, também é propício para quem deseja tranquilidade, pois na maré baixa o Rio fica muito raso, e o lugar fica próprio para as crianças. 


LUGARES DO NORDESTE DO BRASIL | aartedenewtonavelino




      Na foz do Rio Pirangi, os pescadores, mais a frente, usam um espaço antes de uma ponte, como atracadouro de embarcações e é onde fica a passagem de nível, uma pequena ponte liga uma margem a outra margem para os carros poder seguir em frente. Esse lugar é conhecidamente como se fosse uma pequena colônia de pescadores, onde eles fazem reparos das suas embarcações e onde serve para ancorá-las em atracadouros feito por eles. Quando a maré baixa elas ficam ancoradas na lama do Rio Pirangi. A velocidade da modernidade tirou um pouco do brilho desse lugar, pois a parte urbanística das praias sofrem com o aumento desenfreado das construções, invadindo o meio ambiente, e isso faz de Pirangi um lugar não mais tão tranquilo. 




LUGARES DO NORDESTE DO BRASIL | Fonte da imagem: aartedenewtonavelino





Logo a frente, no sentido Natal, depois do ancoradouro, você tem um visual lindo da praia de Pirangi do Sul, onde o mar é propício para esportes náuticos e para um belo mergulho. Essa praia não é tão grande em extensão, provavelmente tem 1 km de extensão talvez mais ou menos. Nesse trecho de praia você não terá barracas na areia da praia, mas com certeza no alto, tem uma escadaria que te leva a um restaurante bem rustico e simples, que te servirá uma boa comida e um bom aperitivo, com preço bem em conta. Pirangi do Sul é dessas praias que encantam qualquer um que à conheça. O clima nesse litoral é bem agradável com uma boa rajada de ventos e com sol durante o ano todo. 





LUGARES DO NORDESTE DO BRASIL | Fonte da imagem: aartedenewtonavelino





     Quando o rio baixa, as pessoas atravessam para Pirangi do Norte, e vão a pé até o trapiche do Marina Badauê, onde você pode dá aquele passeio de barco, admirando as belezas naturais da praia de Pirangi do Norte e Pirangi do Sul. O litoral potiguar sempre atrai muitos turistas porque é muito bonito e sua beleza é ímpar. Quando vier ao Nordeste brasileiro, procure conhecer as belezas das praias potiguares, e procure conhecer a praia de Pirangi. Você vai se apaixonar por esse lugar, onde existe bom atendimento, pessoas educadas, paisagens magnificas e uma logística boa. Procure um guia credenciado para que sua viagem não se torne uma dor de cabeça. Conheça o Rio Grande do Norte, conheça o Brasil.

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...