Blog de Arte e Cultura | ARTE NORDESTINA: arte e cultura popular 02/22/19A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato
Confira a arte do artista potiguar Newton Avelino, na sua galeria permanente. Adquira já uma obra!

22 fevereiro, 2019

O MILHO ESTÁ PRESENTE NA MESA DO NORDESTINO

Um alimento tradicional do nordeste brasileiro I fonte da imagem: classeadanoticia







UM ALIMENTO TRADICIONAL DO NORDESTE BRASILEIRO







      O milho está presente na mesa do nordestino disso você não tenha dúvida; seja como cuscuz, seja como pamonha ou canjica, seja como milho cozido ou até mesmo como angu. Esse alimento que está presente nas nossas mesas, foi alimento básico de várias civilizações ao longo dos tempos; como Maias, Olmecas, Astecas e os Incas. A origem desse alimento amarelo, tem muita controvérsia, alguns botânicos acham que, o milho não tem nenhuma ligação com qualquer outra planta. 



Um alimento tradicional do nordeste brasileiro I fonte da imagem: edwsilva



      Mesmo assim, eles acham que o milho surgiu de uma domesticação de um milho selvagem, por parte dos primeiros agrônomos. O fato é que, com as grandes navegações do século XVI e o início do processo de colonização da América, a cultura do milho se expandiu para outras partes do mundo. Há pelo menos de 7.300 a 12.000 anos o milho participa da história, palavras de historiadores. O registro do cultivo dele nas américas, começa pelo México precisamente pelo seu litoral.  Estudos mostram também que, os primeiros habitantes das Américas já tinham contato com esse alimento amarelo. No dia a dia dos Índios, esse alimento já fazia parte do alimento deles. 




Um alimento tradicional do Nordeste brasileiro I fonte da imagem: degustarleresonhar



      Quando os europeus aportaram nas terras tupiniquins com milho e seus pratos saborosos à base de milho, isso já não fazia muita diferença, pois nossos índios já usavam o milho, mas devemos ressaltar que os pratos saborosos que eles traziam com eles, e a matéria prima tinha como fator primordial o sabor que vinha dos grãos de milho. Mesmo sabendo disso, a verdade é que pratos saborosos feitos através do milho, começaram a surgir, e o seu consumo aumentou consideravelmente. Podemos imaginar que, o milho teve sua introdução nas festas juninas, por três motivos: primeiro o difícil acesso do produtor rural ao trigo e porque ele era muito caro. Segundo o próprio milho era mais acessível ao pequeno produtor rural e o seu preço muito baixo. 




Um alimento tradicional do Nordeste brasileiro I fonte da imagem: borimbora




     O terceiro motivo, é que os festejos juninos se dão, depois das plantações dessa cultura. Todas as características dos festejos do mês seis, principalmente tratando-se da culinária, foram introduzidas no país, por meios da mistura de raça, ou seja, da “miscigenação dos povos que habitaram o nosso território no período colonial, como: índios, europeus e africanos. O mês de Junho já traz consigo um brilho de cores e decoração junina.  Balões, bandeirolas, fogos e fogueiras e comidas típicas da região, fazem o brilho dessa festa. No mês de junho, três santos católicos são celebrados pelos fies da igreja católica, todos eles foram introduzidos na cultura brasileira pelos portugueses, que tem como religião o catolicismo. Dia 13 é dia de Santo Antônio, conhecido pela crença, como o santo casamenteiro; no dia 24 é dia de São João que é primo de Jesus Cristo, e dia 29, é dia de São Pedro, também conhecido como o guardião das portas do céu. Essa festa, já existia desde a idade média, ela se tornou parte do calendário cristã; e uma festa de igreja católica que homenageia seus três santos. É claro que de região para região, depois da introdução das festas juninas no Brasil, ela adquire tradições diferentes. Alguns estados brasileiros, chega a durar o mês todo, principalmente em Caruaru e em Campina Grande. É claro que, a vedete dessa festa, é o milho; e os seus derivados, mas em festa junina, você pode encontrar arroz doce, bolo de amendoim, pé de moleque, cocada canjica, pamonha, bolo de milho, mungunzá, cuscuz, cural, milho assado, milho cozido, canjicão e muito mais. Então, as festas juninas, tem seus pratos típicos do Nordeste brasileiro, tendo como vedete, as decorações das barraquinhas, erguidas em cada arraia junino. Com muito forró e muito arrasta-pé, os brincantes e não brincantes, vão se divertindo e provando das iguarias oferecida nessa época do ano, em todo o Nordeste brasileiro; e em todo o Brasil. Durante o ano, a família nordestina costuma ter em sua mesa, um cardápio variado de deliciosas comidas a base de milho, isso já é uma tradição nordestina. O milho está sempre presente nos lares brasileiros.