Blog de Arte e Cultura | A ARTE NORDESTINA: arte e cultura popular 02/05/20A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

NEWTON AVELINO

Confira a arte do artista potiguar Newton Avelino, na sua galeria permanente. Adquira já uma obra!

05 fevereiro, 2020

A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro , ELE FAZ PARTE DA COZINHA NORDESTE ATRAVÉS DOS SEUS FRUTOS E DA AMÊNDOA QUE É PRODUZIDA ATRAVÉS DESSES FRUTOS , CULINÁRIA NORDESTINA ,

ELE FAZ PARTE DA COZINHA NORDESTE ATRAVÉS DOS SEUS FRUTOS E DA AMÊNDOA QUE É PRODUZIDA ATRAVÉS DESSES FRUTOS

<img alt='cajueiros no nordeste' src='castanha de caju ' title='culinaria nordestina'/>




CAJUEIRO É UMA PLANTA TÍPICA BRASILEIRA QUE TEM SEUS DERIVADOS INTRODUZIDOS  NA CULINÁRIA REGIONAL DO NORDESTE BRASILEIRO.



      No Nordeste brasileiro, existem grandes plantios de cajueiros (Anacardium occidentale, o seu nome científico; é uma árvore nativa do Nordeste do Brasil, é medicinal e alimentícia, e dela tudo se tira, com: o caju, a castanha a casca e a madeira. Existe dois tipos de cajueiro, o gigante e o comum. Algumas, chegam atingir a altura de 20 metros, ele também pode atingir uma grande superfície. Na região Nordeste do Brasil, existem dois dos maiores cajueiros do mundo, um fica no Rio Grande do Norte o outro no estado do Piauí, os dois tem mais de oito mil metros quadrados de área. 


<img alt='cajueiros no nordeste' src='castanha de caju ' title='culinaria nordestina'/>



      Pois bem, essa árvore, é uma das mais plantadas dentro dessa região, por isso também é explorada comercialmente. A castanha, é o fruto do cajueiro, apesar de comermos a poupa do caju, também nos deliciamos, com castanha, pois, ela possui 9% da recomendação diária de magnésio para os adultos, esse mineral é essencial para o bom funcionamento do corpo, além de ser nutritiva é muito deliciosa. 


<img alt='cajueiros no nordeste' src='castanha de caju ' title='culinaria nordestina'/>



      O modo mais tradicional de se assar castanha, é ter, quatro pedras do mesmo tamanho, e colocadas no sentido quadrangular, pois, são elas que vão dá, sustentação para a colocação de um tacho de alumínio, onde é colocada as castanhas. Depois, é preciso colocar galhos secos como combustível para produzir o fogo, e com isso assar as castanhas. Essa lenha, é bom ser de angico, uma madeira que queima por mais tempo, e não faz muita fumaça, mas também, pode ser qualquer outra madeira, contanto que, queime por mais tempo e tenha um fogo  por mais tempo, é através desse fogo que as castanhas vão ser assadas. Durante a queima da castanha a pessoa tem que mexer elas dentro do tacho, através de pedaço de madeira de pelo menos um metro e meio, e o importante é mexe-las  até ficarem assadas, elas irão pegar fogo, mais é muito comum isso, as suas cascas, existe um tipo de óleo, e isso, em contacto com o fogo, faz combustão, a pessoa que estiver assando as castanhas, tem que ter cuidado para elas não queimarem, pois elas estarão boas quando as suas cascar estiverem douradas, aí elas estarão prontas para saírem do flande ou outro tacho que você estiver usando. 


<img alt='cajueiros no nordeste' src='castanha de caju ' title='culinaria nordestina'/>



      Quando elas tiverem prontas para serem tiradas do tacho a madeira que você estiver mexendo você vai e vira o tacho com essa madeira na areia ou não. Depois disso vem o processo para quebrar elas, então você tem que ter duas ou mais pedras para quebra-las, vai depender de quantas pessoas estão por perto e que, irão quebra-las. Depois é só bater na casca delas e irão parti-las, é só ir colocando dentro das vasilhas. Essa é a forma tradicional e artesanal de se assar castanha nos mais distantes lugares do Nordeste brasileiro. A cultura Nordestina, tem dessas coisas, e dentro dessa tradição, a culinária nordestina  é beneficiada o sabor tanto do caju como da castanha do caju. Depois de todo esse processo, vem o melhor, que é saboreá-la. O Nordeste brasileiro além de ser um grande produtor de castanha de caju, ele também é um grande consumidor, além de exportar para todo o mundo.

A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro , ARTE BELEZA E ENCANTO NO ARTESANATO DO NORDESTE DO BRASIL FEITO COM A FIBRA DO SISAL E QUE MOSTRA TODA CRIATIVIDADE DOS ARTESÃOS DO NORDESTE , CULINÁRIA NORDESTINA ,

ARTE BELEZA E ENCANTO NO ARTESANATO DO NORDESTE DO BRASIL FEITO COM A FIBRA DO SISAL E QUE MOSTRA TODA CRIATIVIDADE DOS ARTESÃOS DO NORDESTE

<img alt='sisal no artesanato' src='artesanato nordestino ' title='cultura e arte nordestina'/>





CONHEÇA TODA A BELEZA E O ENCANTO DO ARTESANATO NORDESTINO AGAVE SISALANA, O OURO VERDE DO SERTÃO





  Sabemos que no Nordeste, existe uma grande parcela de artesãos que utilizam vários tipos de matérias-primas, que são usadas nesses lindos trabalhos, confeccionados por eles. Sabemos também, que existem várias alternativas que você pode usar para não utilizar produtos perecíveis ou produtos que contaminam o meio ambiente, então pensando nisso, eles usam fontes limpas e renováveis da natureza, para fabricar os seus produtos. 


<img alt='sisal no artesanato' src='artesanato nordestino ' title='cultura e arte nordestina'/>



      Não é de hoje que, o artesanato Nordestino, encanta as pessoas, isso pela forma de criação e pelos materiais aplicados nesses produtos. São vários tipos de produtos, que a natureza proporciona para esses trabalhos, tais como: couro, madeira, plástico, papel, papelão, sisal e outros. Vamos falar hoje do sisal. O Brasil é o maior produtor de sisal do mundo, com aproximadamente 245 toneladas de fibra vegetal por ano. Ele é uma planta originária do México. No início dos anos 90 foi o ano que o plantio desse vegetal foi difundido. Da família das cactáceas e com o nome cientifico Agave sisalana, o sisal é cultivado em regiões semiáridas, por ser resistente à aridez e ao sol intenso. 



<img alt='sisal no artesanato' src='artesanato nordestino ' title='cultura e arte nordestina'/>



      A sua fibra é extraída do beneficiamento das folhas, é utilizada principalmente para fazer cordas, tapetes e vários tipos de artesanatos. O estado da Bahia é o que tem a maior produção no Brasil, cerca de 95% da produção nacional, emprega cerca de 700 mil pessoas diretas ou indiretamente. Também é na Bahia, o maior polo industrial do sisal do mundo. A região do Sisal tem uma cultura bastante diversificada, onde tradições antigas tentam resistir à modernização, que aos poucos modifica alguns cenários da região. Tradições como o Reisado, o Boi Roubado e a literatura de Cordel, possuem fiéis adeptos. Existem ainda os grupos de cantiga de roda como as Cantadeiras do Sisal e diversos grupos de teatros que, em sua maioria, integra jovens. Alguns municípios como São Domingos, realizam semanas de cultura, Salgadália, distrito de Conceição do Coité realiza uma das mais tradicionais semanas de cultura. Além das atividades de exportação do Sisal, que enfrentou um período de decadência após os anos 70, e das pedreiras. A base econômica é a pecuária extensiva e a agricultura familiar de subsistência, sujeita a longos períodos de seca que ciclicamente atingem a região. Ainda assim a agricultura familiar é uma das principais atividades econômicas da região. A exportação desse produto vai para a Europa, Chile, Estados Unidos e Argentina. A importância desse produto para a região Nordeste é de fundamental importância, mesmo tendo pouca opção econômica. Depois da Bahia, o cultivo dessa planta se destaca no estado do Rio Grande do Norte, Paraíba, Ceará, Pernambuco e outros estados do Nordeste. 



<img alt='sisal no artesanato' src='artesanato nordestino ' title='cultura e arte nordestina'/>


      Os principais produtos são: fios biodegradáveis utilizados em artesanato, no enfardamento de forragens, cordas de várias utilidades e cordéis. Ele também é usado na produção de estofos, pastas para indústria de celulose, produção de tequila, tapetes decorativos, remédios, biofertilizantes, ração animal, adubo orgânico e sacarias. A utilização da fibra do sisal em qualquer produto traz benefícios ao meio ambiente. Quando descartada na natureza essa fibra, depois de alguns anos, se torna fertilizante natural. Já a fibra sintética demora 150 anos para se decompor.