A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro Julho 2019A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato
Confira a arte do artista potiguar Newton Avelino, na sua galeria permanente. Adquira já uma obra!

26 julho, 2019

FOLGUEDO CÊNICO BRASILEIRO - É UM FESTEJO QUE INTEGRA O AUTO NATALINO TÍPICO DA ZONA DA MATA SETENTRIONAL DE PERNAMBUCO O CAVALO MARINHO FAZ PARTE DA CULTURA PERNAMBUCANA

<img src=“folguedo-cavalo-marinho” title=“folclore-pernambucano” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>







O CAVALO MARINHO É UMA BRINCADEIRA POPULAR  QUE MISTURA ARTE DANÇA E POESIA UMA TRADIÇÃO FOLCLÓRICA DO INTERIOR PERNAMBUCANO




      O Nordeste brasileiro é uma das regiões brasileiras mais ricas, culturalmente falando. É composta por nove estados, dentre todos, as tradições culturais são extremamente parecidas,  e algumas delas,  com nomes diferentes. A introdução das artes europeias dentro do continente brasileiro, foi através do Nordeste brasileiro, talvez seja por isso que, essa região tenha uma tradição muito forte dentro da cultura brasileira.  







<img src=“cavalo-marinho” title=“arte-música-poesia” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>




      Ela movimenta durante o ano inteiro arte e cultura regional, e isso é o que movimenta empregos diretos e indiretos, gerando renda para família de baixa renda, dentro de muitas cidades nordestinas. Vamos falar que, dentro dessa cultura regional, a cidade do Recife, capital do estado de pernambuco é considerada a capital da cultura regional do Nordeste. Isso não quer dizer que outras cidades e outros estados nordestinos, não tenha sua cultura forte ou que faça menos cultura, de que o estado de pernambuco, mas é porque no contexto geral, Recife produz Cultura e Arte o ano todo, e é por isso que essa cidade e esse estado, tem um grande destaque dentro do Nordeste e dentro do Brasil. 



<img src=“BRINCADEIRA POPULAR  ” title=“cavalo-marinho-folclore-pernambucano” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>




     Pernambuco produz frevo, maracatu, caboclinhos, coco de roda, forró, xaxado, carnaval, bumba meu boi e tantos outras formas de arte e cultura. Hoje vamos falar de um folguedo cênico brasileiro, típico da Zona da Mata de Pernambuco, Paraíba e Alagoa. Ele se chama "Cavalo Marinho". É um festejo que integra o auto festejos natalinos, e presta homenagem aos Reis Magos. Ele é apresentado ao som  da orquestra conhecida como banca, composta de Rabeca, ganzás, pandeiros e zabumbas. O folguedo se desenvolve em torno de 70 atos, durante toda uma noite de festas, possui muitas personagens dentre humanos, animais e seres fantásticos. No decorrer de toda apresentação, os brincantes assumem diferentes papéis, mediante a troca de roupas e de máscaras, com exceção dos negros Bastião e Mateus, que ficam os mesmos, durante toda apresentação. O auto reúne encenações, performances circenses, coreografias exuberantes, muito improvisos, toadas, poesias, ritmos folclóricos, e muitos estilos de danças tradicionais, como: a dança de São Gonçalo, o mergulhão e o coco. Esse espetáculo é narrado através da linguagem falada, da declaração de toadas e dos loas, como são conhecidas as estrofes poéticas que integram o enredo. 




<img src=“auto-natalino” title=“cavalo-marinho-folclore-regional” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>




      O público interage com as personagens de modo em geral, principalmente Bastião e Mateus, que são constantes em todo o ato. Os brincantes desse folguedo, dão viva a Deus, a Jesus, à Virgem Maria, a São Gonçalo e aos Santos de devoção do dono da casa, onde está acontecendo à apresentação. Ele tem uma semelhança com o reisado, bumba meu boi e outros folguedos brasileiros. Então são por essas e outras que sabemos que essa região Nordestina se concentra uma cultura brasileira bem forte, e por mais que se estude o folclore brasileiro, vamos sempre esbarrar dentro da cultura nordestina, pois foi aqui, que tudo começou. A introdução da cultura europeia dentro do Brasil, foi feita através do Nordeste brasileiro desde a época do Brasil império, e foi por aqui que, absolvemos e fizemos uma cultura popular genuinamente nordestina e brasileira, porque ela foi feita com o passar dos  anos, em cima dos costumes, gostos e dos afazeres do dia a dia de cada brasileiro. 




<img src=“folguedo-cavalo-marinho” title=“folclore-pernambucano” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>







O CAVALO MARINHO É UMA BRINCADEIRA POPULAR  QUE MISTURA ARTE DANÇA E POESIA UMA TRADIÇÃO FOLCLÓRICA DO INTERIOR PERNAMBUCANO




      O Nordeste brasileiro é uma das regiões brasileiras mais ricas, culturalmente falando. É composta por nove estados, dentre todos, as tradições culturais são extremamente parecidas,  e algumas delas,  com nomes diferentes. A introdução das artes europeias dentro do continente brasileiro, foi através do Nordeste brasileiro, talvez seja por isso que, essa região tenha uma tradição muito forte dentro da cultura brasileira.  







<img src=“cavalo-marinho” title=“arte-música-poesia” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>




      Ela movimenta durante o ano inteiro arte e cultura regional, e isso é o que movimenta empregos diretos e indiretos, gerando renda para família de baixa renda, dentro de muitas cidades nordestinas. Vamos falar que, dentro dessa cultura regional, a cidade do Recife, capital do estado de pernambuco é considerada a capital da cultura regional do Nordeste. Isso não quer dizer que outras cidades e outros estados nordestinos, não tenha sua cultura forte ou que faça menos cultura, de que o estado de pernambuco, mas é porque no contexto geral, Recife produz Cultura e Arte o ano todo, e é por isso que essa cidade e esse estado, tem um grande destaque dentro do Nordeste e dentro do Brasil. 



<img src=“BRINCADEIRA POPULAR  ” title=“cavalo-marinho-folclore-pernambucano” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>




     Pernambuco produz frevo, maracatu, caboclinhos, coco de roda, forró, xaxado, carnaval, bumba meu boi e tantos outras formas de arte e cultura. Hoje vamos falar de um folguedo cênico brasileiro, típico da Zona da Mata de Pernambuco, Paraíba e Alagoa. Ele se chama "Cavalo Marinho". É um festejo que integra o auto festejos natalinos, e presta homenagem aos Reis Magos. Ele é apresentado ao som  da orquestra conhecida como banca, composta de Rabeca, ganzás, pandeiros e zabumbas. O folguedo se desenvolve em torno de 70 atos, durante toda uma noite de festas, possui muitas personagens dentre humanos, animais e seres fantásticos. No decorrer de toda apresentação, os brincantes assumem diferentes papéis, mediante a troca de roupas e de máscaras, com exceção dos negros Bastião e Mateus, que ficam os mesmos, durante toda apresentação. O auto reúne encenações, performances circenses, coreografias exuberantes, muito improvisos, toadas, poesias, ritmos folclóricos, e muitos estilos de danças tradicionais, como: a dança de São Gonçalo, o mergulhão e o coco. Esse espetáculo é narrado através da linguagem falada, da declaração de toadas e dos loas, como são conhecidas as estrofes poéticas que integram o enredo. 




<img src=“auto-natalino” title=“cavalo-marinho-folclore-regional” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>




      O público interage com as personagens de modo em geral, principalmente Bastião e Mateus, que são constantes em todo o ato. Os brincantes desse folguedo, dão viva a Deus, a Jesus, à Virgem Maria, a São Gonçalo e aos Santos de devoção do dono da casa, onde está acontecendo à apresentação. Ele tem uma semelhança com o reisado, bumba meu boi e outros folguedos brasileiros. Então são por essas e outras que sabemos que essa região Nordestina se concentra uma cultura brasileira bem forte, e por mais que se estude o folclore brasileiro, vamos sempre esbarrar dentro da cultura nordestina, pois foi aqui, que tudo começou. A introdução da cultura europeia dentro do Brasil, foi feita através do Nordeste brasileiro desde a época do Brasil império, e foi por aqui que, absolvemos e fizemos uma cultura popular genuinamente nordestina e brasileira, porque ela foi feita com o passar dos  anos, em cima dos costumes, gostos e dos afazeres do dia a dia de cada brasileiro. 




25 julho, 2019

AS GRANDES SECAS NO NORDESTE DO BRASIL DEIXAM UM RASTRO DE MISÉRIA FOME MORTE E GRANDES PREJUÍZOS - AS GRANDES ESTRATÉGICAS PARA ACABAR COM AS SECAS NO NORDESTE BRASILEIRO

<img src=“secas-no-sertão” title=“sertão-nordestino” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>








SERTÃO NORDESTINO REGIÃO DO POLÍGONO DAS SECAS MAPA DA FOME MISÉRIA E ESQUECIMENTO PELOS PODERES PÚBLICOS





O  Brasil é um maravilhoso país, colossal e muito aconchegante, mas como em todo país, de terceiro mundo, tem seus problemas sociais, econômicos, e culturais, e para essa situação, muitos fatores imperam; um deles, é a ausência do estado nessas áreas mais fragilizadas. Outro fator, é que não existe distribuição de renda mais justa, outro fator, é a falta de infraestrutura e de emprego e renda para as pessoas poderem se qualificar e poderem produzir para o país. Eu costumo dizer que, o Brasil tem dois Brazis; um dos ricos e outro dos pobres e miseráveis. Na região Nordeste do Brasil é a mesma coisa; temos dois Nordestes, um Nordeste do Litoral, onde também encontramos riqueza e pobreza, e no sertão, ricos, pobres e miseráveis. Não é concebível que, um país como o Brasil, um país continental, alguns políticos não liguem para a pobreza do país. 


<img src=“homem-nordestino” title=“polígono-das-secas” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>



      Isso é inadmissível, pois todos precisam de todos, se quiserem sobreviver socialmente, economicamente e culturalmente. O Brasil, passa por uma turbulência enorme social, e porque não dizer culturalmente e econômica. Esse país já foi uma nação  ordeira e pacata, mais de uns tempos para cá, alguns políticos começaram a não levar muito a sério esse negócio de projetos sociais e de introdução de geração de emprego e renda para a classe mais pobre dessas áreas no sertão brasileiro e dentro das sub-regiões nordestinas. O que a gente pode ver, nas áreas mais pobres desses lugares, é um paliativo que eles procuram fazer para maquiar o imaquiavel, como por exemplo a questão de carros pipas, eles são bem vindos para aquelas pessoas que estão dentro do sertão, mas isso não resolve os problemas de secas que ali existem. Essas pessoas, precisam infraestrutura, de perfuração de poços artesianos em suas propriedades, de mais açudes de pequeno, médio e grande porte, nessas regiões com mais dificuldades de água, crédito mais acessível com juros menores, para que elas comecem a trabalhar e produzir riqueza para a região e para o Brasil, pois o pequeno e médio agricultor, que são aqueles que fazem parte da agricultura familiar, são elas que alavanca a subsistência de alimentos na messa da população desse país. 


<img src=“grandes-secas-no-sertão” title=“estiagem-no-nordeste” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>



      Acontece que, nas áreas pobres do sertão nordestino, ninguém costuma  investir em infraestrutura para poder gerar emprego e renda para os sertanejos, ou não. Na verdade nessas áreas, alguns políticos  só aparecem de 4 em 4 anos para pedirem votos. Pois bem, alguma vez ou outra, você pode ver alguma cidade pequena do interior nordestino, com um crescimento econômico admirável, mas isso é, uma ou outra, no contexto geral. Se não tiver o dinheiro circulando na mão dos pobres, para gerar emprego e renda para essa região, o país pára, quebra o varejo, quebra a indústria e quebra o Brasil, pois isso é uma corrente, se não tiver pra quem vender,  não se fabrica, se não se fabrica, a indústria fecha, isso é matemática, e da básica. Então, milhares dessas cidades, costumam passar por grandes apertos econômicos, pois o orçamento é limitado e para os Prefeitos administra-las, é um sacrifício. Acontece que o Nordeste do Brasil, é um celeiro econômico, cultural e social desse país. Apesar de muitos brasileiros não saberem da história do Nordeste, essa região tem suas sub-regiões onde se tem a riqueza como um conjunto de prosperidade de poucos, nessa região, mas que, em certas sub-regiões como o sertão e até no próprio agreste, que fica próximo a região litorânea, podemos encontrar pessoas sem emprego e passando muita dificuldade, justamente porque não se gera emprego algum. Hoje, essa região, apesar de ser uma região onde encontramos muitas pessoas abaixo da linha de pobre, mas ela é uma região próspera economicamente e socialmente, o que falta para melhorar essas estatísticas é a uma distribuição de renda mais justa. O Nordeste, vem mostrando para o Brasil, que é exportador de cultura e de artistas para o Brasil e para o mundo. Foi na Região Nordeste do Brasil, onde o Brasil foi descoberto, em segundo lugar, o polo canavieiro, açucareiro, e da  pecuária,  começaram pelo Nordeste. Durante três séculos, a região Nordestina concentrou a maior parte da população e riqueza do  Brasil. Então, sempre é bom, quando forem falar do Nordeste, terem um mínimo de  embasamento cultural sobre o que está falando dessa região,  para que as pessoas não passem por ridículas. Essa região, foi construída com lutas, sangue, suor e lágrimas. As lutas e rebeliões que tiveram nesse solo sagrado, não foram em vão, elas fazem parte da história de um povo bravo, guerreiro e valente. Por outro lado, o povo nordestino é um povo que não gosta de injustiça, respeita o próximo, tem amor a o que faz e diz, e que  valoriza sua terra. 



<img src=“carros-pipas-no-sertão” title=“açudes-do-nordeste-secos” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>




O Nordestino, também pede respeito para também poder respeitar.  As batalhas que aconteceram nessa região brasileira foram: a batalha dos Guararapes, batalha do Jenipapo, tomada de cabedelo dos franceses, levantes dos tupiniquins, levante dos marimbondos e tantas outras. Então, essa região, tem uma rica histórias que contribuiu e muito, para a história do Brasil. O problema todo, é que, hoje, o Brasil politicamente está em frangalhos, temos um governo que não é a provado por todos, e que ainda quer mexer nos direitos do povo. Isso quer dizer que, o sistema financeiro internacional quer se apropriar de muitas riquezas brasileiras. O problema é que, em contra partida, os brasileiros não se beneficiaram com isso. Sendo assim, o Brasil, o Nordeste e outras regiões, tem que, mostrar sua autoridade para que não percam financeiramente a verba que vem para essas regiões. Isso afetaria a todos, e principalmente os mais pobres dessa região e de outras regiões. Essa região do Brasil, não pede nada mais, nem nada a menos do que: infraestrutura, desenvolvimento, emprego e renda e uma logística para escoamento da safra do: pequeno, médio e grandes produtores, porque são eles que, trazem dividendos para essa região e para o país. O sertão nordestino é uma das regiões brasileiras que sente mais as estiagens do inverno, pois tem ano que tem inverno, e tem anos que não tem inverno, e as vezes, passa por longas estiagens. E nos anos de secas, é onde entra o comércio dos carros pipas, onde isso só ameniza o problema da seca, mas não resolve o problema. As principais causas da seca do Nordeste, são: região localizada numa área em que as chuvas ocorrem poucas vezes durante o ano, esta área recebe pouca influência de massas de ar úmida e fria, vindas do sul. Logo permanece, durante muito tempo no sertão nordestino, uma massa de ar quente e seca, não gera precipitações pluviométricas; chuvas. Então como vemos, por essas e outras coisas, é que, as pessoas que moram nessa região, são muitas vezes  abandonadas por muitos gestores públicos, elas sofrem com falta de tudo, a começar por um emprego, por infraestrutura, por comida, por água, por escola, hospitais e por muitas outros fatores. Não é fácil viver na sub-região nordestina, "o sertão", até o godo morre de sede, quando a estiagem é longa e cruel. O Nordeste brasileiro é uma região de gente brava e destemida que constrói seus próprios passos e que enriquece sua terra com sua cultura, seu trabalho e suas histórias. Nordeste brasileiro, uma nação nordestina. Essa região merece respeito.


<img src=“secas-no-sertão” title=“sertão-nordestino” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>








SERTÃO NORDESTINO REGIÃO DO POLÍGONO DAS SECAS MAPA DA FOME MISÉRIA E ESQUECIMENTO PELOS PODERES PÚBLICOS





O  Brasil é um maravilhoso país, colossal e muito aconchegante, mas como em todo país, de terceiro mundo, tem seus problemas sociais, econômicos, e culturais, e para essa situação, muitos fatores imperam; um deles, é a ausência do estado nessas áreas mais fragilizadas. Outro fator, é que não existe distribuição de renda mais justa, outro fator, é a falta de infraestrutura e de emprego e renda para as pessoas poderem se qualificar e poderem produzir para o país. Eu costumo dizer que, o Brasil tem dois Brazis; um dos ricos e outro dos pobres e miseráveis. Na região Nordeste do Brasil é a mesma coisa; temos dois Nordestes, um Nordeste do Litoral, onde também encontramos riqueza e pobreza, e no sertão, ricos, pobres e miseráveis. Não é concebível que, um país como o Brasil, um país continental, alguns políticos não liguem para a pobreza do país. 


<img src=“homem-nordestino” title=“polígono-das-secas” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>



      Isso é inadmissível, pois todos precisam de todos, se quiserem sobreviver socialmente, economicamente e culturalmente. O Brasil, passa por uma turbulência enorme social, e porque não dizer culturalmente e econômica. Esse país já foi uma nação  ordeira e pacata, mais de uns tempos para cá, alguns políticos começaram a não levar muito a sério esse negócio de projetos sociais e de introdução de geração de emprego e renda para a classe mais pobre dessas áreas no sertão brasileiro e dentro das sub-regiões nordestinas. O que a gente pode ver, nas áreas mais pobres desses lugares, é um paliativo que eles procuram fazer para maquiar o imaquiavel, como por exemplo a questão de carros pipas, eles são bem vindos para aquelas pessoas que estão dentro do sertão, mas isso não resolve os problemas de secas que ali existem. Essas pessoas, precisam infraestrutura, de perfuração de poços artesianos em suas propriedades, de mais açudes de pequeno, médio e grande porte, nessas regiões com mais dificuldades de água, crédito mais acessível com juros menores, para que elas comecem a trabalhar e produzir riqueza para a região e para o Brasil, pois o pequeno e médio agricultor, que são aqueles que fazem parte da agricultura familiar, são elas que alavanca a subsistência de alimentos na messa da população desse país. 


<img src=“grandes-secas-no-sertão” title=“estiagem-no-nordeste” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>



      Acontece que, nas áreas pobres do sertão nordestino, ninguém costuma  investir em infraestrutura para poder gerar emprego e renda para os sertanejos, ou não. Na verdade nessas áreas, alguns políticos  só aparecem de 4 em 4 anos para pedirem votos. Pois bem, alguma vez ou outra, você pode ver alguma cidade pequena do interior nordestino, com um crescimento econômico admirável, mas isso é, uma ou outra, no contexto geral. Se não tiver o dinheiro circulando na mão dos pobres, para gerar emprego e renda para essa região, o país pára, quebra o varejo, quebra a indústria e quebra o Brasil, pois isso é uma corrente, se não tiver pra quem vender,  não se fabrica, se não se fabrica, a indústria fecha, isso é matemática, e da básica. Então, milhares dessas cidades, costumam passar por grandes apertos econômicos, pois o orçamento é limitado e para os Prefeitos administra-las, é um sacrifício. Acontece que o Nordeste do Brasil, é um celeiro econômico, cultural e social desse país. Apesar de muitos brasileiros não saberem da história do Nordeste, essa região tem suas sub-regiões onde se tem a riqueza como um conjunto de prosperidade de poucos, nessa região, mas que, em certas sub-regiões como o sertão e até no próprio agreste, que fica próximo a região litorânea, podemos encontrar pessoas sem emprego e passando muita dificuldade, justamente porque não se gera emprego algum. Hoje, essa região, apesar de ser uma região onde encontramos muitas pessoas abaixo da linha de pobre, mas ela é uma região próspera economicamente e socialmente, o que falta para melhorar essas estatísticas é a uma distribuição de renda mais justa. O Nordeste, vem mostrando para o Brasil, que é exportador de cultura e de artistas para o Brasil e para o mundo. Foi na Região Nordeste do Brasil, onde o Brasil foi descoberto, em segundo lugar, o polo canavieiro, açucareiro, e da  pecuária,  começaram pelo Nordeste. Durante três séculos, a região Nordestina concentrou a maior parte da população e riqueza do  Brasil. Então, sempre é bom, quando forem falar do Nordeste, terem um mínimo de  embasamento cultural sobre o que está falando dessa região,  para que as pessoas não passem por ridículas. Essa região, foi construída com lutas, sangue, suor e lágrimas. As lutas e rebeliões que tiveram nesse solo sagrado, não foram em vão, elas fazem parte da história de um povo bravo, guerreiro e valente. Por outro lado, o povo nordestino é um povo que não gosta de injustiça, respeita o próximo, tem amor a o que faz e diz, e que  valoriza sua terra. 



<img src=“carros-pipas-no-sertão” title=“açudes-do-nordeste-secos” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>




O Nordestino, também pede respeito para também poder respeitar.  As batalhas que aconteceram nessa região brasileira foram: a batalha dos Guararapes, batalha do Jenipapo, tomada de cabedelo dos franceses, levantes dos tupiniquins, levante dos marimbondos e tantas outras. Então, essa região, tem uma rica histórias que contribuiu e muito, para a história do Brasil. O problema todo, é que, hoje, o Brasil politicamente está em frangalhos, temos um governo que não é a provado por todos, e que ainda quer mexer nos direitos do povo. Isso quer dizer que, o sistema financeiro internacional quer se apropriar de muitas riquezas brasileiras. O problema é que, em contra partida, os brasileiros não se beneficiaram com isso. Sendo assim, o Brasil, o Nordeste e outras regiões, tem que, mostrar sua autoridade para que não percam financeiramente a verba que vem para essas regiões. Isso afetaria a todos, e principalmente os mais pobres dessa região e de outras regiões. Essa região do Brasil, não pede nada mais, nem nada a menos do que: infraestrutura, desenvolvimento, emprego e renda e uma logística para escoamento da safra do: pequeno, médio e grandes produtores, porque são eles que, trazem dividendos para essa região e para o país. O sertão nordestino é uma das regiões brasileiras que sente mais as estiagens do inverno, pois tem ano que tem inverno, e tem anos que não tem inverno, e as vezes, passa por longas estiagens. E nos anos de secas, é onde entra o comércio dos carros pipas, onde isso só ameniza o problema da seca, mas não resolve o problema. As principais causas da seca do Nordeste, são: região localizada numa área em que as chuvas ocorrem poucas vezes durante o ano, esta área recebe pouca influência de massas de ar úmida e fria, vindas do sul. Logo permanece, durante muito tempo no sertão nordestino, uma massa de ar quente e seca, não gera precipitações pluviométricas; chuvas. Então como vemos, por essas e outras coisas, é que, as pessoas que moram nessa região, são muitas vezes  abandonadas por muitos gestores públicos, elas sofrem com falta de tudo, a começar por um emprego, por infraestrutura, por comida, por água, por escola, hospitais e por muitas outros fatores. Não é fácil viver na sub-região nordestina, "o sertão", até o godo morre de sede, quando a estiagem é longa e cruel. O Nordeste brasileiro é uma região de gente brava e destemida que constrói seus próprios passos e que enriquece sua terra com sua cultura, seu trabalho e suas histórias. Nordeste brasileiro, uma nação nordestina. Essa região merece respeito.


16 julho, 2019

FEIRAS LIVRES COMÉRCIO INFORMAL DENTRO DA CULTURA NORDESTINA E SEUS SEGREDOS SOCIAIS E ECONÔMICOS

<img src=“feiras livres” title=“trabalho infantil” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>







A SULANCA DENTRO DA CULTURA SOCIAL E ECONÔMICA DA REGIÃO NORDESTINA E SUAS CARACTERÍSTICAS DE CADA SUB-REGIÃO NORDESTINA




As feiras livres da região Nordeste do Brasil, são mesmo de encher os olhos das pessoas que são frequentadoras assíduas desses locais populares. Elas chamam atenção, tanto pelo colorido das coisas lá estão expostas para vender, como também, pelo frenesi dos feirantes e das pessoas que vão lá para comprarem seus mantimentos ou qualquer outro item de consumo. Não é de hoje que elas foram introduzidas na vida social dos homens.  Elas são, um meio do homem colocar à venda, toda sua produção agrícola, pecuária, industrial e artesanal. Elas, na idade média, tinham o objetivo de promover trocas de mercadorias entre as pessoas de diferentes lugares e com diferente itens. 




<img src=“carros de madeiras” title=“feiras livres no nordeste” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>



    Com a queda do feudalismo e o surgimento do capitalismo, esse modo de comércio ganhou força e importância econômica. Elas foram impulsionadas pelas cruzadas, uma vez que naquela época, as atividades comerciais, deveriam atender as necessidades dos viajantes e com o tempo, as necessidades foram aumentando e as feiras foram crescendo e dai em diante ela passaram a promover a comunicação entre os povos. Mas o mas importante nisso tudo é que, dentro dessas feiras, existem pessoas que fazem dela, seu ganha pão e seu sustento, trabalhando com serviço braçal. Elas são, tipo shopping populares a céu aberto. 


<img src=“carro de mao” title=“feiras livres” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>



     Os feirantes ganham através da comercialização das suas mercadorias, a sociedade compra essas mercadorias,  que estão à venda, as pessoas geram emprego e renda para outras pessoas através da comercialização dos produtos ali expostos,  e isso se torna uma engrenagem que faz desse tipo de comércio informal, um seguimento informal muito forte na geração de renda para outras família. Dentro dessa engrenagem comercial, temos que destacar aquelas pessoas que ganham a vida em transportar as compras das pessoas que vão à feira, para fazerem suas comprar. É uma prática muito antiga e ainda muito cultural, nas feiras livres do Nordeste brasileiro. Você ver pessoas carregando as compras, feitas por donas de casa, em carrinhos de mão, mas nem sempre foi assim. Nos anos setenta e oitenta, você podia se deparar com carros artesanais feitos de madeira, com rodas de madeiras enrolada com uma borracha de pneu de caminhão, e que possuía um volante de carro, para se manobrar o dito carrinho. Geralmente esses carros rústicos eram vistos nas feiras livres do Nordeste, e eles eram usados para todos os fins de carreto, dentro e fora das feiras, pois eram grandes e tinham capacidade para levar uns duzentos quilos de mercadorias, seja sacos com feijão, arroz ou outra mercadoria, como bebidas e sulanca em geral. E eles viviam circulando com seus donos, empurrando esses mesmos carrinhos feira a baixo, feira acima.  Esses carros eram chamados de Mistos, e eram manuseados por adultos, você não via criança usando um carro desses na feira, primeiro porque eram pesados demais, e a sua fabricação era muito cara, mesmo eles sendo feitos no quintal das casas. Então, as feiras tinham um ar de retrô, de saudosismo. Esses carro eram encontrados com facilidade, dentro dessas feiras livres. Os anos foram passando e esse artefato artesanal, foi sumindo das feiras livres do Nordeste, eles foram sendo trocados por outros tipos de carroças e pelo próprio carrinho de mão. Hoje, nós vemos uma quantidade enorme de carrinhos de mão, dentro das feiras livres sendo manuseado por meninos de 12, 13, 15 anos. Ele usam esses carros de mão, como forma de trabalho, para ganharem dinheiro e sustentarem suas famílias. 


<img src=“corro misto” title=“ feiras do nordeste” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>



      A cultura dos carretos com carros "Misto", já não é tão frequente, pois além deles serem pesados demais e muito difíceis de serem manuseados dentro das feiras livres, já que elas aumentaram, e a circulação de pessoas aumentou dentro delas e o espaço dentro dessas feiras não dava mas para eles circularem. Tudo isso fez com que esses carros de madeiras, desaparecessem da vida cotidiana dos feirantes do Nordeste brasileiro.  Hoje, você ainda pode encontrar algum desses "Mistos" entre uma feira e outra, mas podem ter certeza, será uma raridade. Essa cultura, já não existe mais. Eles não estão mas tão presente na vida cotidiana dos feirantes e das pessoas que frequenta as feiras. 



<img src=“feiras livres” title=“trabalho infantil” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>







A SULANCA DENTRO DA CULTURA SOCIAL E ECONÔMICA DA REGIÃO NORDESTINA E SUAS CARACTERÍSTICAS DE CADA SUB-REGIÃO NORDESTINA




As feiras livres da região Nordeste do Brasil, são mesmo de encher os olhos das pessoas que são frequentadoras assíduas desses locais populares. Elas chamam atenção, tanto pelo colorido das coisas lá estão expostas para vender, como também, pelo frenesi dos feirantes e das pessoas que vão lá para comprarem seus mantimentos ou qualquer outro item de consumo. Não é de hoje que elas foram introduzidas na vida social dos homens.  Elas são, um meio do homem colocar à venda, toda sua produção agrícola, pecuária, industrial e artesanal. Elas, na idade média, tinham o objetivo de promover trocas de mercadorias entre as pessoas de diferentes lugares e com diferente itens. 




<img src=“carros de madeiras” title=“feiras livres no nordeste” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>



    Com a queda do feudalismo e o surgimento do capitalismo, esse modo de comércio ganhou força e importância econômica. Elas foram impulsionadas pelas cruzadas, uma vez que naquela época, as atividades comerciais, deveriam atender as necessidades dos viajantes e com o tempo, as necessidades foram aumentando e as feiras foram crescendo e dai em diante ela passaram a promover a comunicação entre os povos. Mas o mas importante nisso tudo é que, dentro dessas feiras, existem pessoas que fazem dela, seu ganha pão e seu sustento, trabalhando com serviço braçal. Elas são, tipo shopping populares a céu aberto. 


<img src=“carro de mao” title=“feiras livres” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>



     Os feirantes ganham através da comercialização das suas mercadorias, a sociedade compra essas mercadorias,  que estão à venda, as pessoas geram emprego e renda para outras pessoas através da comercialização dos produtos ali expostos,  e isso se torna uma engrenagem que faz desse tipo de comércio informal, um seguimento informal muito forte na geração de renda para outras família. Dentro dessa engrenagem comercial, temos que destacar aquelas pessoas que ganham a vida em transportar as compras das pessoas que vão à feira, para fazerem suas comprar. É uma prática muito antiga e ainda muito cultural, nas feiras livres do Nordeste brasileiro. Você ver pessoas carregando as compras, feitas por donas de casa, em carrinhos de mão, mas nem sempre foi assim. Nos anos setenta e oitenta, você podia se deparar com carros artesanais feitos de madeira, com rodas de madeiras enrolada com uma borracha de pneu de caminhão, e que possuía um volante de carro, para se manobrar o dito carrinho. Geralmente esses carros rústicos eram vistos nas feiras livres do Nordeste, e eles eram usados para todos os fins de carreto, dentro e fora das feiras, pois eram grandes e tinham capacidade para levar uns duzentos quilos de mercadorias, seja sacos com feijão, arroz ou outra mercadoria, como bebidas e sulanca em geral. E eles viviam circulando com seus donos, empurrando esses mesmos carrinhos feira a baixo, feira acima.  Esses carros eram chamados de Mistos, e eram manuseados por adultos, você não via criança usando um carro desses na feira, primeiro porque eram pesados demais, e a sua fabricação era muito cara, mesmo eles sendo feitos no quintal das casas. Então, as feiras tinham um ar de retrô, de saudosismo. Esses carro eram encontrados com facilidade, dentro dessas feiras livres. Os anos foram passando e esse artefato artesanal, foi sumindo das feiras livres do Nordeste, eles foram sendo trocados por outros tipos de carroças e pelo próprio carrinho de mão. Hoje, nós vemos uma quantidade enorme de carrinhos de mão, dentro das feiras livres sendo manuseado por meninos de 12, 13, 15 anos. Ele usam esses carros de mão, como forma de trabalho, para ganharem dinheiro e sustentarem suas famílias. 


<img src=“corro misto” title=“ feiras do nordeste” alt=“a-arte-de-newton-avelino”>



      A cultura dos carretos com carros "Misto", já não é tão frequente, pois além deles serem pesados demais e muito difíceis de serem manuseados dentro das feiras livres, já que elas aumentaram, e a circulação de pessoas aumentou dentro delas e o espaço dentro dessas feiras não dava mas para eles circularem. Tudo isso fez com que esses carros de madeiras, desaparecessem da vida cotidiana dos feirantes do Nordeste brasileiro.  Hoje, você ainda pode encontrar algum desses "Mistos" entre uma feira e outra, mas podem ter certeza, será uma raridade. Essa cultura, já não existe mais. Eles não estão mas tão presente na vida cotidiana dos feirantes e das pessoas que frequenta as feiras.