A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: 2019 A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: 2019 A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: 2019

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

02 outubro, 2019

CONHEÇA OS SEGREDOS DO MUNICÍPIO BRASILEIRO QUE TEM A IGREJA MAIS ANTIGA DO BRASIL NO ESTADO ONDE A CULTURA E A ARTE PREDOMINAM DENTRO DA DOUTRINA CULTURAL E ARTÍSTICA DE CADA UM DOS CIDADÃOS DESSE MUNICÍPIO

<img alt=' cabo de santo agostinho ' src='pernambuco ' title='Recife'/>







LUGAR DE PONTOS TURÍSTICOS E UMA HISTÓRIA CULTURAL MUITO RICA ESSE MUNICÍPIO PERNAMBUCANO FAZ PARTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE E DO TURISMO NORDESTINO




      Se existe um consenso dentre tantos pontos maravilhosos que a gente pode apontar dentro do Nordeste brasileiro, um deles, não podemos negar; esta região é mesmo uma região privilegiada por Deus. O Nordeste brasileiro além de ter uma boa logística, boa comida, praias lindíssimas uma cultura nordestina rica, e um povo maravilhoso, ainda tem 365 dias do ano, de muito sol e um visual deslumbrante. Seus municípios são belos e atrativos, para turismos de todos os gostos. Hoje vamos falar de um lindo município brasileiro que está situado na região Nordeste do Brasil, e que pertence ao estado de Pernambuco. Santo Augustinho está localizado a 40 Km de Recife. 





<img alt=' cabo de santo agostinho ' src='praias ' title='Recife'/>



      Esse município basicamente vive do turismo, como tantos outros municípios da região litorânea nordestina. Com lindas praias, e muitos coqueirais, esse lugar é ideal para a prática de esportes náuticos como mergulho e pesca, além de atividades mais radicais como o rapel, trekking e parapente. O passeio de buggy também é muito pedido, além de ser o meio mais fácil de visitar as praias, mirantes e a vila de Nazaré, onde estão a parte histórica. Além disso, o turista e os nativos podem tomar banho de argila, famoso pelos benefícios estéticos do material. Essas praias podem ser visitadas a partir de Recife, uma vez que a praia mais distante do roteiro fica a cerca de 100 Km. As melhores praias desse município são Gaibu, Calhetas, Camboa e Pedra do Xaréu. Esse município é conhecido como Costa dos Arrecife devido ao grande número de recifes nessa região. Esse trecho de litoral compreende as praias do sul de Pernambuco no sentido Recife Maceió. O porto de suape fica nessa região. A Praia do Cabo de Santo Agostinho é onde se encontra o ponto de divisão entre o continente africano e sul-americo, um acidente geográfico com mais de 100 milhões de anos. A praia do Cabo de Santo Agostinho é mencionada como o local do descobrimento do Brasil pelo espanhol Vicente Pinzón. Tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional, a praia de Calhetas, é a estrela local. Rodeada por uma linda mata nativa, esta pequena baía, oferece aos visitantes, água transparente e mornas o ano todo. Entretanto, o acesso a este belo paraíso não é nada fácil. Para que as pessoas cheguem até lá, é necessário encarar uma estrada de terra esburacada, mas vale apena o esforço. Por ser uma pequena praia, aos fins de semana e feriados, geralmente fica muito lotada. Por isso, recomenda-se as pessoas, visitar esse local no meio de semana e feriado, pois ela é mais tranquila. Nesse local existe um restaurante simples que serve petiscos e bebidas geladas aos visitantes. Nesse lugar o visitante também pode encontrar trilhas, e no ponto mais alto de Santo Agostinho, está a Vila de Nazaré. Esse vilarejo, abriga algumas construções históricas da época do Brasil Colônia. O foco principal é a igreja de Nossa Senhora de Nazaré, construída pelos portugueses no século XVl. Reza a lenda, que esta igreja servia como ponto de referência aos navegadores.  


<img alt=' cabo de santo agostinho ' src='arrecifes no mar ' title='Recife'/>



      Ainda sob o ângulo da História, o município garante que tem a segunda igreja mais antiga do Brasil. Trata-se da Igreja de Nossa Senhora de Nazaré (1597), na Vila de Nazaré. Vizinha à construção está uma área tombada, em ruínas. É o antigo Convento das Carmelitas, ao lado de um pequeno cemitério. A primeira igreja do Brasil, segundo pesquisadores, também fica em Pernambuco: Igreja de Cosme e Damião (1535), em Igarassu. O Cabo é inserido na região turística História e Mar, juntamente com Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Ipojuca e Fernando de Noronha, e poderão receber incentivos do governo federal para projetos e recursos do Ministério do Turismo, abrindo várias oportunidades para os municípios inclusos nas regiões espalhadas pelo país. 


<img alt=' cabo de santo agostinho ' src='praias ' title='Recife'/>



      Cabo de Santo Agostinho possui nove lindas praias. São elas: Praia de Suape, Paraíso, Praia do Cabo de Santo Agostinho, Praia de Calhetas, Praia de Paiva, Praia de Gaibu, Praia de Itapuama, Praia do Xaréu e Enseada dos Corais.  Cabo de Santo Agostinho poderia ser considerada apenas mais uma cidade do Nordeste brasileiro com praias paradisíacas, de águas cristalinas e natureza exuberante. No entanto, quem visita o destino logo percebe que ali, em meio às ruínas e as construções que datam do século 17, há também uma rica fonte de cultura brasileira. A cerca de 40 km de Recife, capital de Pernambuco, Cabo de Santo Agostinho fica no meio do caminho entre Recife e Porto de Galinhas, a menos de 45 minutos da capital.  Cabo é reconhecido como marco geológico mundial por ser o ponto de ruptura do grande continente Gondwana, como era chamado a união da América da Sul e África. Com a ruptura, surgiram dois continentes independentes e o Oceano Atlântico entre eles. A região teria sido descoberta em 1500, por Vicente Yañez Pinzón, mas oficialmente Cabo de Santo Agostinho só foi “descoberta” em 1501. entre os continentes africano e sul-americano. Contornada por recifes e manguezais, a região é a única em todo o país onde existem rochas graníticas de 102 milhões de anos. No total, são nove praias distribuídas em uma área de 445 km². Se você estiver querendo conhecer o Nordeste brasileiro, esse é um bom lugar. Procure um Guia Turístico autorizado para lhe mostrar todas as belezas desse local. De carro por Recife é só seguir pela BR-101 e depois PE-060 até chegar em Gaibu. A cidade faz parte da região metropolitana de Recife e acaba sendo uma boa opção de praias para os recifenses. Um dos destaques é que a região é conhecida como marco geológico mundial. Ali é o ponto exato da ruptura.
#Texto














01 outubro, 2019

O PIAUÍ DESENVOLVE O ECOTURISMO DENTRO DA SUA REGIÃO EXPLORANDO AS BELEZAS NATURAIS DO DELTA DO PARNAÍBA ATRAVÉIS DO TURISMO SUSTENTÁVEL.

<img alt='entrada do delta do piauí ' src='piauí ' title='delta do piauí'/>






O DELTA DO PARNAÍBA É A PORTA DE ENTRADA PARA O TURISMO NO ESTADO DO PIAUÍ TRAZENDO MAIS CULTURA MAIS ARTE E DESENVOLVIMENTO DENTRO DO ECO TURISMO DA REGIÃO DO NORDESTE BRASILEIRO




        Em se tratando de nordeste brasileiro, onde à arte nordestina e a cultura do Nordeste tudo na área de turismo é possível, pois, se existe uma região privilegiada por Deus, essa região é a região nordestina. Por exemplo: no Rio Grande do Norte, temos as dunas, em Pernambuco temos a cidade histórica de Olinda com os seus casarões coloridos, no Ceará as Jangadas e os seus Jangadeiros, na Bahia, o Pelourinho, em Alagoas, a praia de Pajuçara, em Sergipe, as festas Juninas, na Paraíba, o seu São João, no Piauí o Delta do Parnaíba, no Maranhão, o tambor de Crioula e por aí vai. 


<img alt='img do delta do piauí do alto ' src='piauí ' title='delta do piauí'/>



      Você misturando o calendário festivo dessa região com as belezas naturais que existe nela, você pode tranquilamente fazer uma miscelânea Cultural. Hoje vamos falar de uma dessas maravilhas deixadas por Deus aqui na terra, precisamente no estado do Piauí. Vamos falar do Delta do Piauí, onde o turismo é constante e onde os artesãos piauienses mostram e destacam sua arte e a cultura do estado através das belezas naturais que lá existe. Ele é considerado uma das mais maravilhosas paisagens do mundo. Fica localizado entre os estados do Maranhão e Piauí, tendo em Parnaíba a sua porta de entrada. Ele é um raro fenômeno da natureza que, só existe em três lugares, Brasil, Rio Parnaíba no Piauí, no Rio Nilo, na África, e em Me Kong, no Vietnã. A sua configuração se assemelha a uma mão aberta, onde os dedos representam: Barra de Tutoia, Barra do Caju, Barra do Igaraçu, Barra das Canárias e Barra da Melancieira, que se ramificam, formando um grandioso santuário ecológico. É nesse litoral que se localiza o Delta do Parnaíba, o principal rio piauiense. Trata-se do único delta em mar aberto do mundo, que guarda em si as belezas de um manguezal mais do que preservado, rica fauna e praias desertas e belas, perfeitas para a prática de esportes como o kitesurf, o windsurfe e o surf. Passeio pelo Delta: Para conhecer o intrigante Delta do Parnaíba, a melhor pedida é optar pelo passeio de barco pelas águas transparentes e calmas, que formam o Delta. Leva pelo menos, cerca de seis horas de viagem pelo rio e córregos que nele deságuam. Nesse trajeto, chama a atenção a vegetação aquática do delta, formada primeiro pelos aningas, plantas aquáticas semelhantes ao antúrio que formam um vasto tapete verde sobre as águas, depois pelos carnaubais, palmeira da região de onde se extrai a parafina, a cera e outros derivados, que contribuem também para a arte nordestina e sua cultura e, por fim, o manguezal. Outro passeio muito interessantes são os de jipe.Existem dois roteiros: um para o oeste e outro para o leste. No primeiro, a partir da Ilha da Pedra do Sal e pela areia, dá para ir às dunas do Urubu e do Gemedor e a algumas lagoas que se formam em meio às dunas. No segundo, por asfalto, vão-se até as praias de Atalaia, em Luís Correia, município vizinho de Parnaíba, e praias do Coqueiro, Carnaubinha, Macapá e Maramar. Esses passeios, tem a duração de quatro horas e custam cerca de R$ 280 para quatro pessoas. O turista pode dá uma passada até a Lagoa do Portinho, que é excelente para banhos de água doce e tem infraestrutura de alimentação e passeios de lancha, caiaque e banana boat. Nesse mesmo roteiro, o turista pode conhecer Parnaíba e a Praia da Pedra do Sal, que tem um farol. E se deliciar nas barracas de praia comendo aquele caranguejo, prato típico regional, apreciar o artesanato, a culinária local, e se deliciar com a cultura nordestina. 


<img alt='lagoas no delta do piauí ' src='piauí ' title='delta do piauí'/>



      O Delta do Parnaíba, junto com Jericoacoara no Ceará e Lençóis Maranhenses, integra a chamada Rota das Emoções, roteiro que une três destinos de preservação ambiental nesse pedaço do Nordeste brasileiro. O delta impressiona pelo seu ecossistema, pelos ribeirinhos que depende dele, pela grandiosidade das suas dunas, pelo, o encontro das águas com a fauna e flora e pela, a imensidão que te envolve. Esse lugar parece mais com um grande labirinto de igarapés, que somente os nativos têm condições de sair sozinhos de lá. 


<img alt='barco no delta do piauí ' src='piauí ' title='delta do piauí'/>



      O ponto de apoio para o Delta é a cidade de Parnaíba, a segunda mais importante do Piauí, com 146 mil habitantes e situada a 330 km da capital, Teresina. Lá estão os melhores hotéis, a melhor infraestrutura de serviços e demais facilidades que podem ser úteis aos turistas. A história desse Delta se inicia com a descoberta, no século XVl, pelo explorador Nicolau de Rezende quando navegava pelo litoral nordestino e sofreu um acidente na divisa do Maranhão com Piauí. Ele trazia uma grande quantidade de ouro na sua embarcação e acabou perdendo a carga nas águas da região. Ele permaneceu por mais de dezesseis anos no local, mas não conseguiu recuperar o seu ouro. Indo ao estado do Piauí, procure conhecer Parnaíba e o Delta do Parnaíba, você vai se surpreender com as belezas desse lugar.
#texto




24 setembro, 2019

CASTANHA DE CAJU ASSADA DENTRO DA CULINÁRIA NORDESTINA E DENTRO DA CULTURA NORDESTINA FAZ DA ARTE NORDESTINA UMA INTRODUÇÃO DE CRIAÇÃO EM CADA PRATO

<img alt='Castanha assada ' src='castanha-assada ' title='castanha assada'/>






MODO ARTESANAL DE ASSAR CASTANHA DE CAJU PARA A CULINÁRIA REGIONAL DO NORDESTE BRASILEIRO E PARA  O CONSUMO NATURAL DENTRO DA CULTURA NORDESTINA



      No Nordeste brasileiro, existem grandes plantios de cajueiros (Anacardium occidentale, o seu nome científico; é uma árvore nativa do Nordeste do Brasil, é medicinal e alimentícia, e dela tudo se tira, com: o caju, a castanha a casca e a madeira. Existe dois tipos de cajueiro, o gigante e o comum. Algumas, chegam atingir a altura de 20 metros, ele também pode atingir uma grande superfície. 


<img alt='Castanha assada ' src='castanha-assada ' title='castanha assada'/>



      Na região Nordeste do Brasil, existem dois dos maiores cajueiros do mundo, um fica no Rio Grande do Norte o outro no estado do Piauí, os dois tem mais de oito mil metros quadrados de área. Pois bem, essa árvore, é uma das mais plantadas dentro dessa região, por isso também é explorada comercialmente. A castanha, é o fruto do cajueiro, apesar de comermos a poupa do caju, também nos deliciamos, com castanha, pois, ela possui 9% da recomendação diária de magnésio para os adultos, esse mineral é essencial para o bom funcionamento do corpo, além de ser nutritiva é muito deliciosa. O modo mais tradicional de se assar castanha, é ter, quatro pedras do mesmo tamanho, e colocadas no sentido quadrangular, pois, são elas que vão dá, sustentação para a colocação de um tacho de alumínio, onde é colocada as castanhas. Depois, é preciso colocar galhos secos como combustível para produzir o fogo, e com isso assar as castanhas. Essa lenha, é bom ser de angico, uma madeira que queima por mais tempo, e não faz muita fumaça, mas também, pode ser qualquer outra madeira, contanto que, queime por mais tempo e tenha um fogo  por mais tempo, é através desse fogo que as castanhas vão ser assadas. 


<img alt='Castanha assada ' src='castanha-assada ' title='castanha assada'/>


     Durante a queima da castanha a pessoa tem que mexer elas dentro do tacho, através de pedaço de madeira de pelo menos um metro e meio, e o importante é mexe-las  até ficarem assadas, elas irão pegar fogo, mais é muito comum isso, as suas cascas, existe um tipo de óleo, e isso, em contacto com o fogo, faz combustão, a pessoa que estiver assando as castanhas, tem que ter cuidado para elas não queimarem, pois elas estarão boas quando as suas cascar estiverem douradas, aí elas estarão prontas para saírem do flande ou outro tacho que você estiver usando. Quando elas tiverem prontas para serem tiradas do tacho a madeira que você estiver mexendo você vai e vira o tacho com essa madeira na areia ou não. Depois disso vem o processo para quebrar elas, então você tem que ter duas ou mais pedras para quebra-las, vai depender de quantas pessoas estão por perto e que, irão quebra-las. Depois é só bater na casca delas e irão parti-las, é só ir colocando dentro das vasilhas. 



<img alt='Castanha assada ' src='castanha-assada ' title='castanha assada'/>




      Essa é a forma tradicional e artesanal de se assar castanha nos mais distantes lugares do Nordeste brasileiro. A cultura Nordestina, tem dessas coisas, e dentro dessa tradição, a culinária nordestina  é beneficiada o sabor tanto do caju como da castanha do caju. Depois de todo esse processo, vem o melhor, que é saboreá-la. O Nordeste brasileiro além de ser um grande produtor de castanha de caju, ele também é um grande consumidor, além de exportar para todo o mundo.
#Texto

11 setembro, 2019

COSTUMES TRADICIONAIS DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL FAZ DA CASA DE FARINHA UMA TRADIÇÃO E ARTE ENTRE OS NORDESTINOS E A SUA CULTURA.

<img alt='A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ' src='casa de farinha ' title='beju e tapioca'/>








OS ARTESÃOS QUE FAZEM PARTE DA ARTE DE FAZER OS PRODUTOS DAS CASAS DE FARINHA NA REGIÃO DO NORDESTE BRASILEIRO ELES SÃO MESTRES NA CRIAÇÃO DE ARTE E CULTURA DENTRO DAS CASAS DE FARINHA DA REGIÃO NORDESTINA 



<img alt='casa de farinha' src='A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ' title='beju e tapioca'/>




A cultura do Nordeste brasileiro é mesmo infinita, mesmo nas pequenas coisas a cultura brasileira está entre nós. Hoje vamos falar da casa de farinha onde é produzido ainda, artesanalmente, em vários lugares do “sertão” nordestino. Esse é um ciclo que vai desde o plantio da mandioca, a coleta da mandioca, depois ela é levada para a casa de farinha para ser raspadas pelas mulheres que são responsáveis por esse serviço, depois essa mandioca vai para a serragem, que é o terceiro passo para a produção da farinha, depois essa pasta vai para a prensa, depois essa mandioca vai para peneiragem, depois vai para o forno até a farinha ficar pronta depois de duas horas, e só então é que essa farinha vai ser ensacada para poder ser comercializada nas feiras livres do sertão nordestino e do Brasil. Podemos encontrar muitas casas de farinha artesanal, da época do começo do século passado, e com os seus tachos, prensas, peneiras e todos os utensílios que é preciso dentro de uma casa de farinha. Sabemos também que, as casas de farinhas elas datam da época do Brasil império, isso no século XVll.


<img alt='casa de farinha' src='A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ' title='beju e tapioca'/>



Ela é um componente essencial da dieta da população brasileira, geralmente as regiões Nordeste e Norte do Brasil. Tudo isso faz parte dos costumes tradicionais, do folclore, da cultura e da arte dos antepassados do povo nordestino.  Sabemos também que, os índios, foram os primeiros a cultivarem essa espécie. O método dos índios da época, já extraiam a goma ou fécula; o tucupi; e a farinha de tapioca. Os primeiros vestígios de pilões para moagem da mandioca, datam de dois mil anos. Você ainda pode ter o privilégio de encontrar dentro do sertão nordestino, algumas casas de farinha dos anos 40 funcionando perfeitamente. Geralmente, as famílias se unem nesse trabalho artesanal para continuar mantendo a tradicional secular que tanto nos faz ver o quanto é importante preservar o tradicional, mesmo construindo novos conceitos e novas técnicas para que a cultura sempre mantenha o tradicional, mas que o novo ande lado a lado com esse tradicional. Alguns dos utensílios usados na farinhada, ou fabricação da farinha são: caçuá ou cofo: são cestos que são feitos de cipó para transportar a produção da farinha. A cangalha e o cambito são para colocar no dorso dos animais para levar os caçuás. Caititu ou bola é uma peça que rala a mandioca, mais hoje já pode ser a peneira. O cocho é feito de madeira na forma de uma canoa, para guardar a rapa da mandioca. Peneiro é um cesto feito de vime ou de palha de carnaúba para guardar a massa da mandioca.


<img alt='casa de farinha' src='A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ' title='beju e tapioca'/>



O pilão é uma peça de madeira feito para colocar a mandioca para ser socada até completar o processo de relação; Prensa, é utilizada para separar o líquido da massa, são geralmente de madeira e acionadas por alavanca ou parafuso. Raspador ou facas, são instrumentos usados para descascar e raspar a mandioca. O tacho é onde é torrada a farinha. Então vemos que isso é uma tradição secular e que continuar com todo o vapor no Nordeste brasileiro, mesmo com toda a modernidade, mesmo com todas as exigências que os órgãos fiscalizadores possam trazer, a tradição da farinhada e da fabricação da farinha em pequena e média escala e por muitos sertanejos que são pequenos agricultores; que plantão (agricultura) de subsistência, essas famílias continuam levando a tradição da farinhada em frente, e deixando um legado para futuras gerações. O pequeno agricultor nordestino que fabrica farinha nas suas casas de farinha, eles fazem para o seu consumo e para poderem vende-la nas feiras livres dessa região. As casas de farinha sempre será uma tradição no Nordeste brasileiro.
#Texto


06 setembro, 2019

A CIDADE DE NOVA IORQUE É UMA CIDADE NORDESTINA QUE MOSTRA A ARTE E A CULTURA DENTRO DO CONTEXTO REGIONAL DO NORDESTE BRASILEIRO

<img alt='new york' src='A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ' title='cidade-do-maranhão'/>







OS SEGREDO DESSA CIDADE DO MARANHÃO QUE LEVA O NOME DE UMA CIDADE AMERICANA E QUE FAZ PARTE DA CULTURA DO NORDESTE BRASILEIRO 





O Brasil, tem algumas coisas pitorescas e culturais que, podem acontecer muitas vezes, dentro das suas regiões e isso é bem presente. A nossa influência já há bastante tempo é uma influência americanizada da América do Norte, e isso acontece desde há época da Segunda Guerra Mundial e veio com o passar dos anos, acontecendo com mais frequência e com mais intensidade. Isso dentro da culinária, dentro do comércio, em geral, isso dentro do modo de se vestir de muitos brasileiros e dentro da própria cultura globalizada. Já que o mundo se globalizou, isso se torna praticamente cultural. Hoje, no Brasil, você ver muitos estabelecimentos comerciais, com a fachada com nomes em inglês, você ver muitas pessoas  querendo viajar para a Disney, você ver muitas pessoas a usarem produtos americanos e por aí vai. 





<img alt='nova iorque brasileira' src='A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ' title='cidade do maranhão'/>







      Nada contra, pelo contrário, eu tenho muita admiração pela à América, pela sua cultura e pelos americanos. O que eu quero dizer aqui, é que, a nossa cultura, é muito próxima a cultura americana, justamente pela influência americana desde a Segunda Guerra Mundial. Com o passar dos anos essa influência foi crescendo devido à globalização e a facilidade de intercâmbios e de viagens turísticas entre os dois países. Como o mundo se globalizou, e o país capitalista atrai mais as pessoas pela facilidade de poder de compra, de consumo, turismo de alta qualidade, então isso atrai as pessoas que gostam de conhecer novas culturas a se deslumbrarem pela facilidade de um mundo moderno e cheio de novidades que essas pessoas não tinham visto ainda. 





<img alt='turismo em nova iorque' src='A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ' title='cidade do maranhão'/>


      Acho que o brasileiro é apaixonado por coca-cola, música americana e calças jeans e isso vem desde a época dos hippies e do woodstock onde os brasileiros assistiam pela tv, toda essa metamorfose cultural americanizada do (paz) e amor, naquela fase elementar do Led Zeppelin - Rock And Roll. Eu sou admirador de toda a cultura e de todos os países, não concordo com políticas intervencionistas, sou a favor do bom diálogo entre os homens e entre as nações. Acho também que, só a arte e a cultura para aproximar os homens e as nações e evitar os conflitos. Mas o que eu quero dizer aqui, é que, dentro do nosso nordeste brasileiro, também temos uma cidade brasileira com o nome de uma grande cidade americana. Essa cidade americana é o coração comercial, cultural e social do mundo. Com as suas tribos, as suas culturas diversificadas e com as suas diversões, ela torna-se cosmopolita e de alta intensidade cultural, social e económica para a América. Essa cidade americana se chama NEW YORK. Mas para não ficar para trás, o Nordeste brasileiro, resolveu ter a sua própria Nova Iorque. Vamos falar dessa Nova Iorque nordestina que está situada no Estado do Maranhão. Essa cidade, fica a 554 km da capital maranhense, São Luis do Maranhão, e os seus habitantes se chamam nova-iorquinos. Esse município, se estende por 976,9 km² e tem 5.087 habitantes no último censo. A sua densidade demográfica é de 4,7 habitantes por km² no território do município. Vizinho dos municípios de São Vicente Ferrer, São João Batista e Olinda Nova do Maranhão, Nova Iorque se situa a 7 km a sul-Oeste de São Vicente Ferrer a maior cidade nos arredores. Situado a 8 metros de altitude, de Nova Iorque tem as seguintes coordenadas geográficas: Latitude: 2° 55' 44'' sul, Longitude: 44° 56' 9'' oeste. Ela foi fundada no ano de 1886. Está numa altitude de 178m em relação ao nível do mar. Essa cidade é uma das poucas cidades planejadas do estado maranhense. O rio Parnaiba e a represa Boa Esperança proporcionam aos turistas, praias lindas e procuradas por muitos turistas. Os indícios e os relatos mostram a origem do nome dessa cidade. De acordo com o depoimento de nativos da região, levam ao nome do engenheiro norte-americano Edward Burnet. Ele chegou na região lá pelo século XlX; havia sido nomeado pelo governo imperial brasileiro, chefe da missão, responsável por fazer a limpeza do Rio Parnaíba, para que houvesse navegação segura. Com o fim da missão ele decidiu por fixar residência, e ali, começou a existir uma vila, e denominou a Vila Nova. 


<img alt='nova iorque no maranhão' src='A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ' title='cidade de nova iorque'/>


      Por volta de 1890, é desmembrada do município de Pastos Bons. Foi aí que o engenheiro norte Americano colaborou no planejamento do espaço arquitetónico e sugeriu o nome da cidade de New York nos USA. Daí nasceu essa cidade com o nome de uma cidade norte-americana. Pois, ali era ponto estratégico para o comércio local. Pois, o porto da cidade ancorava grandes, pequenas e médias embarcações. Vindo ao estado do Maranhão, procure conhecer a cidade de Nova Iorque no estado do Maranhão.






.

28 agosto, 2019

CULINÁRIA NORDESTINA O SEGREDO DE UMA IGUARIA DA COZINHA REGIONAL DO NORDESTE BRASILEIRO FAZ SUCESSO NO ESTADO DO PIAUÍ

                                                                                  
<img alt='culinaria-nordestina' src='A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ' title='carne-de-sol'/>









O PRATO CAPIAU É UM MANJAR DA COZINHA PIAUIENSE QUE FAZ PARTE DA CULINÁRIA REGIONAL DO NORDESTE.





      Delícias e sabores da cozinha regional Nordestina, é feita de aromas, temperos picantes e de muita criatividade por parte de quem faz a criação de cada prato novo. Dentre os nove estados dessa região, temos uma variação de nomes e de pratos saborosos dentro da culinária regional



<img alt='culinaria-nordestina' src='A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ' title='carne de sol com macaxeira/>


      É muito comum, no Nordeste brasileiro, um prato novo surgir com sobras de comidas feitas para o almoço ou não, e que está dentro da geladeira, com isso, entra a criatividade nordestina, para criar novos pratos com novos nomes e assim não se estruir comida, congelada. Essa prática, foi introduzida na região Nordeste do Brasil, à partir da Segunda Guerra Mundial, onde a comida era escassa e os nordestinos para não estruir alimentos, iam e faziam novos pratos saborosos e davam nome a tal prato feito e introduzido dentro da culinária dessa região. 

<img alt='culinaria-nordestina' src='A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ' title='carne de sol />


       A cozinha nordestina é uma das mais apreciadas dentro da gastronomia brasileira, pois, leva dentro do cardápio regional, os aromas das ervas introduzidas dentro dela, os sabores quentes que ela tem, e a criatividade das misturas dos alimentos com todas essas evas e temperos regional. Como em toda nossa cultura, a culinária do Nordeste brasileiro, não foge a regra, ela teve uma grande influência dos europeus, dos indígenas e dos africanos; isso desde o Brasil colônia, e isso fez enriquecer ainda mais os sabores e os aromas dentro da culinária regional. Com a evolução dos anos, essa cozinha foi se adaptando e se moldando aos sabores e gostos da região nordestina e isso fez com que ela se tornasse genuinamente brasileira, pois, as modificações dos temperos, das evas e dos pratos, tornaram essa cozinha genuinamente brasileira. Vários pratos regionais, são apreciados tanto pelos nativos dessa região, quantos pelos turistas nacionais e internacionais. Dentre tantos pratos, vou destacar, um prato que é muito apreciado nos estados do Piauí. 



<img alt='culinaria-nordestina' src='A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ' title='carne de sol assada />


       Esse prato, é mais uma criação da região do Nordeste brasileiro, especificamente do estado do Piauí. Ingredientes: 1 kg de carne de sol, ½ kg de macaxeira, 3 dentes de alho, 1 cebola, 2 tomates, 1 pimentão, cheiro verde e sal a gosto. Modo de preparar:  Cortar a carne de sol em pedaços pequenos e tempere com alho, cebola, pimentão, cheiro verde e tempero seco aa gosto. Leve ao fogo para refogar. Acrescente um pouco de água e deixe cozinhar até ficar com um molho consistente. O tempo de preparo é de 50 minutos. A porção dá para 6 pessoas. Descasque a macaxeira e corte em pequenos pedaços. Quando a carne estiver pronta, acrescente um pouco de água, e a macaxeira deixando cozinhar até ficar mole. Então, como vemos aqui, essa região tem uma infinidade de pratos típicos dessa região com nomes diferentes entre os estados. Em qualquer parte do Nordeste Brasileiro você é bem servido e consegue se deliciar com as delícias da culinária nordestina.

11 agosto, 2019

VAQUEIRO NORDESTINO É A FIGURA CENTRAL DE UMA FAZENDA QUE USA INDUMENTÁRIA PARA O TRABALHO NO CAMPO E QUE FAZ PARTE DA CULTURA NORDESTINA

<img src=“ vaqueiros” title=“nordeste-brasileiro” alt=“A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ”>






VAQUEIROS SÃO POETAS NORDESTINOS E ABOIADORES QUE FAZEM DOS SEUS CANTOS UMA POESIA PARA CHAMAREM O GADO QUE ELES VÃO LEVANDO




Hoje, vamos falar de uma das profissões mais antigas no Brasil, vamos falar do vaqueiro nordestino. Ele começa a surgir no Nordeste brasileiro com o desenvolvimento da criação de gado no Brasil. Para cuidar e conduzir os rebanhos, os vaqueiros do sertão Nordestino, se submetiam a longas jornadas de trabalho, para levar os animais de um ponto para outro, isso dentro do bioma nordestino, "a caatinga", em busca de alguns animais perdidos. Nesse período, não existia leis trabalhistas nem muito menos um salário, e dentro desse contexto, eles eram explorados constantemente pelos patrões, pois esse serviço é insalubre e constantemente esses heróis nordestinos, estavam próximo ao perigo, tanto pelo trato com o gado como por ser mordido por algum animal  peçonhento, ou até mesmo, sofrer um acidente de trabalho. 


<img src=“ pega-de-bois” title=“vaqueiro-nordestino” alt=“A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ”>


Os vaqueiros,  usam uma indumentária para não se ferirem dentro do bioma, ou seja, "a caatinga", pois ela tem uma vegetação muito densa e espinhosa, e com a movimentação desses vaqueiros dentro dela, atrás de animais perdidos, eles podem se ferirem sem sua indumentária. Essa vestimenta que eles usam vem do próprio gado, como: o gibão, que é o tipo de uma jaqueta de couro, o pára peito, que protege o peitoral, a peneira é uma perna de uma calça em couro, que cobre dos pés até a virilha, as peneiras ficam presas na cintura são duas pernas de calças soltas, deixando o corpo livre para cavalgar. Nos pés, as alpercatas simples ou complicadas como as dos cangaceiros. Na cabeça, o vaqueiro tradicional Nordestino usa chapéu de couro, que protege o vaqueiro do sol. Essa arte nordestina em couro que os vaqueiros levam quando vão para a labuta do dia a dia, ela faz parte da A ARTE NORDESTINA, da cultura do nordeste brasileiro.  Eles continuam sendo explorados, mesmo depois da criação da lei que regulamenta a profissão, em 2013. Ainda hoje, alguns donos de grandes rebanhos bovinos, insistem em desrespeitar os vaqueiros da caatinga. Essa profissão de vaqueiro é uma profissão muito árdua de sol a sol, e faz parte da cultura da região do Nordeste do Brasil, pois ela existe desde o período colonial. O gado que aqui chegou foi no governo de Tomé de Souza, o primeiro governador geral da nação. Até o século XVll o gado era criado dentro dos próprios engenhos de cana de açúcar. Os currais eram feitos perto da casa grande, senzala e moenda, onde os bichos eram cuidados. Ainda hoje, no Brasil, os costumes continuam até os dias atuais, desenvolvendo a pecuária extensiva. A diária desses trabalhadores do campo é muito baixa, eles ganham entre 30 e 40 reais, mais ou menos uns 10 dólares, por dia. Muito diferente de se trabalhar na América, pois lá o dinheiro é valorizado, a mão de obra é valorizada, o poder de comprar do trabalhador é alto, e os produtos no comércio no varejo,  tem preços acessíveis, essa é a diferença entre o Brasil e os Estados Unidos na economia. Aqui no Brasil, o trabalhador brasileiro é explorado, o poder de compra dele é baixo, o dinheiro não é valorizado e os produtos aqui que são vendidos são altíssimo, por essas e outras é que esse país não cresce, porque os impostos são altíssimos e massacra os empresários, e toda população em geral. 

<img src=“ vaqueiro-do-nordeste-brasileiro” title=“vaqueiro na caatinga” alt=“A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ”>


      Então, quando você trabalha como os trabalhadores mais simples desse país, eles são explorados e não conseguem pagas suas contas. Essa é a mais pura realidade desse país em se tratando de trabalhadores humildes, e pior o governo ainda quer tirar todos os seus direitos conquistados durante uma vida de trabalho forçado, como por exemplo à aposentadoria dessas pessoas. Imagine um trabalhador do campo trabalhando durante oitenta anos, para puxar boi, para tirar leite, para limpar todo o curral, para dá comidas aos animais, para cortar capim e dá rações aos animais dentro de um curral. Então vemos que, esse tipo de trabalho é um tipo de trabalho que força muito as pessoas que estão diretamente ligados a eles, e com esse tipo de trabalho puxado, o trabalhador não consegue trabalhar até uma idade avançada. O maior problema enfrentado pelo vaqueiro é o da água. Às vezes o gado tem que ser levado por dezenas de quilômetros até os bebedouros. 


<img src=“ vaqueiro-com-jibao” title=“vaqueiro-nordestino” alt=“A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ”>



     Na época da migração ele tem que conduzir o gado para lugares distantes, na ida e na volta.  O vaqueiro é a figura central de uma fazenda e operador, pois o patrão geralmente é ou foi um vaqueiro. Seu trabalho é árduo e contínuo. Passa grande parte do tempo montado em um cavalo percorrendo a fazenda, fiscalizando as:  pastagens, ás cercas e às águas, fontes, rios, lagoas ou qualquer manancial existente numa propriedade agrícola. Os empregados não vaqueiros, conduzem os veículos para o transporte. Todo esse trabalho tradicional dessa personagem que chamamos de "vaqueiros", que nos U.S.A, são chamados de "cowboys", eles são as figuras centrais quando a gente fala de cultura nordestina, de sertão, de gado, de fazenda, de vaquejadas. Então são eles que, fazem  parte da cultura tradicional do Nordeste brasileiro, pena que, seus trabalhos, não seja valorizados à altura do que eles fazem, porque é um trabalho árduo e puxado. Mas eles já estão na história e na cultura do sertão do Nordeste do Brasil.
#Texto