UMA HISTÓRIA SANGRENTA – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: UMA HISTÓRIA SANGRENTABlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: UMA HISTÓRIA SANGRENTA A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: UMA HISTÓRIA SANGRENTABlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: UMA HISTÓRIA SANGRENTABlog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

30 outubro, 2016

UMA HISTÓRIA SANGRENTA

MOVIMENTO SOCIAL | Fonte da imagem: clickescolar












 MOVIMENTO SOCIAL










       O nordeste brasileiro, antes de mais nada, é terra de homens e de mulheres fortes, que não tem medo da labuta do dia a dia. Tudo no nessa terra não caiu de paraquedas, sempre foi através de muito sacrifícios, de muitas lutas, de muitas batalhas e de muitas guerras. Essa região que tem o maior número de estados federativos, e que, foi por lá que começou o descobrimento do Brasil. 






       O nordestino por si só, é uma dádiva de Deus, pois são pessoas simples, trabalhadoras, comunicativas e que gostam de ajudar o próximo. O nordestino antes de mais nada é um forte, sempre está batalhando pela vida, para terem o seu destaque dentro da nossa sociedade.







       Vamos falar aqui, das batalhas e guerras que já aconteceram no sertão e dentro da região Nordeste do Brasil, são elas: Guerras dos Potiguares, Quilombos e Guerras dos Palmares, Motim do Nosso Pai, Revolução de Backman, Guerra dos Mascates, Motins do Maneta, Conjuração Baiana-Revolução dos Alfaiates, Conspiração dos Suassunas, Revolução Liberal de 1821, Independência da Bahia, Guerra da Independência do Brasil, Guerra de Canudos, Revolta do Quebra Quilo, Motim da Carne Sem Osso, Sedição de Juazeiro, Cabanada, Balaiada, e muito mais. Portanto, a história dessa região teve lágrimas, lutas e sangue. 






       Talvez seja isso que faz desse lugar, um lugar especial, de pessoas especiais e que contribui e muito para o progresso do Brasil. Mas não vou fazer aqui só de guerras e revoluções que aconteceram em solo nordestino, eu vou falar um pouco de um fenômeno que aconteceu e que ficou marcado na história cultural deste lugar, o Cangaço que começou no século XlX e terminou no século XX.







        Oriundo do descaso dos governantes e do monopólio dos coronéis dessa região, os primeiros cangaceiros eram vaqueiros, lavradores e sertanejos que buscavam ascensão social e, principalmente “Vingança”. Esse fenômeno nordestino integrado por nômades que usavam de violência para cometer crimes na região nordestina e andavam equipados com cangas de madeira e utensílios de aço e cortavam a caatinga, invadindo e saqueando comércio, trens, fazendas. 






       Eles não aceitavam se subordinar à hierarquia do sertão Nordestino. O primeiro cangaceiro era chamado de “cabeleira”, e diz os historiadores que ele aterrorizada a região do Recife, isso na metade do século XVlll. Esse movimento revoltista só começou a criar corpo no começo do século XlX. 






       Nessa época a região Nordestina passava por um momento muito difícil, e sem falar que esses homens espalhavam o medo e o terror por todos os cantos. Na metade do século XVlll, Jesuíno Alves de Melo Calado, com a alcunha de Jesuíno Brilhante, que também praticou seus atos criminosos. O termo cangaço, provavelmente tenha vindo de “canga”.








       Outros motivos para o aparecimento desse fenômeno chamado de “Cangaço”, foram as disputas entre as famílias poderosas dessa região, a falta de perspectivas de ascensão social na região e a miséria que assolava por falta de investimentos na área social, já naquela época, ou seja, no século XVlll. Isso foi um dos motivos para que a revolta de homens sertanejos explodisse dentro da caatinga e fora dela. Os cangaceiros eram homens que se dedicavam a essa atividade, sempre bem armados, eles colocavam espingardas e rifles nas costas e cartucheiras transversais. 







      Eles traziam a tiracolo ou dependurada no cinturão toda sorte de armas suplementares, e longos punhais, cartucheiras feitas de couro com bastante munição. Eles estavam preparados para matar ou morrer, estavam prontos para tudo.









Nenhum comentário: