TURISMO NO SERTÃO – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: TURISMO NO SERTÃOBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: TURISMO NO SERTÃO A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: TURISMO NO SERTÃOBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: TURISMO NO SERTÃOBlog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

26 dezembro, 2016

TURISMO NO SERTÃO

CÂNION NA CAATINGA | Matraqueando












CÂNION NA CAATINGA







       A região nordestina é simplesmente diversificada de belezas naturais abençoadas por Deus, sendo menos favorecida pelos fenômenos climáticos como por exemplo, invernos regulares. Para isso, alguns estudiosos tem uma explicação: a ocorrência do El Niño, fenômeno de aquecimento das águas do oceano Pacífico que transforma todo o clima global. 





      Por aqui ele enfraquece a brisa do atlântico sul fazendo, assim, que pouca umidade chegue ao sertão Nordestino. Com isso, essa região é toda afetada, tanto economicamente como socialmente, quase sem infraestrutura em algumas sub-regiões, alguns setores procuram suprir a falta de chuvas com iniciativas dentro do próprio bioma do Nordeste.






      Então, dentro da caatinga, alguns setores públicos ou privados, procuram implantar centros turísticos para gerar emprego e renda dentro dessas regiões, e uma dessas iniciativa é que alguns pontos do rio São Francisco são usados como turísticos e um deles fica dentro do Estado de Sergipe, que é o passeio de catamarã. 





      Esse passeio sai da cidade de Canindé que fica a 200 quilômetros de Aracaju. Depois de meia hora de navegação, os turistas chegam ao imponente cânion do Xingó, com direito a mergulho nas águas verdes e cristalinas do rio São Francisco, o maior rio do Nordeste brasileiro. 





      Uma das opções é você pernoitar na cidade de Canindé e, no dia seguinte, conhecer o município de Piranhas. Essa cidade ficou famosa por ser ela uma das que o cangaceiro Lampião e o seu bando gostavam de acampar depois de suas aventuras dentro da caatinga do nordeste brasileiro.  






       O passeio é feito com escuna ou catamarã e envolve contato com a natureza que é a vegetação típica do semiárido, belas formações rochosas de arenito, grutas, cavernas e pinturas rupestres. Tem uma caminhada que envolve grandes dificuldades e momentos de aventuras, claro que existe acompanhamento de profissionais qualificados. 





     A emoção é imensa só em você pensar que está em trilhas que foram os índios que andaram por elas, já que foram os primeiros habitantes do lugar. Esse lugar só foi possível depois das águas represadas do Rio São Francisco para a construção da Usina Hidrelétrica do Xingó, inaugurada em 1994, na divisa entre os Estados de Alagoas e Sergipe.







       A infraestrutura do lugar é boa e os barcos são bem equipados. Tem banheiro e lanchonete, servem espetinhos de carne frango, bebidas e sorvetes. Depois de 30 minutos de navegação pelo Rio São Francisco, começa a aparecer os primeiros cânions como a Pedra do Galvão, o Morro dos Macacos e a Pedra do Japonês. 





      Destino ainda pouco conhecido dos brasileiros, o Cânion do Xingó é uma das maiores maravilhas naturais dentro da caatinga e é considerado o quinto maior do mundo e o maior navegável, ele possui paredões rochosos esculpidos pelo tempo e clima, e tem mais 60 mil anos. Quando vier ao Nordeste do Brasil, procure conhecer esse lugar, pois é uma maravilha dentro do bioma nordestino que você não encontrará em nenhum canto e, lembre-se, procure sempre um guia credenciado.







Nenhum comentário: