FÁBRICA DE SONHOS – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: FÁBRICA DE SONHOSBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: FÁBRICA DE SONHOS A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: FÁBRICA DE SONHOSBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: FÁBRICA DE SONHOSBlog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

15 dezembro, 2016

FÁBRICA DE SONHOS

UM DOCE MANJAR | Fonte da imagem: Blog NordestinosPaulistano













UM DOCE MANJAR 








       Uma das tradições centenárias que o Nordeste brasileiro tem dentro da sua cultura, essa é a indústria canavieira, que alavancou milhares de empregos diretos e indiretos dentro da região Nordeste do Brasil, na época da colonização, a fabricação de produtos feitos dos derivados do açúcar, fez com que essa região na época, se tornasse uma das mais promissoras dentro do Brasil. Vamos falar um pouco dos engenhos de canas de açúcar que fabricavam o mel de engenho, a rapadura a pinga e outros produtos. 






       Antes de tudo devemos saber que a cana de açúcar foi introduzida no Brasil, na época da colonização, mais ou menos, entre o século XVl e o século XVlll. Ele foi a primeira grande riqueza agrícola e industrial do Brasil nessa época e por muito tempo foi a base do econômica no período colonial. A introdução começou pelas capitanias de Pernambuco, Bahia e São Vicente, aonde a capitania de Pernambuco já existia 30 engenhos, a Bahia 18 e São Vicente só dois, isso no ano de 1549. 






       A fabricação desse produto teve início no século XVl, nas Ilhas Canárias, ilhas espanholas do Oceano Atlântico. O produto teve a sua exportação no século XVll em toda a América Espanhola, isso aconteceu na época de toda grande expansão açucareira. Ela originou-se da raspagem das camadas ou crostas de açúcar que ficavam presas ás paredes dos tachos utilizados na fabricação de açúcar. Então vamos falar aqui, de alguns engenhos que até hoje funcionam e que fazem partes da história cultural nordestina. Claro que não são os primeiros engenhos que foram construídos pela colonização, mas são engenhos que com certeza são centenários. 






       Vamos falar do Engenho Amolar. Ele fica na zona rural de Panelas, município do estado de Pernambuco, e fica no Agreste pernambucano, na microrregião do Brejo pernambucano. Fundado no final do século XIX e pertence à família Vilar. No ano de 1950 o senhor José Avilar conhecido por “Dedé Vilar” assumiu o engenho até a década do 1990. Depois de alguns anos o engenho passou a ser administrado pelos filhos e neto. O engenho produz a rapadura imperial. 






       Eles também fabricam o doce Nordestino semanalmente, e também existe nesse engenho, o passeio ecológico na mata da região. Eles também fabricam rapadura em tabletes miniatura e o mel de engenho, um dos mais saborosos da região. À produção dos seus produtos vão para quase toda a região nordestina e para São Paulo. Esse engenho faz parte da história turística de Panelas, pois é mais um espaço para o visitante conhecer no interior pernambucano. 






       O equipamento utilizado nesse engenho para a fabricação da rapadura ainda é o mesmo usado no início da construção do mesmo. Muitos outros engenhos dentro da região Nordeste, são engenhos que são de famílias tradicionais na fabricação de produtos derivados do açúcar e que funcionam a moda antiga, meio artesanal, então na cultura canavieira Nordestina, ainda existe e ainda está muito conservada essa cultura centenária. Vindo ao Nordeste brasileiro, procure conhecer essa cultura e procure experimentar os genuínos produtos feitos dos derivados da cana. O alfenim é um dos mais deliciosos produtos fabricados dentro desses engenhos artesanais, a rapadura conhecida como “batida” e o mel de engenho com farinha. Então venha conhecer a cultura Nordestina.







Nenhum comentário: