HISTÓRIA DO NORDESTE – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: HISTÓRIA DO NORDESTEBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: HISTÓRIA DO NORDESTE A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: HISTÓRIA DO NORDESTEBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: HISTÓRIA DO NORDESTEBlog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

15 junho, 2014

HISTÓRIA DO NORDESTE

Fonte da imagem: folhavipdecajazeiras

                                                    





                               ALFINIM OU PUXA PUXA
     







       Certa vez nas minhas andanças pelo sertão nordestino, eu tive a felicidade de frequentar um pequeno e humilde engenho de moagem de cana de açúcar, e que ficava em uma zona rural muito distante, no sertão piauiense.

    


   Tudo por lá era bem braçal e sem muita coisa mecanizada como nos dias de hoje. As pessoas que lá estavam para a moagem da cana, elas tinham como cenário um pequeno plantio de cana, mas que dava para suprir as necessidades delas.

   


      Eles usavam o maquinário de tração animal que era uma prensa, um grande tacho em cima de um forno e  parelha de bois, além de usar os jegues para o transporte da safra no campo até o engenho. Pois bem, dali eles tiravam vários produtos para comercializar como: A rapadura, a garapa de cana de açúcar, a batida, (que é uma rapadura mais mole e de um gosto mais apurado), o melaço e o próprio mel. O que me impressionou mais, foi a fabricação do " Gostoso "Alfinim" ou "Puxa Puxa".

   


    Eu via aquelas pessoas colocarem em um tacho mais raso um liquido escuro que é  o mesmo que se fabrica a rapadura, depois eles passavam uma massa nas mãos como se fosse farinha de trigo e então eles iam puxando aquela liga pra cima e pra baixo com movimentos rápidos  com se fosse uma sinfonia.

   



     Quando ela esfriava e ficava no ponto de degustação, era simplesmente um "Manjar". Eu tenho muito orgulho de ser Nordestino e de ser brasileiro, porque sei que nós temos uma linda cultura, e um país maravilhoso.

   



    O nordestino por si só, são pessoas simples, inteligentes e que fazem a cultura dessa região e desse país, uma cultura forte de grande identidade regional com muita competência. Como toda à nossa cultura, temos nela, uma influência vindo de fora, seja europa, ou da própria américa, ou até mesmo de outros continentes.

   



    Pois bem, o próprio alfinim tem a sua história começada lá no oriente, e trazido para o Brasil pelos portugueses, já que o Nordeste era e ainda continua sendo um forte produtor de cana de açúcar. É muito forte o comércio açucareiro na nossa região.

   


   Nesses engenhos artesanais que são construídos nos fundos das casas de fazendas ou nos pequenos sítios, eles dão uma boa produção para a família de vários produtores.

   


    A cana de açúcar, é um meio de geração de emprego e renda para essas famílias. Toda essa produção é escoada para as feiras livres tanto do município a onde essas pessoas moram, quanto de feiras de outras cidades circunvizinhas.