CULTURA DO NORDESTE – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CULTURA DO NORDESTEBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CULTURA DO NORDESTE A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CULTURA DO NORDESTEBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CULTURA DO NORDESTEBlog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

17 junho, 2014

CULTURA DO NORDESTE

                  
                                  
                                                     


                        FOLCLORE BRASILEIRO
   


     O artista potiguar Newton Avelino, mostra nessa sua obra, à riqueza que tem o folclore Nordestino. Ele também destaca entre traços arrojados, tintas e cores fortes, que as suas obras inconfundíveis, são a cara do sertão brasileiro, diz o artista que é uma temática que ele gosta muito de mostrar em suas obras.

   

     Ele fala também que a cultura do sertão, a cultura do Nordeste do Brasil, ela vai ter sempre espaço em suas obras. Essa beleza e a sua ingenuidade, sempre é bom está mostrando em tintas e pincéis. Sem fugir muito as raízes de sertanejo que esse artista tem, ele fica feliz em representar tudo isso nas suas obras.

   

     O artista sempre fala que a arte popular está presente no dia a dia de cada um que faz parte dessa sociedade moderna, e cada vez mais, ela fica mais forte e mais bela, mostrando assim que no nordeste do Brasil, a cultura é cada vez mais rica.

   

      Nessa obra ele destaca isso, a começar pelo bumba-meu- boi que é uma das mais ricas manifestações folclórica que existe no Brasil. Ele é o Folguedo de maior significação estética e social desse país chamado Brasil. Pesquisadores acreditam que esse festejo teve a sua origem no século XVll, no Nordeste, durante o Ciclo do Gado.

   

      Naquela época o boi tinha uma grande importância simbólica e econômica para o Nordeste do Brasil. Nesse período, os colonizadores usavam a mão escrava, e as usavam para criar o rebanho. É em cima disso a lenda, na qual foi criado o Bumba meu Boi.

    


       Isso se reflete bem a sociedade e a economia da época. Na realidade esse festejo começou em cima de um contexto a onde os fazendeiros com as suas criações de gado reunindo também as influências africanas dos escravos como o Boi Geroa, trazidas pelas populações escravas e européia, como os espanhóis com as suas touradas, misturando as festas portuguesas e francesas.

   

      Esse folclore tem várias denominações pelo Brasil. No Rio Grande do Norte a dança é chamada de Bumba meu boi, no Amazonas e no Pará, (norte do Brasil), é chamada de Boi Bumbá , em Pernambuco, ele é chamado de Calemba, na Bahia, Boi janeiro e por aí vai.

   

     A burrinha é um folguedo popular comum em alguns grupos de Bumba meu Boi, ela tem estrutura de madeira revestida de tecidos coloridos e com varias estampas, e tem um furo central por onde entra o seu condutor.

  

      Ele veste a burrinha que fica dependurada sobre os seus ombros, e que conduz a burrinha e tem o seu rosto mascarado, e dança como se estivesse cavalgando a burrinha. Esse folguedo é acompanhado dos instrumentos que são: Violão, pandeiro e ganzá.

   

      A cabeça da burrinha tem vários adereços e é enfeitada de acordo com o brincante. Esse folguedo também tem as suas apresentações nas comemorações do Dia de Reis, que é no dia 06 de Janeiro. Essa obra do artista Newton Avelino foi vendida para uma pessoa que mora na Capital Federal do Brasil, Brasília.