CORES VIVAS DO SERTÃO BRASILEIRO – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CORES VIVAS DO SERTÃO BRASILEIROBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CORES VIVAS DO SERTÃO BRASILEIRO A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CORES VIVAS DO SERTÃO BRASILEIROBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CORES VIVAS DO SERTÃO BRASILEIROBlog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

04 outubro, 2014

CORES VIVAS DO SERTÃO BRASILEIRO

                         
                                                   Fonte da imagem: diaadiapicos
                                                                  



                                         A ALEGRIA DE NEGOCIAR
  





      As feiras livres tem a cara do nordeste brasileiro. Elas foram criadas no sertão, para os pequenos e médios produtores venderem as suas as suas safras. Elas sempre fizeram parte da cultura do nordestino. As feiras livres devido a tanto sucesso, se espalharam por todas as partes do território brasileiro.
   




       Nas grandes cidades elas causam contratempos devido a movimentação dos materiais a serem instalados como barracas e as mercadorias. Apesar dos tempos modernos a onde as feras perderam muito espaços para supermercados e shoppings, as feiras nas cidades grandes elas não conseguiram desaparecer não, pois tem muita gente ainda, que gostam de comprar frutas frescas e outros alimentos em feiras livres.
   





       Realmente é um hábito de todo brasileiro frequentar uma feira livre. Elas já existem no Brasil desde o tempo do Brasil colônia, por aí você tira a sua conclusão de como isso é cultural. Elas geram emprego e renda para várias classes sociais. Sejam aquelas pessoas que moram ou não, no interior. As feiras já existiam desde os Romanos e Gregos, aí já é outra história.
   





       Elas começaram mesmo por aqui, foi desde o Brasil colonial, e se espalharam pelos sertões. No Brasil colônia, as pessoas costumavam se reunirem em algum ponto dos vilarejos para venderem seus produtos ou fazerem o sistema de trocas de mercadorias, isso era bem comum naquela época.
   





       Depois os vilarejos viraram cidadezinhas e as feiras foram crescendo no sertão nordestino, já que esse era o único meio de escoar a produção dos pequenos e médios produtores, então o poder público interveio com um propósito de adequar as feiras e padronizá-las e para isso resolveu cobrar impostos.
   





       O bom é que essas feiras no sertão do nordeste brasileiro, elas se tornam ponto de encontro de pessoas, umas comprando, outras vendendo. Lá, as pessoas podem encontrar desde eletroeletrônico até as pequenas miudezas.
   Elas hoje são divididas em setores, como os de frutas, os cereais, os de carnes e peixes, os de animais, e as barracas de comidas típicas, como: buchadas, sarapatel, panelada, galinha caipira e por aí vai. Também tem o setor de "troca a troca", é certo que a feira é um shopping a céu aberto e sem luxo nenhum. Digamos que esse é o shopping do sertanejo do "caboclo" da roça.
   





        As feiras livres do nordeste brasileiro, elas são um colorido só. Tem sanfoneiro, tem violeiro, zabumbeiro, triangueiro, tocador de pífano e tem o forrozeiro pé de serra. As tradições do nordeste você quer ver elas, é só ir em uma feira livre do sertão nordestino, tudo lá parece mais uma poesia.
   





        De cordel a espingarda de soca, de chocalho a pavio de candeeiro, de sandália de sola ao tecido de chita, e por aí vai. Quem conhece uma feira livre no sertão do meu nordeste, vai saber também o prazer que dá,em ser sertanejo.

Nenhum comentário: