VENDEDOR DE MILHO – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: VENDEDOR DE MILHOBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: VENDEDOR DE MILHO A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: VENDEDOR DE MILHOBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: VENDEDOR DE MILHOBlog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

29 dezembro, 2015

VENDEDOR DE MILHO

bahiasemmascara

                                                       
                                                         
                           
                               A “MÃO” DE MILHO 


   

     O nordeste é mesmo surpreendente, tanto no cultural, como no econômico e social. Em pleno século XXI ainda vemos que tem algumas coisas que são preservadas e que são praticadas como na época do Brasil colônia. 


      Uma delas é praticada em feiras livres, ou em centros urbanos. Sabemos que a colheita do milho é no mês de junho e, consequentemente, o comércio informal dessa safra começa a movimentar emprego e renda para famílias de baixa renda.



      Vamos falar do vendedor de milho, principalmente na época junina. Na região nordeste, é muito comum em cada esquina você vê-lo vendendo o seu produto para as pessoas que queiram fazer pamonha, milho assado, milho cozido, canjica e outras comidas derivadas. 


     Sabemos também, que depende muito das chuvas ou não, para o preço do milho ser um preço razoável para o consumidor, mesmo nessa época onde o consumo aumenta. 


      Dessa forma, é sempre bom as pessoas pechincharem, pois elas podem ter um bom desconto na hora da compra. Ele é negociado de várias formas, uma delas é a “mão de milho”, a outra é por unidade. 


      A “mão” de milho contém 52 espigas e são negociadas com preços menores ou maiores, depende muito do horário da feira e de vendedor para vendedor, havendo uma variação entre 20, 25 e pode chegar até 35 reais. 


     Sendo assim, todos os dias, toneladas de espigas são comercializadas no local. O que garante a matéria prima para as donas de casa que nunca abrem mão dos pratos típicos e fazendo com que dessa forma o lucro dos comerciantes esteja garantido, desde que saibam negociar.






Nenhum comentário: