PRODUTOS TEXTEIS – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: PRODUTOS TEXTEIS Blog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: PRODUTOS TEXTEIS A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: PRODUTOS TEXTEIS Blog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: PRODUTOS TEXTEIS Blog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

28 maio, 2014

PRODUTOS TEXTEIS

                                  Fonte da imagem: Fotolog

                                                   


                                       OURO BRANCO

  



    O Nordeste do Brasil já foi uma região a onde se podia dizer e constatar que ali era uma região que produzia mais Algodão no Brasil. Essa cultura fica entre as principais culturas agrícolas mais cultivadas mundialmente. O algodoeiro é uma planta cultivada em pequenas e grandes propriedades rurais.

    


     No Nordeste os pequenos agricultores são os que mais plantam o algodão, sendo que no centro oeste se concentram os maiores. Na época áurea o algodão era chamado de "Ouro Branco". Os estados nordestinos que eram os maiores produtores desse cultivo era Paraíba, Pernambuco e o Ceará.

    


     Depois que o "inseto bicudo" entrou nas plantações da região, a produção entrou em declínio. A cultura do Algodão já estava abalada financeiramente por causa das importações de algodão do exterior, e por causa da expansão desse cultivo no cerrado do Brasil. Hoje o algodão do Nordeste é cultivado em pequenas propriedades rurais tanto na agricultura familiar como também em pequenos empreendimentos agrícolas.

    


    Acho que se o agricultor tivesse uma política mais voltada para combater a praga do inseto que prejudica essa planta, e se tivesse mais incentivos, o Nordeste sem dúvida nenhuma seria mais um dos grandes a exportar algodão. O problema também são os preços muito baixo que o Brasil tem que enfrentar lá fora.

     


     Fica quase inviável fazer política de mercado desse jeito. Por outro lado, a realidade é que se o agricultor não tiver incentivo nenhum naquela plantação a onde ele está cultivando, ele prefere ir para outro manjo. Essa planta é conhecida há mais de 4.500 anos. Várias civilizações já utilizavam o algodão.

     


     Em continentes como a Ásia já utilizavam ele como produto de primeira necessidade. Somente a partir do segundo século da Era Cristã, o algodão ficou mais conhecido na Europa, sendo trazido pelos árabes. Os próprios árabes foram os primeiros a fabricarem tecidos e papeis com essa fibra.

     


     Nos Estados Unidos, ele se tornou comercial nos estados da Carolina do Sul e da Geórgia. No Brasil pouco se sabe, No início do século XVl, Jean de Levy já dizia que os índios utilizavam para fiar e tecer o algodão.

     


      Em 1576, Gandayo já falava que as camas dos índios eram redes de fios de algodão. Só sabemos que o Nordeste já foi o celeiro do mundo, no que se refere à plantação do algodão. A história por si só já conta que pequenos e grandes agricultores nordestinos mesmo os pecuaristas ou não, eles utilizavam uma parte das suas terras para esse cultivo. O Nordeste poderá a vir a ser um celeiro de arte, cultura e de alimentos para o Brasil, mas também temos que mudarmos as velhas manias.