ARMADILHAS DE PEDRAS – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro ARMADILHAS DE PEDRASA ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura: cultura do nordeste brasileiro

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato
Confira a arte do artista potiguar Newton Avelino, na sua galeria permanente. Adquira já uma obra!

17 janeiro, 2015

ARMADILHAS DE PEDRAS

                          
                                     Fonte da imagem: singularevista
                                                                               


                                               
                                                 QUIXÓ
   

   

    A sobrevivência do homem das américas em um passado longínquo veio passando de geração em geração, e a esperteza do homem nordestino, também. o homem do sertão não podia ser diferente.
   



    Quando o homem está em uma situação não favorável em certos casos e que não tem alguns dos seus utensílios doméstico para que use como um meio de sobreviver dentro de algumas situações, ele tem que usar da sua criatividade.
   




     Vamos falar do quixó, uma armadilha que é montada com pedra e gravetos. No sertão nordestino caçadores, homens simples e agricultores, faziam esse tipo de armadilha para pegar preás ou outros roedores como os mocós.
   




     Alguns sertanejos, naquela época, viviam em absoluta pobreza, e para eles só restavam caçar para poder alimentar a sua família, e a ele próprio. Esses sertanejos tinham que se valer das condições que lhe cercavam. Usando a sua inteligência e um pouco de habilidade, eles montavam armadilhas que se chamavam “Quixó”.
   




     Esse tipo de armadilha nada mais é do que uma pedra e um trio de hastes, ou seja, elas eram feitas de gravetos, que são colocadas cuidadosamente na ponta da rocha, e na ponta de uma delas, o chamariz de alguma isca que na maioria das vezes era macaxeira, que é muito cultivada em todo nordeste, não só no sertão.
   




      Quando a presa mordia a isca, o movimento disparava os gravetos e a pedra caia por cima da presa. Por muitas vezes o sertanejo tinha a caça na mão, pois era um negócio muito simples, mais que funcionava que era uma beleza. Sendo assim os sertanejos se valeram desse tipo de artifício para ter o que comer e não passar por mais privações como muitos já passaram em um sertão tão cheio de dificuldades e de situações muitas vezes desfavoráveis.
                          
                                     Fonte da imagem: singularevista
                                                                               


                                               
                                                 QUIXÓ
   

   

    A sobrevivência do homem das américas em um passado longínquo veio passando de geração em geração, e a esperteza do homem nordestino, também. o homem do sertão não podia ser diferente.
   



    Quando o homem está em uma situação não favorável em certos casos e que não tem alguns dos seus utensílios doméstico para que use como um meio de sobreviver dentro de algumas situações, ele tem que usar da sua criatividade.
   




     Vamos falar do quixó, uma armadilha que é montada com pedra e gravetos. No sertão nordestino caçadores, homens simples e agricultores, faziam esse tipo de armadilha para pegar preás ou outros roedores como os mocós.
   




     Alguns sertanejos, naquela época, viviam em absoluta pobreza, e para eles só restavam caçar para poder alimentar a sua família, e a ele próprio. Esses sertanejos tinham que se valer das condições que lhe cercavam. Usando a sua inteligência e um pouco de habilidade, eles montavam armadilhas que se chamavam “Quixó”.
   




     Esse tipo de armadilha nada mais é do que uma pedra e um trio de hastes, ou seja, elas eram feitas de gravetos, que são colocadas cuidadosamente na ponta da rocha, e na ponta de uma delas, o chamariz de alguma isca que na maioria das vezes era macaxeira, que é muito cultivada em todo nordeste, não só no sertão.
   




      Quando a presa mordia a isca, o movimento disparava os gravetos e a pedra caia por cima da presa. Por muitas vezes o sertanejo tinha a caça na mão, pois era um negócio muito simples, mais que funcionava que era uma beleza. Sendo assim os sertanejos se valeram desse tipo de artifício para ter o que comer e não passar por mais privações como muitos já passaram em um sertão tão cheio de dificuldades e de situações muitas vezes desfavoráveis.

Um comentário:

Marcelo Lopes disse...

eu achei este tipo de armadilha bastante interresante por sua historia e origem.eu tanbem vim da roça e gosto de caçar,e com certeza o quixó vai fazer parte de meu arsenal