CANGAÇO – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CANGAÇO Blog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CANGAÇO A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CANGAÇO Blog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CANGAÇO Blog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

09 abril, 2015

CANGAÇO

                              
                                         Fonte da imagem:itribuna
                                                                       NÔMADES DO SERTÃO
    Consta que o primeiro cangaceiro teria sido o "Cabeleira" (José Gomes), líder nascido em Glória do Goitá - cidade da zona da mata pernambucana em 1751, e que aterrorizou a região, inclusive, Recife. Mas foi somente no final do século XIX que o cangaço ganhou força e prestígio, principalmente com "Antônio Silvino", "Lampião" e "Corisco".
   Entre meados do século XIX e início do século XX, o Nordeste do Brasil viveu momentos difíceis, atemorizado por grupos de homens que espalhavam o terror por onde andavam: Os cangaceiros, bandidos que abraçaram a vida nômade e irregular de malfeitores por motivos diversos. Este fenômeno ocorreu no nordeste brasileiro entre meados do século XIX ao início do século XX.
   Este fenômeno social, e que foi caracterizado por ações violentas por parte dos cangaceiros. Eles formavam e andavam em bandos armados, espalhando terror e medo no sertão do nordeste brasileiro. Como esse local tem alguns aspectos de difíceis acesso e que beneficiava os mesmo, eles escolhiam esses locais para se esconderem e fugirem da polícia.
   Os cangaceiros promoviam saques e desordem em fazendas da região. Eles chegavam ao ponto de até sequestrarem fazendeiros, que na época tinham o título de coronéis. Quem não obedeciam as ordens deles, mesmo sendo coronéis eram sequestrados. Alguns fazendeiros quando obedeciam as ordens dos cangaceiros não sofriam retaliações, pelo contrário, eram muitas vezes ajudados. Esse tipo de atitude fez com que os cangaceiros fossem respeitados e até admirados por uma boa parte da população que morava nestes locais. Os cangaceiros não moravam em locais fixos.
    Possuíam uma vida nômade, ou seja, viviam em movimento, indo de uma cidade para outra, e saqueando as cidades a onde eles chegavam. Normalmente eles mandavam um mensageiro exigindo que a população e as autoridades dessem algum tipo de pedágio ou coisa parecida. Eles tomavam o que queriam mesmo sem pena e nem piedade, e quem se recusasse, morria.
   O cangaço na sua história relata que grandes cangaceiros e o cangaço, conseguiram dominar o sertão durante muito tempo, devido a ajuda de alguns coronéis, porque eles se beneficiavam com cobrança de dívidas, entre alguns outros serviços sujos, feitos pelos cangaceiros. Entre alguns cangaceiros um dos mais famosos foi Lampião, conhecido como o terror do sertão e também o rei do cangaço, ele predominou durante as décadas de 20 e 30 em quase todo o Nordeste.
   Os cangaceiros não seguiam as leis determinadas pelo governo, então eram perseguidos pelos policiais. Eles usavam indumentárias feitas por eles, tais como chapéu de couro roupas apropriadas para o bando protegerem seus corpos durante as fugas, dentro da vegetação cheia de espinhos da caatinga.
   O fim do cangaço aconteceu a partir da decisão do governo federal brasileiro, quando o Presidente Getúlio Vargas mandou eliminar qualquer foco de desordem sobre o território brasileiro. E esse regime do estado novo, incluía Lampião e o seu bando. No dia 28 de julho de 1938 na localidade de Angicos, no estado de Sergipe. Lampião finalmente foi surpreendido e finalmente apanhado em uma emboscada das autoridades, que exerceram corretamente o poder de justiça. Lampião foi morto junto com a sua mulher Maria Bonita e mais nove cangaceiros.









Nenhum comentário: