POEIRA DO SERTÃO NORDESTINO – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: POEIRA DO SERTÃO NORDESTINOBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: POEIRA DO SERTÃO NORDESTINO A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: POEIRA DO SERTÃO NORDESTINOBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: POEIRA DO SERTÃO NORDESTINOBlog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

15 outubro, 2015

POEIRA DO SERTÃO NORDESTINO


             
                     
                                     Fonte da imagem: nossosemiarido

                             



                                                                     
                                            
                                           ESTRADAS VICINAIS 
                     
   




         As estradas vicinais do meu sertão nordestino é um dos aspecto que mostra como é complicado morar nesses mais longínquos torrões dessa nossa terra maravilhosa, chamada de Nordeste. 
   



      Além de algumas estradas serem com relevo e outras bem mais planas, elas são de piçarra ou com muito barro, algumas ficam dentro do bioma nordestino, essas sim, são de difícil acesso.
   



     São essas estradas que fazem o escoamento da produção rural desses pequenos produtores aonde eles se encontram e se identificam em morar nesses lugares tão afastados das zonas urbanas, criando seus animais cultivando alguma coisa como por exemplo agricultura de subsistência.
   



    Nessas regiões só existem pequenos barreiros ou pequenos açudes, para consumo humano e animal, as vezes criação de pequenos peixes, galinhas patos e outros e outros animais.
   



     Essas pessoas tiram o seu pequeno rebanho bovino, caprino e ovino de um cercado para o outro, e as vezes esses cercados ficam distante uns dos outros, ao ponto dessas pessoas   chegarem a percorrer quilômetros e quilômetros dentro de matas aboiando o seu rebanho.
   



      Esses sertanejos não são nômades, mas sempre estão tirando o gado de uma propriedade para a outra, isso porque não existe pastos na época de secas. O gado do sertão não é de engordar muito mesmo, justamente por isso, porque eles quase não encontram pastagens verdes na época de secas, também porque é do próprio estilo da caatinga, são pouca as plantas que se sustentam verdes durante a época das estiagens prolongadas.
   



      A jurema seca, macambira e outras folhagens que tem muitos espinhos, também secam, é do próprio ecossistema, só quando chove, é que essa flora fica verde e viçosa, dentro de três dias tudo fica verde, realmente uma transformação divina.
   



    A caatinga e seus mistérios, colocam a prova de sobrevivência a espécie humana em seu território. Mesmo assim o sertanejo teima em ficar nesse território hostil provocado pelas secas intermitentes.
   



       Quem fica morando nessas regiões de difícil acesso, são aquelas pessoas que nasceram ali, e tem familiares já há bastante tempo, são pessoas já adaptáveis aquelas localidades e gostam de viver nessa calmaria e distante do barulho das cidades.
   



     As dificuldades por falta de uma infraestrutura bota a prova todas essas famílias que ali moram, mas que seguem a sua vida dignamente tentando sobreviver de sua roça, de seu rebanho e também da sua plantação, isso quando tem plantação.

  

Nenhum comentário: