CATA-VENTO – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CATA-VENTO Blog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CATA-VENTO A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CATA-VENTO Blog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CATA-VENTO Blog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

16 novembro, 2015

CATA-VENTO

Fonte da imagem: infonet
                                               
                                              


                                  ENERGIA EÓLICA

     

        O cata-vento é um dispositivo que usa o vento como energia eólica para impulsionar e bombear a água de alguns poços artesianos que existem em propriedades de pequenos, médios e grandes no interior do sertão, ou em outras localidades do nordeste brasileiro. A origem do cata-vento tem algumas controvérsias, mas sabe-se que eles tem origem nos países do oriente. Eles foram feitos para usar as forças dos ventos como energia. 


      
       Apesar dele não ser brasileiro, sabemos que ele fez já há muito tempo, parte da paisagem do sertão. Eles são útil demais para as regiões secas, como o semiárido nordestino, puxando água para ser armazenada em tanques e em caixas d’águas, para poder o agricultor dá água ao gado, as suas criações em geral, e para poder ter água para o consumo humano também. Ele sempre foi útil nas propriedades agrícolas. 


      
        Quando o poço seca, infelizmente o cata-vento só serve como objeto de decoração do campo, ou para se bater fotos dele. Além de ser formado por pás que roda sem pressa alguma sobre um eixo na horizontal, ele também distribui beleza e harmonia no vai e vem de suas palhetas, sendo movimentadas através dos ventos. Eles tem que estar preparados para captar os ventos em qualquer das direções. 


      
       Sempre que eu viajo pelo sertão nordestino, vejo essas engenhocas trabalhando e puxando água nos locais a onde eles estão, mas também vejo alguns parados, tanto por falta de vento quanto por poço sem água. O sertanejo sempre se aliou a eles, pois aos pés deles ou longe dos mesmo, sempre tem um bebedouro para o gado, pois eles abastecem as fazendas e aos sítios em geral. 


      
       Hoje já não existem tantos cata-vento por aí, ele foram substituídos pelos carros pipas, pois as secas intermitentes que assola o nosso sertão, não há o que resista no subsolo, nem mesmo os   poços artesianos rasos, pois eles são muitos usados, e a água vai ficando escassa. A não ser que aprofundem mais o poço, ou os poços, que ficam sem pressão d’água. 


      
       A verdade é uma só, contamos hoje os cata-vento que ainda são utilizados no nosso semiárido nordestino. Sendo assim, acredito que ele pode até ter saído de circulação, mas com certeza faz parte da história do homem do campo. Apesar dos pesares, ele deixa as paisagens bem mais bonitas e bem mais nostálgicas.


Nenhum comentário: