CARNE DO CEARÁ – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CARNE DO CEARÁBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CARNE DO CEARÁ A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CARNE DO CEARÁBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: CARNE DO CEARÁBlog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

12 janeiro, 2016

CARNE DO CEARÁ

Fonte da imagem | caprilvirtual


Fonte da imagem: caprilvirtual




TIPO DE SALGA


     

Uma coisa muito cultural e peculiar no nordeste brasileiro é a produção e a secagem da carne de sol chega a ser quase um ritual. Em qualquer parte do sertão nordestino que você passe e que ali seja um polo de fabricação desse tipo de carne vai perceber que se trata dos mesmos costumes e das mesmas técnicas de aplicação nesse tipo de carne. 


     

     Seja no sertão do Seridó do Rio Grande do Norte, seja no Seridó oriental paraibano, seja na cidade de Campo Maior no Piauí, famosa por sua carne de sol e mais alguns outros polo produtores desse tipo de salga, ou seja em qualquer outro polo produtor dentro do nordeste brasileiro vemos que as técnicas são as mesmas, exatamente as mesmas, isso além de ser cultural, também é um costume dos sertanejos adquirido de seus antepassados.



     
      Esse tipo de carne por alguns anos foi chamada de carne do Ceará, já que em 1778 Pernambuco foi proibido de fazer qualquer tipo de salga na carne, isso acelerou o estado do Ceará na produção desse tipo de carne para abastecer alguns estado do Nordeste. Essa carne saia pelos portos de Camocim e Acaraú. Foi daí que surgiu o nome de carne do Ceará. Ela tem várias denominações: carne do vento, carne do sertão e ‘outros. 


     

      Essa carne é muito confundida com a carne seca, elas tem um processo muito parecidos mas o sabor é diferente, a carne de sol é ligeiramente salgada e colocada em local coberto para poder secar ao vento, seu processo de secagem é rápido, ela fica macia e úmida por dentro.



     

      A carne seca leva mais sal e é empilhada em locais secos para desidratar. Esses tipos de carnes, tiveram um papel fundamental na economia brasileira, elas contribuíram e muito para a expansão da criação de gado e a fixação de habitantes em zonas rurais dessa região. Alguns pesquisadores falam que o método de secagem da carne ao sol é pré-histórico. 


     

    Na realidade esse tipo de carne é um dos pratos mais consumidos pelos nordestinos, a carne de sol sempre vem acompanhada com macaxeira ou pode ser servida com arroz feijão e farofa, ou pode ser acompanhada de qualquer outra coisa.



     O que se ver na verdade, é que ela tem a cara de nordeste, sempre está na mesa de um bom restaurante, ou de um pequeno comércio, ela sempre é a preferida. O nome carne de sol vem do modo que se prepara ela, as mantas de carnes eram salgadas e estendidas ao sol. Esta técnica o nordeste herdou dos portugueses que utilizava para preservação e exportação de peixes. 


     Como esse processo de secagem da carne exige um clima muito seco, o sertão ficou sendo ideal para a sua fabricação. Esse é o tipo de preparo da nossa carne de sol do dia a dia. Todo polo produtor de carne de sol no nordeste brasileiro ele é exatamente igual, isso é como se fosse um ritual cultural, está nas técnicas aplicadas no preparo.






Nenhum comentário: