HISTÓRIA COLONIAL – A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: HISTÓRIA COLONIALBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: HISTÓRIA COLONIAL A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: HISTÓRIA COLONIALBlog de Arte e Cultura A ARTE NORDESTINA | Blog de Arte e Cultura do nordeste brasileiro: HISTÓRIA COLONIALBlog de Arte e Cultura

SEGUIDORES

Página Inicial Biografia Produtos Galeria O que dizem Jornalista Links Entrevistas Contato

01 agosto, 2016

HISTÓRIA COLONIAL

MUITO ESFORÇO E SACRIFÍCIO | Fonte da imagem: liboriogandara












MUITO ESFORÇO E SACRIFÍCIO







      Sabemos que o Brasil começou pelo nordeste brasileiro, e com o descobrimento, veio várias influências, tanto europeia como de alguns outros continentes. Vários desses costumes desembarcaram nesse nosso país maravilhoso. A partir daí, os mais abastados eram os que investiam financeiramente, e ao mesmo tempo, usavam mão de obra sem custos muito exorbitantes, pois eles eram senhores de escravos e com isso infelizmente usavam eles para enriquece-los cada vez mais as custas de todo tipo de agressão que podemos imaginar. 





      Foi mais ou menos por aí que foi construído o progresso desse país, na época dos senhores de engenhos, e coronéis do cacau. Os senhores desses escravos eram os mais ricos e poderosos, alguns entraram no comércio de exportação, tanto no comércio da madeira, como do ouro e outros setores extrativistas. Mas aqui vamos falar em uma dessas influências deixada aqui para nós, que depois foi se modificando e passando a ter os nossos próprios costumes, até ficar genuinamente brasileiro, o modelo de produção e de comercialização dos produtos feitos nesses engenhos. 





      Hoje os engenhos foram trocados pelas usinas, que beneficiam o álcool e o açúcar e outros derivados. Os engenhos de cana de açúcar, foram passando de família para família, outros de pessoas da mesma família e foram ficando na história como que passaram de geração para geração. O que ocorre é que, eles foram peças importantes no desenvolvimento econômico do país, mas por outro lado, eles carregam um estigma de que ali foi área de escravos, pois na época do Brasil colônia, infelizmente essa era uma prática bem corriqueira. 





     Acho que, a escravidão, tenha sido a maior mancha negra da história da humanidade, mas isso é outra história. Então como eu vinha falando, o Brasil começou pelo nordeste e através dessa economia, que era a economia canavieira, uma das áreas comerciais que alavancava mais o progresso do país, era a indústria açucareira. Então como o assunto é açúcar e engenho, vamos falar aqui, de um engenho de cana que fica no estado brasileiro de Sergipe, e que até hoje, ele está com a sua parte física bem conservada, e também faz parte de uma história que ajudou na economia do estado de Sergipe e do Brasil. 






        Vamos falar do ex engenho São Félix, que fica no município de Santa Luzia do Itanhi em Sergipe. Na época do Brasil colonial, existia em atividade sete engenhos de cana de açúcar. O engenho São Félix foi fundado no ano de 1632. O São Félix também mantinha assim como era comum em outros engenhos de cana de açúcar brasileiro, escravos, e a mão de obra desses escravos era que enriquecia os senhores desses engenhos. Realmente, a nosso história falar por si só. 





      Felizmente hoje não existem mais escravos, mas, os trabalhadores formais, ainda tem remuneração abaixo da média. Isso é meio cultural, mas que um dia quem sabe, as pessoas sejam mais bem pagas pelos seus trabalhos. Bem, mas voltado ao São Félix, ele continua bem preservado, e fez parte da história do período áureo da cana de açúcar. Fundado pela família Vieira que é quem mantém a posse da propriedade. Os primeiros donos desse engenho foram, o Tenente-coronel Paulo de Souza Vieira e sua esposa, Dona Joaquina Hermelinda da Costa, após enviuvar, casou-se com José de Oliveira Leite, o Barão de Timbó. 





        Segundo historiadores, o engenho teve uma grande produção de cana de açúcar, sendo o que mais produziu na região no século XlX. Com a crise da cana de açúcar, mesmo esse engenho produzindo em alta escala, ele também não resistiu a crise e foi um dos primeiros a ser desativado. Não é difícil de encontrarmos belas paisagens ao redor desses engenhos. Também podemos encontrar nesse engenho, uma parte dele que certamente se contradiz com a sua beleza, que é a parte que teve sinônimo de crueldade, que foi a senzala. Essa propriedade foi tombada como patrimônio do Estado no dia 06 de janeiro de 1984, e passou por uma grande reforma recentemente, a onde foi preservado as suas características originais. 






       Além dos móveis da época colonial, a propriedade também conserva a antiga senzala, isso na parte inferior do casarão, e duzentos hectares com pequenos córregos, nascentes, restinga de mata atlântica e estruturas históricas como a chaminé da antiga usina. Nos dias de hoje, a renda gerada dessa propriedade, vem da criação de gado. O atual proprietária pretende investir no local, para receber turistas e visitantes com mais conforto. Portanto, essa é mais uma parte da história da cana de açúcar no nosso Brasil nos tempos do Brasil colônia, e que esse engenho fez parte e faz parte dessa história. Indo ao estado de Sergipe, procure conhecer um pouco da nossa história, procure conhece o ex Engenho São Félix, esse museu vivo da nossa história. Você será bem recebido pelos administradores do local. Esse engenho fica em Santa Luzia do Itanhy em Sergipe.





Nenhum comentário: